domingo, 1 de junho de 2014

22 países homofóbicos que não se deve ir nas férias (MAPA)


Por incrível que pareça, em pleno século XXI, ainda existem lugares onde as pessoas LGBT não são bem-vindas. Especificamente, no mundo existem 22 países que punem a liberdade sexual, especialmente, de uma forma ou de outra.

Os  COLEGAS LGBT Confederação Espanhola  está em campanha para avisar os turistas sobre os 22 destinos que não deve ser visitado "há ódio e a discriminação nesses países contra população LGBT."

 
A campanha, chamada  Não vá  (não vá lá), tenta chamar a atenção para destinos homofóbicos, então você tem a lista de países enviadas por 1.200 agências de viagens espanholas.


Os locais foram escolhidos por seus colegas, como explicou em um comunicado, "ódio contra a comunidade gay, sofrendo perseguição e legislação que não permitem a liberdade de expressão, muitas vezes é preso, e, no pior casos, é torturado e sentenciado a morte". "Viajar para um país onde, por causa do amor há uma pessoa do mesmo sexo,  as autoridades multilam, maltratam ou matam, é um risco estúpido", explica o Coordenador COLEGAS LGBT Turismo, Javier Checa. «Além disso, há opções que por outro lado são atraentes para o turismo LGBT  tornando-se mais numerosos, e é preferível escolher um país tolerante da Europa ou América para as nossas férias que podem terminar atrás das grades", acrescenta .


Em um estudo  publicado em 2013 pelo Centro de Pesquisas Pew, a Espanha estava à frente dos países mais tolerantes e menos homofóbicas na terra.


Estes são os 22 países e as razões para não visitá-los:
  • Afeganistão: As relações homossexuais são punidas com a morte por apedrejamento.  
  • Arábia Saudita: A homossexualidade é punida com penas como prisão, multas, espancamentos, a admissão em instituições mentais, amputação ou execução pública.  
  • Brunei: Recentemente introduziu a morte por apedrejamento para os homossexuais. 
  • Egito: Detenções e prisões para os gays, que se intensificaram nos últimos meses.  
  • Emirados Árabes Unidos Reino Unidos: Multas, deportação para estrangeiros em alguns casos, e a pena de morte. 
  • Gâmbia: Punição com até 14 anos de prisão. 
  • Gana: Grupos organizados realizam invasões de "caça" para maltratar ou matar homossexuais. 
  • Jordânia: Detenções por causa de reunião. 
  • Índia: Recriminalizou a homossexualidade em 2013, apenas quatro anos depois de ter sido legalizada. 
  • Irã: Polícia com grupos de cidadãos organizado 'ataques terroristas', para "limpar as ruas e cidades de criminosos e seres do mal", incluindo os homossexuais e adúlteros, que olham para os outros. 
  • Mauritânia: Homossexualidade punida com a morte por apedrejamento. 
  • Nigéria: A homossexualidade é punida com chicotadas por homens solteiros e prisão ou pena de morte para casais. Relações de amizade e comércio com os homossexuais também são proibidos.  
  • Paquistão: Flagelação de até 100 chibatadas e a morte por apedrejamento por ter relações homossexuais. 
  • Rússia: Em 2013 proibiu qualquer manifestação pública da diversidade sexual com a lei "anti propaganda gay". Grupos neo-nazistas aumentaram desde os ataques violentos contra a população LGBT.  
  • Senegal: pena de prisão de pelo menos seis meses. 
  • Síria: O clima de guerra que levou ao aumento de chantagem, tortura e assassinato de homossexuais. 
  • Somália: as relações homossexuais em algumas áreas são puníveis com a morte, prisão e outros. 
  • Sudão e Sudão do Sul: Punição varia de centenas de cílios para apedrejamento. 
  • Uganda: No início de 2014 estabeleceu uma lei que condena a homossexualidade com prisão perpétua. A violência contra as pessoas LGBT tem se intensificado nos últimos meses. 
  • Iêmen: A homossexualidade punível com chicotadas e apedrejamento. 
  • Zimbabwe: A comunidade LGBT é assombrada. O parlamento do país estuda aprovar uma lei semelhante à Uganda.
  • FONTE: http://www.inoutpost.com/