quinta-feira, 29 de maio de 2014

Reconciliação entre Cristianismo e Homossexualidade!


PRIMEIRA PARTE
Este estudo faz parte de uma série intitulada de “Reconciliação entre Cristianismo e Homossexualidade” do Dr. Joseph Adam Pearson, Presidente Internacional e Diretor Executivo do Cristo Instituto Bíblico Evangélico.
As Congregações precisam compreender a base bíblica para a afirmação de que Deus ama e aceita tanto heterossexual como homossexuais igualmente. Eles precisam aprender que Deus não vê como se um fosse melhor que o outro. Desde 1999, o livro E-book sobre o tema está disponível on-line e teve pelo menos 100.000 downloads desde então. O livro E-book está disponível em www.cebiaz.com. Por que é grátis? Tenho levado a sério Provérbios 23:23, que diz que devemos estar dispostos a comprar a verdade, mas não vendê-la.
Reconhecendo que é hora de um novo pensamento e novas ideias sobre a questão do cristianismo e da homossexualidade o estudo deve ser apresentado a um número significativamente maior de pessoas neste novo milênio. É importante que mais pessoas sejam expostas a essas informações, a fim de melhor facilitar a discussão, o diálogo e o debate respeitoso e eventual compreensão e aceitação de que o cristianismo e a homossexualidade são, na verdade, conciliáveis ​​entre si.
Há muitos LGBT em todo o mundo, cuja culpa foi cravada profundamente pelas posições oficiais de várias denominações cristãs. E, muitos cuja dor foi exacerbado pela crueldade mostrada a eles através das ações e reações de frequentadores dessas igrejas. Estas incluem membros da família de origem, colegas de trabalho e amigos de longa data. Minha esperança e oração é que o aparente dilema entre a homossexualidade e cristianismo seja resolvido, e que uma compreensão espiritual mais elevada da sexualidade resolva-se dentro de suas mentes, de uma vez por todas, tanto agora como em todo o resto de seus dias terrenos.
Há pelo menos sete razões para as igrejas se tornarem abertas, afirmando a conciliação:
EM PRIMEIRO LUGAR, as igrejas precisam atingir de forma mais eficaz os cristãos homossexuais, bem como seus entes queridos que erroneamente têm concluído que Deus não deseja ter um relacionamento com eles.
Muitos LGBT e seus entes queridos foram expulsos das igrejas locais através de mensagens e sermões de ódio, alguns até foram educadamente convidados pela liderança para sair. Isso não é em tudo cristão.
EM SEGUNDO LUGAR, as igrejas precisam tornar-se abertas, para atingir de forma mais eficaz os não cristãos LGBT que acreditam que ter um relacionamento com Cristo não é uma opção para eles. Recentemente, realizei um seminário e oficina em San Francisco [Califórnia]. No final da sessão, alguém veio até mim e expressou sua gratidão. Embora não sendo cristão, participou do seminário para saber se o cristianismo poderia ser uma opção. Ele ficou grato pelo seminário porque aprendeu que o cristianismo era, e é, uma opção para os homossexuais não cristãos.
EM TERCEIRO LUGAR, as igrejas precisam tornar-se abertas, afirmando a reconciliação para melhor ministrar às pessoas homossexuais já em suas congregações.
Recentemente, ao apresentar o seminário e a oficina em uma igreja não inclusiva, na Califórnia, foi-me dito por uma liderança: "Nós sabemos o que fazer com os homossexuais que não desejam ser homossexual, mas não sabemos o que fazer com aqueles que não desejam mudar”. Este ponto de vista, é claro, nasce da ignorância daqueles que pensam que não ser homossexual é acima de tudo necessário não ter intimidade sexual com alguém do mesmo sexo. Tais pessoas equiparam a homossexualidade com um ato sexual e não com uma orientação psicossocial. Foi muito revelador quando a mesma liderança disse que lá havia alguns "ex gays". Para eles, no entanto, "ex gays" destina-se a abstenção do ato sexual. Reconheceram entretanto, que os chamados "ex gays" ainda tinham os mesmos desejos por pessoas do mesmo sexo. Eles simplesmente não sabiam agir sobre esses desejos. Em última análise, não há tal coisa como "ex gay" para as pessoas realmente homossexuais. Talvez haja uma coisa só para as pessoas bissexuais ou para os outros em uma ampla e contínua retidão de sexualidade gay, que fazem uma aliança com alguém do sexo oposto como parceiro ao longo da vida conjugal. Mais uma vez, não existe tal coisa como "ex gay" para as pessoas realmente homossexuais.
EM QUARTO LUGAR, as igrejas precisam tornar-se abertas, afirmando a conciliação ao demonstrar de forma mais eficaz o amor cristão e inculcar a moralidade ao longo de toda a população.
Não é à toa que muitos homossexuais decidem que, já que está indo para o inferno (uma suposição errônea, é nítido), então podem muito bem fazer o que quiserem. Igrejas hostis aos homossexuais realmente promovem uma má conduta sexual dentro de suas comunidades.
EM QUINTO LUGAR, as igrejas precisam tornar-se abertas, afirmando a conciliação para ajudar a ativar e utilizar melhor os dons espirituais que Deus deu para as pessoas LGBT.
Pessoas LGBT têm substanciais dons e talentos dados por Deus que precisam ser usados ​​para o bem maior do Corpo de Cristo, que é claro, a Igreja.
EM SEXTO LUGAR, as igrejas precisam tornar-se abertas, afirmando a conciliação para continuar a atender às necessidades de mudança do cenário da igreja local.
Hoje, há pessoas divorciadas que nunca frequentam igrejas. Se a liderança continuar a insistir no pecado do divórcio, as pessoas divorciadas serão levadas para fora da igreja em massa da mesma maneira que os LGBT foram. Deixo conhecido que Deus requer a misericórdia por parte das congregações e de sua liderança, não a condenação!
E, SÉTIMO, as igrejas precisam ser abertas, afirmando a reconciliação para ajudar a curar e unir o Corpo de Cristo. Do início ao fim, esta série é utilizada para apresentar um conjunto de evidências aos "jurados", cristãos, por assim dizer, que na sua maior parte, ouviram apenas o lado da promotoria na história. Apresento esta série como um corpo de evidência em defesa da reconciliação, - não "reconciliação" entre pecador e Deus (porque o sangue de Jesus Cristo faz isso), mas "reconciliação" entre a incongruência aparente do cristianismo e a homossexualidade que ainda existe hoje por causa do pensamento tradicional incontestado. Esta série tem a intenção de desafiar esse pensamento.
Às vezes, as pessoas LGBT cristãs pensam que o seu dilema é exclusivo delas. Precisam saber que houve outras questões historicamente controversas dos direitos humanos dentro da Igreja Cristã.
Ao longo dos séculos, houve pelo menos cinco grandes questões de direitos humanos controversos que se desenvolveram na Igreja Cristã, incluindo:
PRIMEIRO: A JUDAIZAÇÃO E OS DIREITOS DOS GENTIOS;
SEGUNDO: O ANTISSEMITISMO E OS DIREITOS DOS JUDEUS;
TERCEIRO: A ESCRAVIDÃO E OS DIREITOS DAS MINORIAS RACIAIS E ÉTNICAS;
QUARTO: O CLERO DO SEXO FEMININO E OS DIREITOS DAS MULHERES; E,
QUINTO: A HOMOSSEXUALIDADE E OS DIREITOS DOS LGBT.
Infelizmente, em diferentes momentos da história, o que muitas pessoas fizeram em relação a essas questões foi selecionar alguns versos particulares e passagens da Bíblia para apoiar suas ideias sobre os gentios, os judeus, minorias raciais e étnicas, mulheres, e LGBT. Todas essas pessoas foram maliciosas e estúpidas? Infelizmente, não. Muitas eram bem-intencionadas e sérias na tentativa de aplicar o que achavam que o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, queria que elas acreditassem e praticassem em sua fé. Eu disse, "infelizmente", porque seria muito mais cômodo atribuir todas as atitudes anti-homossexuais e preconceituosas a malícia e a estupidez.
Para testificarmos isso, vemos que algumas leituras das Escrituras podem resultar em duas ou mais conclusões diferentes, mesmo entre as pessoas inteligentes de boa vontade. No entanto, é importante lembrar também que, embora os cristãos de boa vontade possam discordar sobre a interpretação das Escrituras em relação a um problema sério, eles ainda devem permanecer em comunhão enquanto aguardam uma compreensão mais perfeita e completa do seu Senhor.
Em relação às cinco grandes questões controversas de direitos humanos que se desenvolveram na Igreja Cristã, vamos considerar em primeiro lugar:
JUDAIZAÇÃO E OS DIREITOS DOS GENTIOS:
Pelo fato de os primeiros convertidos ao cristianismo serem judeus, muitos foram contra o papel dos gentios na igreja e até que ponto seriam autorizados a manter as suas culturas e costumes não judeus. Quando os doze apóstolos foram enviados a pregar, o próprio Jesus deu-lhes estas instruções: "Não vá aos gentios, nem entrem em qualquer cidade dos samaritanos. Ide antes às ovelhas perdidas de Israel". (Mateus 10:5-6 NVI).
Porque Jesus também ensinou que "A salvação vem dos judeus" (João 4:22 KJV) muitos judeus convertidos ao cristianismo de início acreditavam que, para que os gentios fossem recebidos no corpo de Cristo, teriam primeiro que se converter ao judaísmo.
Os doze apóstolos também tinham ouvido Jesus referindo-se aos gentios como "cães" (ou seja, os pagãos sem leis, bárbaros e idólatras). Considere o que Jesus disse quando a mulher de Canaã o procurou para curar sua filha. Na primeira, Jesus a ignorou. No entanto, após os seus discípulos pedirem a ele para fazê-la parar de incomodá-los, enviando-a para longe (Mateus 15:23), Jesus afirma que tinha sido enviado para a casa de Israel (Mateus 15:24 ), e não para os "cães", disse Ele: "não é justo tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cães" (Mateus 15:26, RS).
Estudantes da Bíblia sabem que a resposta da mulher Cananéia a Cristo foi mais adorável: "Sim, Senhor", disse ela: “Mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos" (Mateus 15:27). Ele maravilhou-se na fé por trás de sua resposta e, em resposta, curou sua filha baseada na fé da mãe. Assim, também, hoje, os cristãos LGBT são considerados "cães" por muitas denominações cristãs.
Como a filha da mulher Cananéia, toda a exceção à norma convencional está sendo curada agora em Cristo Jesus, e não de sua orientação sexual e não da sua identificação de gênero, mas de sua dor da rejeição de outros cristãos que pensam neles como modernos "cães" - o que quer dizer, rejeitados por Deus, incapazes de receber a salvação, e incapaz de tomar um lugar entre os eleitos de Deus. Este pensamento, claro, é errôneo e incompatível com a totalidade das Sagradas Escrituras.
No início da história da Igreja, o apóstolo Pedro também acreditava que os gentios eram impuros. No entanto, foi ensinado diretamente por Deus, para não humilhar as pessoas que Ele escolheu para salvar. A ele foi dito: "Não chame impuro o que Deus purificou". (Atos 10:15 b NVI). Depois, como registrado em (Atos 10:28 NVI), que Apóstolo contou sua revelação a Cornélio, um gentio em cuja casa ele tinha sido convidado para ficar. Disse:
"Vocês sabem muito bem que é contra a nossa lei um judeu associar com um gentio ou visitá-lo. Mas Deus me mostrou que eu não devo chamar qualquer pessoa de impura ou imunda".
Mesmo o nosso Senhor tendo ministrado ao Apóstolo pessoal e diretamente logo após ter "caido em um transe", (Atos 10:10 NVI) Pedro acabou sucumbindo ao seu antigo modo de pensar, bem como pela pressão dos pares legalistas de seus dias. Sem a orientação de Cristo, a mente humana não pode escapar do acomodo e assimilação do legalismo. É impossível.
O próprio apóstolo Pedro não conseguiu resistir ao pensamento de que os gentios cristãos precisavam ser corrigidos. Muitos outros cristãos tentaram impor leis tradicionais e costumes judaicos sobre os gentios convertidos ao cristianismo, foram tão longe a ponto de convencê-los da necessidade de todos os crentes seguir as práticas judaicas, incluindo a circuncisão.
Em Atos 15:1 (NVI), está registrado:
Alguns que tinham descido da Judéia para Antioquia ensinavam aos irmãos: "Se não vos circuncidardes, segundo o costume ensinado por Moisés, não podeis ser salvos".
Isso nos lembra dos atuais ensinamentos das lideranças nas igrejas: "A menos que você seja heterossexual, segundo o costume ensinado por Moisés, não podeis ser salvos".
Em Atos 15:5 (NVI), está registrado:
Em seguida, alguns dos crentes que pertenciam ao partido dos Fariseus [que eram os legalistas radicais daqueles dias] levantaram-se e disseram: "Os gentios deviam ser circuncidados e obrigados a obedecer à lei de Moisés". [os parênteses são meus].
Isso é como homens e mulheres atualmente ensinam nas igrejas: “Os LGBT devem ser [feitos] heterossexuais e obrigados a obedecer às leis de Moisés”. Eles devem ser alterados.
O entrincheiramento do Apóstolo Pedro no legalismo, o nacionalismo, o racismo e elitismo, eventualmente, tornaram-se tão prejudicial para o movimento cristão primitivo que o apóstolo Paulo se opôs a ele na cara, porque "ele estava claramente errado". (Gálatas 2:11 NVI).
Hoje, os cristãos que por acaso são LGBT precisam se ​​opor respeitosamente aqueles que estão claramente errados sobre quem são eles e o que podem ou não fazerr no corpo de Cristo.
Assim como o apóstolo Paulo teve de repreender Pedro há quase 2.000 anos atrás pela sua falta de vontade de seguir a comunhão com os gentios (A Pedro foi dito por Paulo, "estava claramente errado"). Assim, também, devem os iluminados cristãos repreender @s pregador@s, pastor@s, mestr@s, evangelistas e @s chamad@s profetas de hoje pela sua falta de vontade de permitir a plena participação e envolvimento por LGBT cristãos na Igreja moderna.
Quando o apóstolo Paulo descreveu sua equipe evangelística de colaboradores das lideranças dominantes na seara sempre tão grande do Senhor, reconheceu que as dificuldades que suportaram incluíam as de ser considerados "impostores" apesar de serem "genuínos". (II Coríntios 6:8 NVI).
Embora Paulo tendo sido chamado pessoalmente pelo Senhor para ser apóstolo, foi considerado como suspeito, porque não tinha sido discipulado por Jesus Cristo, quando Jesus estava na carne. Também foi considerado suspeito, por ter sido chamado para ministrar aos gentios, que eram os "cães" de sua época. O apóstolo era parte da elite de Deus e, no entanto, foi muitas vezes visto por seus colegas líderes, na melhor das hipóteses, como um cidadão de segunda classe do Reino de Deus, ou na pior das hipóteses, como um não cidadão em tudo.
Hoje, os cristãos que por acaso são LGBT podem se relacionar com a forma que o apóstolo e sua equipe de evangelismo eram vistos há mais de dois mil anos atrás. Hoje, LGBT cristãos são:
1) rejeitados de imediato como impostores, ainda que sejam genuínos; ou,
2) estão atribuídos a uma cidadania de segunda classe dentro da igreja local, têm permissão para sentar-se nos bancos e doar seus recursos financeiros, mas não é autorizado a ministrar aos outros com os seus dons dados por Deus.
Você vê como a judaização e os direitos dos gentios na igreja primitiva são aplicáveis à situação dos dias modernos com os LGBT cristãos? Ela é tão relevante para o cristianismo e a homossexualidade como as passagens bíblicas que muito são usadas​​contra os LGBT. Não corra para os versículos da Bíblia usados ​​contra os LGBT sem antes correr para o resto dela. Para ser um bom estudante da Bíblia, você deve mantê-la toda, enquanto atende, simultaneamente, as suas diversas partes.
Em relação às cinco grandes questões controversas de direitos humanos que se desenvolveram na Igreja Cristã, vamos recorrer à próxima...
ANTISSEMITISMO E OS DIREITOS DOS JUDEUS.
Mais tarde, na história da igreja, como os cristãos gentios gradualmente ultrapassaram os judeus cristãos em número, houve uma mudança da judaização do cristianismo para a sua dêsjudaização. Em um livro intitulado NOSSO PAI ABRAÃO: RAÍZES JUDAICAS DA FÉ CRISTÃ, o autor Marvin R. Wilson observa: “Embora alguns cristãos judeus, aparentemente, ainda participassem das sinagogas em seus dias, São Jeronimo [do século IV dC.] parece ter sido em grande parte a divisão do caminho, finalizado por volta de meados do século II. Uma nova atitude [naquela época] prevaleceu na Igreja, evidenciada pela apropriação do título "Israel" para si. Neste momento, a Igreja se defini mais em termos de continuidade como o povo judeu; ou seja, era uma extensão de Israel¹. O autor Wilson passa a rastrear como a dês judaização gradualmente deu lugar ao anti judaísmo e até mesmo antissemitismo: No século IV quando Constantino faz do cristianismo a religião oficial do Império Romano, os judeus experimentam uma nova onda de discriminação e perseguição. Eles perderam muitos dos seus direitos legais; não tinham permissão para habitar em Jerusalém ou buscar convertidos. Em 339 [DC] foi considerado uma ofensa criminal se converter ao judaísmo. Várias décadas depois o Sínodo de Laodicéia decidiu contra os cristãos que se deleitam com os judeus, classificando-os como hereges. Cerca de 380 DC, Ambrósio, bispo de Milão, elogiou a queima de uma sinagoga como um ato agradável a Deus².
Para certificar-se, Jesus dirigiu-se aos judeus de sua época, como se fossem herdeiros ilegítimos para a promessa feita a Abraão: "Se sois filhos de Abraão", disse Ele, "então fariam as coisas que Abraão fez. Como está determinado a me matar, um homem que vos falou a verdade que ouviu de Deus. Abraão não fazer essas coisas. Você está fazendo as coisas do seu próprio pai". (João 8:39-41 NVI)”.
Jesus disse também aos judeus: "Vocês pertencem a seu pai, o diabo, querem realizar o desejo de seu pai" (João 8:44 NVI).
Também disse: "A razão que não ouvirem é que não pertencem a Deus" (João 8:47 NVI).
Sim, existe uma polêmica bastante acentuada e amarga no Novo Testamento contra judeus incrédulos, mas, quando encontrada, é falada ou escrita por outros judeus (isto é, aqueles que creram em Jesus como o Messias prometido). Como tal, era uma briga de família. Consequentemente, os gentios não devem tomar essas passagens e outras como fora de seu contexto histórico e usá-las para justificar seu próprio antissemitismo. Eles precisam lembrar que em Romanos, capítulo 11, o apóstolo Paulo ensina que Deus não rejeitou os judeus (versículo um), e que todo o Israel será finalmente salvo (versos 25-26).
Está registrado nas Escrituras que os principais sacerdotes e anciãos judeus convenceram a multidão na presença de Pôncio Pilatos para pedir a liberdade do prisioneiro Barrabás em vez de Jesus e exigindo a execução do mesmo. (Mateus 27:20). Por fim, quando Pilatos lava as mãos sobre o destino de Jesus, está registrado em Mateus 27:25 que a multidão judaica que condenou Jesus, responde: "O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos [ou, por outras palavras, aos nossos descendentes]!"
Infelizmente, alguns cristãos nominais, destilaram a partir das escrituras, a ideia de que os judeus são assassinos de Jesus e usaram-na como base para o antissemitismo. No entanto, os verdadeiros cristãos devem ser fortemente contra antissemitismo, já que a família do Senhor (isto é, Yahweh) inclui os nossos irmãos e irmãs que por acaso são judeus. (Por extensão. Assim, também, tem passagens aparentemente anti gay que não devem ser interpretadas sem seu contexto histórico e nunca usadas para combater os gays). Lembre-se que "não há nem judeu nem gentio, todos nós somos um só em Cristo Jesus". (Gálatas 3:28 NVI).
Você vê quanto o antissemitismo e os direitos dos judeus na igreja é aplicável à situação dos dias modernos sobre os LGBT cristãos? É tão relevante para o cristianismo e a homossexualidade como as passagens que são usadas ​​contra os LGBT. Não corra para os versículos da Bíblia que são usados ​​contra os homossexuais sem antes correr para todo o resto. Você deve manter toda a Bíblia, enquanto atende, simultaneamente, as suas diversas partes.
Em relação às cinco grandes questões controversas de direitos humanos que se desenvolveram na Igreja Cristã, vamos para próxima virando para questão da escravidão e os direitos humanos das minorias raciais e étnicas...
ESCRAVIDÃO E OS DIREITOS DAS MINORIAS ÉTNICAS E RACIAIS.
Quanto à escravidão e os direitos humanos, os estudantes da Bíblia poderiam olhar em diferentes passagens, especialmente nos primeiros cinco livros para encontrar versos que suportam a escravidão. Como uma nota lateral, os cinco primeiros livros são chamados de Torah pela maioria dos judeus e de Pentateuco pela maioria dos gentios.
Por exemplo, em Levítico 25:44-46, afirma: “Seus escravos e escravas estão por vir das nações ao seu redor; a partir deles vocês podem comprar escravos. Vocês também podem comprar alguns dos residentes temporários que vivem entre vós e os membros de seus clãs nascidos em seu país, e eles se tornarão sua propriedade. Vocês podem quere-los a seus filhos como propriedade hereditária e podem torná-los escravos para a vida, mas vocês não devem governar sobre seus companheiros israelitas impiedosamente”.
Em Êxodo 21:20-21 NVI, afirma: “Se um homem bate seu escravo homem ou mulher com uma vara e o escravo morre como resultado direto, ele deve ser punido, mas ele não deve ser punido se o escravo perecer depois de um dia ou dois, uma vez que o escravo é sua propriedade”. E, em Êxodo 21:26-27 NVI, afirma: “Se um homem bate em seu servo ou serva no olho e o destrói, ele deve deixar o servo ir livre para compensar o olho. E se ele tirar para fora o dente de uma servo, ele deve deixar o servo ir livre para compensar o dente”. É absolutamente fenomenal que no solo do Congresso dos Estados Unidos na década de 1830, 1840 e 1850 muitos congressistas foram em apoio à escravidão. Por exemplo, em 01 de Fevereiro de 1836, o senador dos Estados Unidos James Henry Hammond disse o seguinte no plenário da Câmara sobre negros americanos: “A desgraça de Caim foi marcada nas formas e características de seus descendentes africanos. A mão do destino uniu sua cor e seu destino. O homem não pode separar o que Deus tem fez³”. A fim de reforçar o seu caso que a escravidão deve ser a lei da terra nos Estados Unidos, muitos representantes eleitos levantaram passagens como aquelas que acabamos de citar a partir de Levítico e Êxodo, assim como os escritos do apóstolo Paulo, que expressam sua aprovação tácita (ou endossa aparentemente) a escravidão. Por exemplo, o apóstolo afirmou:
"Escravos, obedecei a vossos senhores terrenos em tudo; e fazê-lo, não só quando seu olho for sobre você para ganhar seu favor, mas com sinceridade de coração e reverência para com o Senhor". Colossenses 3:22 NVI. O fardo do meu argumento não é o de apontar como a escravidão é horrível ou imoral. As pessoas civilizadas e cultas já sabem disso. Pelo contrário, é de salientar que, na maioria do tempo que o cristianismo tem tido sobre a terra, também houve escravidão e muitos cristãos toleraram a escravidão (e até fizeram parte do comércio de escravos) e que escravos ou propriedade em nenhum lugar das Escrituras foram especificamente proibidos. Isso mostra que a maioria dos cristãos podem estar errados a maior parte do tempo, assim como têm errado sobre as questões LGBT. No entanto, como os filhos de Deus vencem em Cristo, cada um pode chegar a uma compreensão mais esclarecida e moral em relação a questões específicas de direitos humanos envolvendo minorias raciais e étnicas, bem como pessoas homossexuais. Por que a escravidão não é lei em nosso país ou em qualquer outro? Porque é inconsistente com a totalidade da Palavra escrita de Deus. Ele não tem condição socioeconômica preferida e não faz distinção social: “não há escravo nem livre, pois somos um em Cristo Jesus”. Gálatas 3:28 NVI. Da mesma forma, por que os sentimentos anti-homossexuais não podem prevalecer dentro da igreja cristã? Porque são incompatíveis com a totalidade da Palavra de Deus escrita.
Você vê como a escravidão e os direitos das minorias raciais e étnicas na igreja são aplicáveis à situação dos dias modernos das pessoas LGBT cristãs? Ela é tão relevante para o cristianismo e a homossexualidade como as passagens da Bíblia que são usadas contra homossexuais. Não corra para os versículos que são usados ​​contra os homossexuais sem antes correr para o resto da Bíblia. Para ser um bom estudante você deve manter toda a Bíblia, enquanto atende, simultaneamente, as suas diversas partes.
Em relação às cinco grandes questões controversas de direitos humanos que se desenvolveram na Igreja Cristã, vamos nos voltar para a quarta...
O CLERO FEMININO E OS DIREITOS DAS MULHERES.
Mesmo hoje em dia há alguns indivíduos que não vão entrar em uma igreja, onde uma mulher está pregando, porque sentem que é contra a Palavra de Deus escrita e codificada sempre. Muitas vezes, para justificar a sua posição misógina, eles citam passagens tais como I Coríntios 14:34-35 NVI: “As mulheres devem permanecer caladas nas igrejas. Elas não estão autorizadas a falar, mas devem estar em submissão, como diz a lei. Se quiserem saber mais sobre alguma coisa, devem pedir aos seus maridos em casa, pois é vergonhoso para uma mulher falar na igreja”. Além disso, em I Timóteo 2:11-12 NVI, afirma: “A mulher deve aprender em silêncio, com toda a sujeição”. [ou seja, o apóstolo Paulo] não permite que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre um homem; ela deve ficar em silêncio. Aqueles que citam tais passagens para apoiar um ponto de vista anti-feminista não conseguem perceber que a separação distinta dos sexos nos dias do apóstolo Paulo não só determinava onde as mulheres deviam sentar dentro das sinagogas, mas também reduziam as suas oportunidades de educação e de liderança. Toda a sociedade era nitidamente diferente. Ainda era uma sociedade patriarcal em sua maioria, do sexo masculino, dominador e macho – independente, que tinha nascido no dia do caçador - guerreiro, quando a força bruta sozinha fornecia a vantagem de sobrevivência. No entanto, as coisas agora são muito diferentes, pelo menos em algumas partes do mundo. Quando vou a viagens missionárias para a Tanzânia, na África Oriental e para a Índia, noto que os homens e as mulheres ainda sentam-se em grupos separados. As culturas e sociedades em todo o mundo estão em diferentes estágios de desenvolvimento a respeito dessas questões. A quem quer que o apóstolo Paulo esteja se dirigindo nas passagens que acabamos de citar, a Escritura não pode contradizer a Escritura, estas passagens difíceis devem ser interpretadas à luz de outras passagens, que indicam a paridade dos sexos aos olhos de Deus. Para certificar-se sobre a prática real do Apóstolo Paulo vemos uma ampla inclusão de mulheres como colegas de trabalho no evangelho, bem como a compreensão de que em toda a Bíblia, tanto o homem como a mulher foram criados à imagem de Deus, e, isso deve ser levado em conta, Genesis 1:27 (NVI ) diz: “Então Deus criou o homem [não um homem, mas a humanidade] à sua imagem, à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou”. Uma visão esclarecida de gênero inclui uma compreensão de Marcos 12:25 (NVI ): [Cristo Jesus disse:] "Quando os mortos ressuscitarem, nem se casam nem se dão em casamento; mas serão como os anjos do céu".
Durante os anos 1950 e 1960, participei regularmente dos serviços da evangelista então conhecida, Kathryn Kuhlman. Ela vinha ao Centro de Convenções McCormick Place, em Chicago algumas vezes por ano. Toda vez que a vi, ela estava ladeada na plataforma palco por cerca de 100 homens sentados da Associação dos Homens de Negócios do Evangelho Completo. Ela dizia para a plateia: "Eu sei que alguns de vocês estão se perguntando por que eu estou aqui de pé, em vez de um desses homens". (Ela sabia que haveria alguns na plateia que se oporiam a ter uma mulher proeminente no papel de liderança cristã) ela, então, disse: "Se Deus pode falar através de uma jumenta, então certamente pode falar através de Kathryn Kuhlman". (ela estava se referindo a Números 22:28-30, onde narra-se que o Anjo do Senhor falou através da jumenta de Balaão). Deus não é um machista. Deus não tem preferências por sexo. Considere os papéis do Antigo Testamento de Miriam, Débora, e Hulda e o papel do Novo Testamento de Anna, assim como outras profetizas referidas na Bíblia Sagrada. De fato, "não há homem nem mulher, pois todos são um em Cristo Jesus". (Gálatas 3:28 NVI). Certa vez, quando estava fazendo o seminário e a oficina, um participante do sexo masculino falou quando cheguei a este ponto: "Bem, eu tendo a não falar sobre Debora porque ela foi uma exceção". Minha resposta para ele e para você é: "à medida que construímos a nossa própria teologia baseada na Escritura, devemos nos lembrar de levar em consideração todas as exceções".
Você vê como o clero do sexo feminino e os direitos das mulheres na igreja são aplicáveis à situação dos dias modernos dos LGBT cristãos? Ela é tão relevante para o cristianismo e a homossexualidade como as passagens bíblicas usadas ​​contra os homossexuais. Não corra para os versículos que são usados ​​contra os LGBT sem antes correr para o resto da Bíblia. Se você quer ser um bom estudante, deve manter toda a Bíblia, enquanto atende, simultaneamente, as suas diversas partes.
Em relação às cinco grandes questões controversas de direitos humanos que se desenvolveram na Igreja Cristã, vamos agora recorrer...
A HOMOSSEXUALIDADE E OS DIREITOS DOS LGBT
A Igreja cristã com certeza recorre a versículos individuais que têm sido usados ​​para promover o etnocentrismo, racismo e sexismo. No entanto, deve ficar nítido que apenas meias-verdades são apresentadas quando a Bíblia não é tomada em sua totalidade. É por isso que, ao invés de construir a doutrina da Igreja sobre apenas alguns versos selecionados, os cristãos precisam manter ela como um todo, enquanto, simultaneamente, atendem às suas diversas partes. Eles devem fazer isso, pois procuram compreender os fundamentos de sua fé. Devem entender que a Bíblia é um livro divinamente inspirado, e que há nela uma continuidade inigualável e incomparável mais do que qualquer outro livro, especialmente quando se considera o número de indivíduos que estiveram envolvidos em sua produção. Só teremos uma compreensão mais perfeita e completa de toda a verdade sobre qualquer tema ou assunto particular quando a Escritura for tomada em sua totalidade. Nossa abordagem para o estudo da Bíblia, interpretação e aplicação precisa ser hermenêutica. Ela precisa ser hermeneuticamente entendida - derivada de uma pratica verdadeira e superior do significado das Escrituras. Por uma questão de esclarecimento, a hermenêutica é definida pelo Novo Dicionário Riverside Webster como: "a ciência e a metodologia da interpretação, especialmente da Bíblia" 4. Em outras palavras, os estudantes da Bíblia devem resistir a não usar apenas algumas palavras ou versículos dEla para representar a totalidade da Palavra de Deus, assim como devem resistir ao uso de apenas uma meia-verdade para representar toda a verdade: "Estude" diz a passagem de 2 Timóteo 2:15: “Procure apresentar-te a Deus aprovado, um trabalhador que não precisa se ​​envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade". Estudo de qualidade envolve tempo, esforço e energia e uma interpretação coerente com base na totalidade da Palavra escrita de Deus. Se puxar seletivamente um versículo aqui ou ali, e construir uma teologia em torno dele, realmente não trarão honra, glória e louvor ao Senhor, o Deus Todo-Poderoso. O que fazem é promover uma agenda pessoal, política ou social que não pode ser agradável ao Senhor. Tal tem sido o caso das passagens bíblicas utilizadas para apoiar judaização, antissemitismo, oposição ao clero feminino, a escravidão e a ideia geral de que um grupo de seres humanos é superior a outros. Embora eu acredite que os escritos da Bíblia estavam sob santa orientação (ou seja, que foi de autoria do Espírito Santo), a dependência de alguns versos individuais ou passagens vai levar ao erro na sua interpretação e aplicação em geral. Enquanto versículos bíblicos individuais expressam a verdade absoluta, às vezes eles podem não ter aplicação universal. Por exemplo, os versos bíblicos que são comumente usados ​​contra as pessoas LGBT para dizer que sua orientação sexual é uma abominação para Deus têm sido interpretados fora do contexto. Seus contextos históricos e literários são ignorados. Em outras palavras, eles foram interpretados sem segurar toda a escritura, e ao mesmo tempo atender às suas diversas partes. Isso, é claro, vou tentar provar em seguida através de cuidadosa análise e síntese dessas passagens vistas contra seus cenários históricos e literários (isto é, em seus verdadeiros contextos históricos e literários). Isto irá indicar e incluir uma compreensão das passagens imediatamente adjacentes, bem como aquelas localizadas em outras partes do texto que fornecem informações ao pretendido, bem como real, significando (s). Às vezes, quando não há versos adjacentes em outras partes da Bíblia que vão ajudar com o significado, devemos nos voltar para o contexto histórico, a fim de elucidar o significado mais verdadeiro. Hoje, nós já passamos por judaização e os direitos dos gentios, antissemitismo e os direitos dos judeus, a escravidão e os direitos das minorias raciais e étnicas, e clérigos do sexo feminino e os direitos das mulheres. Discutir essas questões e passagens relacionadas na Bíblia é tão importante como explicar as chamadas passagens clobbers, usadas ​​contra as pessoas LGBT e sua orientação sexual. Às vezes, aqueles de nós, que usam apologética cristã para defender a doutrina da reconciliação entre o cristianismo e a homossexualidade, são acusados ​​de ter a própria chamada "teologia queer". Na é verdade, temos uma teologia e nossa compreensão dela. Mas, ao contrário, aqueles que nos acusam de ter uma teologia queer são os únicos que a têm, pois é muito importante para o convencimento daquilo que acreditam ser a verdade. Se você é um cristão gentio e um judeu cristão vem e concentra-se em passagens que colocam gentios em um segundo status de classe, você saberia imediatamente que a pessoa tem sua própria agenda pessoal e política. Se você é judeu e um cristão gentio vem até você e concentra-se em passagens que colocam os judeus em uma ótica ruim, talvez em relação à sua desobediência ao Senhor, ou em relação à crucificação de Jesus Cristo, você sabe imediatamente que a pessoa tem sua própria agenda pessoal e política. Se você é uma minoria e alguém da maioria racial ou étnica vem até você e concentra-se em passagens que, direta ou indiretamente, apoiam um sistema de castas ou a escravidão racial e/ou étnica, você sabe imediatamente que a pessoa tem a sua própria agenda pessoal e política. Se você é uma mulher e um homem machista concentra-se em passagens que, direta ou indiretamente, apoiam as mulheres como cidadãs de segunda classe ou, pior ainda, como propriedade dos homens, você sabe imediatamente que a pessoa tem a sua própria agenda pessoal e política. Da mesma forma, se você é LGBT e um heterossexual foca-se em passagens que interpretam contra os homossexuais, você sabe imediatamente que a pessoa tem a sua própria agenda pessoal e política.
Este trabalho é dedicado ao número incontável de pessoas LGBT que foram rejeitadas, maltratadas, atormentadas e assassinadas em nome do Senhor, e para aqueles que se feriram ou ceifaram suas próprias vidas por causa da dor de sua rejeição e vitimização. A mensagem deste trabalho é simples para aqueles que ainda estão vivos: Leve de volta a sua vida através de Jesus Cristo e seja triunfante. Hoje, em Jesus Cristo, você pode ter uma nova esperança!
Às vezes, quando compartilho o seminário e workshop com grupos que acreditam que já sabem tudo o que há de saber sobre o tema “cristianismo e homossexualidade”, logo querem se fixar na meia dúzia de passagens que parecem ser anti-homossexuais. Em seu zelo, tentam muitas vezes, mas não conseguem obter insights de outras passagens que são igualmente importantes para tal questão. Por exemplo, I Coríntios 1:27-29 diz: “[27] Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir as sábias; Deus escolheu as coisas fracas do mundo para confundir as fortes. [28] Deus escolheu as coisas humildes do mundo e as coisas desprezadas - e as coisas que não são - para anular as coisas que são, [29], para que ninguém se glorie perante o Senhor”.
De acordo com Deus, nenhuma carne pode se gloriar, nem carne nem heterossexual nem homossexual. Gozado é uma manifestação externa de orgulho próprio. E, Deus odeia orgulho próprio.
O que a Igreja Anti-gentios, a Igreja Antissemita, a Igreja racista, Misógena, ou Anti-Clero feminino e a homofóbica têm em comum? O pecado da arrogância. A arrogância é também uma manifestação do orgulho próprio. E, Deus odeia todas as formas de arrogância, incluindo arrogância doutrinária. Devemos amar e respeitar os nossos irmãos e irmãs católicos romanos. Devemos amar e respeitar os nossos irmãos e irmãs Batistas. Devemos amar e respeitar os nossos irmãos e irmãs pentecostais. E, todas as outras denominações cristãs e de algum outro grupo não citado aqui, estamos para amar e respeitar.
Agora, gostaria de compartilhar como o Deus da Bíblia não faz acepção de pessoas.
Uma das coisas que o Senhor nos ensinou através de Sua Santa Palavra é que Ele "não faz acepção de pessoas". Com certeza, esta é uma frase comumente usada na versão da Bíblia King James. Outras versões traduzem essa frase como Deus, "não mostra favoritismo" ou que ele "não tem parcialidade". Em outras palavras, a Divindade não é mesmo impressionada com a nossa aparência humana exterior. (Realmente, o Criador não é mesmo impressionado com nossas personalidades humanas individuais).
Como biólogo treinado5, posso atestar que muito da personalidade humana é bioquimicamente inclinada, fisiologicamente predisposta e endocrinologicamente predeterminada. De fato, os níveis de hormônios geneticamente determinados incidem sobre nosso cérebro causando ação e reação na maneira de fazer algo. Essa é uma das razões que as crianças são muito parecidas com seus pais em relação à personalidade e temperamento. Na maioria das vezes, os filhos adultos exibem praticamente o mesmo perfil de animação comportamental, ou a falta dele, como seus pais, ou pelo menos como um de seus pais. Independentemente disso, em última análise, não deve haver nenhum juízo de valores associado ao fato de alguém ter um "desenho animado" ou uma "chave" na personalidade. Deus realmente não se importa. Ele entende que grande parte da personalidade humana está predisposta e não é escolhida.
Na verdade, o que Deus se importa mais é com o que está dentro de nossos corações individuais. Nós encontramos isso como uma boa lição em I Samuel 16:1-13. Conforme registrado lá, o profeta Samuel avaliou os filhos de Jesse em relação ao que Deus iria escolher como o segundo rei da nação de Israel. Quando o primeiro filho, Eliabe, passou, o profeta olhou para ele e disse: "Meu Deus, isso é uma pessoa impressionante. Certamente, este é aquele a quem o Senhor vai escolher! Este deve ser o único" (I Samuel 16:6). No entanto, o Senhor respondeu a ele, instruindo-lhe que "não faz acepção de pessoas", e que não avalia a aparência exterior como seres humanos avaliam; O SENHOR disse a Samuel: "não consideres sua aparência nem sua altura, pois eu o rejeitei. O Senhor não olha para as coisas que o homem olha. O homem vê a aparência, mas o Senhor olha para o coração". I Samuel 16:7 NVI. Em outras palavras, o Senhor olha para o núcleo interno de um indivíduo e a intenção de seu coração. De acordo com Deus, a verdadeira natureza - ou, medida - de uma pessoa é determinada por quanto o amor está em seu coração. É muito importante para nós compreender que nossa casca humana é apenas uma expressão externa que pode ou não refletir o nosso núcleo interno, atitude ou intenção com precisão. É por isso que Deus não está impressionado com a nossa aparência exterior, e é por isso que Ele não mostra favoritismo com base no exterior. Na verdade, a nossa aparência física não impressiona a Deus. Nossa personalidade não é impressionante a Ele. Além disso, Ele não se impressiona com nossa orientação sexual. Ele realmente não se preocupa com qualquer uma dessas coisas, a não ser, claro, se não estamos agindo de forma piedosa em relação aos outros, ou não agimos de acordo com o que é que Ele quer que façamos em relação aos outros. Para ter certeza, dos abusos relacionados com a nossa fisicalidade - como a vaidade, auto aversão, engano (ou seja, apresentando-nos diferentes do que realmente somos). Personalidade humana inclui expressão externa, aparência física, composição genética, personalidade e sexualidade (ou seja, a identidade sexual, identidade de gênero, orientação sexual e, no caso dos bissexuais, preferência sexual). Espiritualmente falando, o homem verdadeiro é realmente a expressão, ou pessoa de Deus, uma vez que, coletivamente, somos o corpo de Cristo. O que quero dizer com a última afirmação é que, embora não sendo Deus e nunca podendo ser, quando nós o convidamos para nossas vidas através de Jesus Cristo, e quando Ele vive em nós e faz a Sua vontade, Ele realmente é o nosso verdadeiro ser. Em outras palavras, nosso verdadeiro ser e nossa verdadeira identidade vem dEle. Como o Apóstolo Paulo diz claramente, é em Deus que "vivemos, nos movemos e existimos". (Atos 17:28 NVI). E, como João Batista declarou, quando viu Jesus, "Ele deve crescer, mas eu devo diminuir". (João 3:30 KJV). Paradoxalmente, é na perda de nós mesmos que nos encontramos em Deus.
Precisamos chegar a uma melhor compreensão - ou uma visão esclarecida - de gênero, que inclui a compreensão destes dois versículos da Bíblia: “Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher, pois [nós] somos todos um em Cristo Jesus”. Gálatas 3:28 NVI.
Em última análise, Deus não nos avalia em termos de nossa realidade física. Para ter certeza, Ele está consciente de quem somos e o que somos, mas não nos avalia, com base em características sem valor. Avalia-nos em termos de nossas reações ao nosso ambiente e circunstâncias terrenas. Mais importante, no entanto, como cristãos, o Senhor olha para a justiça que tem sido transmitida a nós através do sangue derramado de Seu Filho unigênito, nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.
Quando formos para o céu, não veremos gêneros machos e fêmeas. Em vez disso, nós seremos "como os anjos no céu". Muitas vezes, isso confunde nossas mentes, porque como seres humanos, temos a tendência de pensar apenas em termos de imagens e alusões que se relacionam as referenciais humanas - ou, em outras palavras, em termos que se relacionam com o que vemos agora e com o qual estamos familiarizados atualmente. É claro que tal pensamento é compreensível, mas nós realmente precisamos elevá-lo, concentrando-se nas coisas sobrenaturais:
“Desde, então, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas do alto, onde Cristo está sentado à mão direita de Deus. Pensai nas coisas do alto, não nas coisas terrenas. Porque morrestes, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a vossa vida, aparecer, então também vós vos manifestareis com ele em glória”. Colossenses 3:1-4 NIV.
Deixe-me perguntar isso: Na realidade de Deus, somos seres espirituais ou seres físicos ou ambos? Em I Coríntios 15:49-50 ( KJV), lemos:
“E, assim como trazemos à imagem do terreno, assim trazemos também a imagem do celestial. Agora, isso eu digo, [irmãos], que carne e sangue não podem herdar o reino de Deus; nem a corrupção herdar a incorrupção”. [parênteses são meus].
Para ter certeza, o testemunho de toda a Bíblia é que os seres humanos são tanto espirituais quanto físicos. No entanto, o que hoje veste é um corpo corruptível, um corpo que perece. Mas, um dia, teremos um novo corpo, um corpo que é incorruptível e que não perece. E, o corpo será glorioso, pois vai vestir a glória, ou o brilho, de Deus (isto é, estaremos refletindo Sua glória)!
Acredito muito fortemente na natureza trina de Deus: Deus como Pai, Deus como Filho e Deus como Espírito Santo. Como já pronunciou as Escrituras, acho que tudo aponta para esta doutrina particular, bem como proporciona uma base sólida para a compreensão de um Deus. Algumas pessoas interpretam mal a frase: "Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo" afirmam que isso faz dos cristãos politeístas, pois adoram três deuses. Isso não poderia estar mais longe da verdade. Todos os cristãos autênticos, independentemente do que chamam a si mesmos, acreditam em um Deus, independentemente da semântica ou de como expressam suas crenças.
Também acredito que há uma natureza trina em Sua criação (somos "criados" coletivamente, bem como individualmente), e que a natureza trina de cada indivíduo consiste em "espírito, alma e corpo", como descrito em I Tessalonicenses 5:23 ( NVI).
Thomas L. Constable, Professor de Exposição da Bíblia no Seminário Teológico de Dallas, define essa tríplice natureza da seguinte forma:
“O espírito é a parte mais alta e mais original do [ser humano] e permite que [o ser humano] se comunique com Deus. A alma é a parte do [ser humano] que faz com que [ser humano] se conscientize de si mesmo; é a sede [da] personalidade. O corpo, é claro, é a parte física através da qual o homem interior se expressa [A própria] e pelo qual ele [ou ela] é imediatamente reconhecido”6.
Assim, o corpo é a fôrma na qual o indivíduo toma forma - isto é, a aparência da pessoa. Nós sabemos que forma temos agora (isto é, como nós aparecemos hoje), mas nós ainda não sabemos o que seremos no céu. Em resposta à pergunta sobre a nossa aparência celestial, o apóstolo João escreveu:
“Queridos amigos, agora somos filhos de Deus, e aquilo que será [ou seja, o que seremos] ainda não foi dado a conhecer. Mas sabemos que, quando ele [ou seja, Jesus Cristo] aparecer, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é”. I João 3:2 NVI.
Em outras palavras, um dia vamos ter um corpo glorioso de forma celeste, assim como nosso Senhor e Salvador agora tem. Desta forma, aguardamos a redenção do nosso corpo:
“A criação aguarda na expectativa, que [as crianças] de Deus sejam revelados. Pois a criação está sujeita à vaidade, não por sua própria escolha, mas pela vontade daquele [que é Deus] que a sujeitou, na esperança de que a própria criação seja libertada da escravidão da corrupção, para a gloriosa liberdade dos filhos de Deus. Porque sabemos que toda a criação geme como em dores de parto até o presente momento. Não só isso, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito [Santo], gememos interiormente, esperando ansiosamente a nossa adoção como [as crianças], a redenção do nosso corpo”. [parênteses são meus] Romanos 8:20-24 NVI.
Alguns versos mais adiante, afirmam que os servos de Deus são "os predestinados para serem conformes à imagem de Seu Filho". (Romanos 8:29). Isso é emocionante! Louvado seja o Senhor! Louvado seja Deus que temos esse olhar para frente!
Deus se relaciona com o seu povo em termos que possam compreender. O Deus invisível não tem um pênis e testículos (ou, testículos). Com toda a probabilidade, apresentou-se para os povos primitivos em termos masculinos para que eles (que facilmente entendiam o conceito de força como na força bruta) pudessem se relacionar melhor com seu poder e força. Meu ponto nesta seção é que Deus não é tão focado como nós na questão de gênero.
No encerramento desta primeira parte, gostaria de ler a mensagem de Jesus Cristo para todos os cristãos LGBT: “Embora os membros de Minha Igreja rejeitem você, eu não te rejeito! Apesar de ter sido perseguido injustamente por membros dela, peço que os perdoe por seus pecados, assim como te perdoei de todas as tuas ofensas. Segure firmemente a fé e a retidão que tem em mim, porque estou voltando em breve. Naquele dia, todas as coisas erradas serão definidas corretamente”.
Isto conclui primeira parte da série, intitulada "Reconciliação entre Cristianismo e Homossexualidade". Verdadeiramente, este é um novo pensamento para um novo milênio. Se você quiser uma transcrição da primeira parte, por favor, envie um e-mail para drjpearson@aol.com. Se você quiser uma cópia completa do livro didático, a reconciliação entre cristianismo e homossexualidade visite www.cebiaz.com e baixe o livro inteiro de graça.
1 Wilson, Marvin R. nosso pai Abraão: raízes judaicas da fé cristã. William B. Eerdmans Publishing Company, Grand Rapids , 1989 , página 83.
2 Ibid. página 95 . [ os parênteses são meus ]
3 Miller, William Lee . Argumentando sobre a escravidão: a grande batalha no Congresso dos Estados Unidos. Alfred A. Knopf, New York, 1996, página 139.
4 II Novo Dicionário Webster Riverside , Riverside Publishing Company, 1984 , página 577...
5 B.S. e M. S em Biologia pela Loyola University (Chicago), um ano em um programa de doutorado em Anatomia na Universidade de Illinois Medical Center, e um ano em um programa de doutorado em Biologia e Bioquímica na Universidade de Chicago. Meu doutorado ganhou um Ph.D. da Universidade Estadual do Arizona e é em Educação com especialização em Linguagem, Alfabetização e Lingüística.

6 Constable, Thomas L. "1 Tessalonicenses". Em Comentário do Conhecimento Bíblico por John F. Walvoord e Roy B. Zuck (eds.), Victor Books , EUA, página 710.