quarta-feira, 5 de novembro de 2014

5 coisas que as pessoas acreditam sobre Demônios, exorcismos e O Mundo Espiritual


Os antigos celtas acreditavam que no final de outubro, na noite em que marcava o fim da temporada de verão, as fronteiras entre os vivos e os mortos se abriam e a escuridão e fantasmas voltavam a caminhar sobre a terra.
Dois mil anos depois, o mundo espiritual é tão real e tangível para muitas pessoas de fé - e não apenas no Dia das Bruxas.
Um espírito é um ser ou essência sobrenatural, visto em algumas religiões como existindo separadamente do ser supremo, ou Deus. Outras religiões pensam em espíritos simplesmente como diferentes manifestações de Deus.
Há uma tendência entre os céticos de desacreditar na crença de espíritos, de acordo com Rabi Bradley Hirschfield, co-fundador e editor da The Wisdom Daily.comMas ele adverte contra isso, dizendo que a linha entre o espiritual e o físico é um "artifício artificial na melhor das hipóteses."
"Há forças no mundo desconhecidas para nós que, impactam do que fazemos e descobrimos que para domá-las às vezes usamos um Prozac, às vezes uma terapia de conversa, e às vezes uma oração", disse Hirschfield no The Huffington Post. "Eles estão todos fazendo a mesma eterna coisa humana:. Tentam expulsar tudo o que nos impede ser o que somos chamados a ser"
Aqui estão algumas crenças verdadeiramente fascinantes sobre espíritos, através de uma variedade de crenças:

1. Os Espíritos existem em muitas religiões em todo o mundo.

Artistas indianos vestidos como Asura esperam para participar da procissão religiosa do "Ravan ki Barat 'em Allahabad.

A velha ideia de que as pessoas podem ser atingidas por espíritos do outro mundo é predominante em quase todas as culturas, de acordo com David Frankfurter, professor de religião da Universidade de Boston e autor do Mal encarnado: Rumores de conspiração demoníacas e abuso satânico na História.
Textos hindus e budistas falam de horríveis asuras com presas e rakshas que podem corromper a alma de uma pessoa.
O Judaísmo nunca teve uma noção ricamente desenvolvida de demônios, mas o folclore judaico fala dos problemas causados ​​por espíritos infelizes ou irritados. Espíritos malévolos chamados de shaydim que podem causar estragos na vida de uma pessoa e até mesmo pôr o pé dentro de uma casa. Partes da Talmud aconselha aos judeus pôr ruínas no chão do quarto, a fim de capturar a marca dos pés dos shaydim, Hirschfield disse ao HuffPost.
O Alcorão refere-se a gênios, seres invisíveis como personalidades de fogo que vivem no mundo, mas em outra dimensão. Embora o texto sagrado islâmico sugira que algumas dessas criaturas possam renunciar aos seus maus caminhos,  acredita-se que a maioria são vítimas de suas naturezas travessas. Os Jinn (espíritos inteligentes de classificação mais baixa que os anjos, capazes de aparecer em formas humanas e de animais e que possuem humanos), compartilham muitas características com os humanos - nascem, morrem, e têm a capacidade de se apaixonar - mas também podem voar através do ar e mudar de forma. Muitos muçulmanos culpam os gênios por coisas ruins que aconteceram em suas vidas.
No Islã e em muitas religiões com origem na Ásia, os espíritos são seres intencionais, em grande parte, que podem ser influenciados por seus próprias desejos bons ou maus. As Pessoas devem abordá-los com cuidado e tentar determinar que espírito é, o que ele precisa, e por que  está presente.
Por outro lado, no cristianismo, estas forças espirituais são polarizadas, de acordo com Frankfurter. Os cristãos acreditam que os espíritos ou são a personificação de tudo o que é bom no mundo, como o Espírito Santo, ou são completamente maus, como o anjo caído, Satanás. Como subordinados a Satanás, todos os demônios são enviados para atormentar e seduzir os crentes para longe do caminho da fé.
Papa Francisco deu uma especial atenção aos demônios, advertindo seu rebanho sobre o início deste ano, o pontífice latino-americano "olhai para fora porque o diabo está presente." reconhecendo oficialmente um grupo internacional de exorcistas sancionado pela Igreja - sacerdotes que o Vaticano acredita ter o poder para expulsar os demônios. A Associação Internacional de Exorcistas tem cerca de 250 exorcistas que trabalham em 30 naçõesFrancisco elogiou recentemente o grupo como a exibição da igreja "amor para aqueles que possuíam".
O Rev. Gary Thomas, exorcista mandatário pela diocese de San Jose, diz que recebe "incessantes" chamadas e e-mails para o aconselhamento espiritual de pessoas em todo o mundo.
Muitos desses pedidos são de pessoas que sofrem de um problema de saúde mental, admite Thomas. Mas muitos outros passaram anos em terapia psiquiátrica e ainda tentam encontrar alívio. Há casos reais de atividade demoníacas, diz ele, que não podem ser explicados.
"Estamos lidando com um mal palpável e uma realidade que está fora da lógica humana", Disse Thomas ao HuffPost.

2. Espíritos são ativos no mundo.

Demônios e os condenados ao inferno, detalhe do coroação da Virgem Retábulo, 1454, por Enguerrand Quarton.

Para muitos crentes, esses demônios não são apenas histórias encontradas nas páginas das escrituras sagradas. Eles são reais e pronto para fazer travessuras. Para além do reino físico, muitos fiéis reconhecem a existência de um reino espiritual separado - por exemplo, os pentecostais cristãos acreditam em um reino que trava uma constante "guerra espiritual", ou uma batalha entre as forças do bem e do mal.
Cerca de dois terços dos americanos acreditam totalmente ou em grande parte que anjos e demônios desempenham um papel ativo na vida dos seres humanos, de acordo com uma pesquisa de 2007 Pew ResearchMórmons (88 por cento), cristãos evangélicos (87 por cento), e membros de igrejas historicamente negras (87 por cento) são especialmente propensos a concordar com a ideia de que esses seres são reais.
"Mas os cristãos liberais não levam a sério a existência de um reino do mal", diz Edgar Lee ministro aposentado das Assembleias de Deus, que está neste momento na presidência da Comissão da denominação, Pureza Doutrinária. "Acreditamos que há uma força espiritual do mal que tenta os seres humanos a comportamentos pecaminosos".
No judaísmo é diferente. Há místicos em Jerusalém que escrevem encantamentos e vendem amuletos, a escola de pensamentos Cabala às vezes fala em exorcismos. Mas ao contrário das outras religiões monoteístas, diz Hirschfield que o judaísmo americano tradicional nunca realmente coloca ênfase na ideia de demônios.
Isso pode ser porque muitos judeus nos Estados Unidos são secularizados. Mas também pode ter a ver com o fato de que o judaísmo seja uma religião muito performática, cheia de rituais e exigências, disse Hirschfield.
"A essência da piedade judaica é baseada em uma vida direita, de orações, estudo e execução de obrigações religiosas", disse o rabino. "Quando as coisas vão mal, o primeiro lugar que se olha não é para alguma força externa, mas para o seu interior... e como se está agindo."
Ainda assim, os judeus lutam com a mesma pergunta sobre o mal que muitos seres humanos enfrentam.
"Todo mundo está apenas tentando descobrir o que significa crer em um Deus que é bom quando há tanta coisa ruim no mundo", disse Hirschfield.

3. Espíritos podem atacar o seu corpo ou mente.

Os adoradores de uma igreja batista realizam o exorcismo em um membro da congregação, em Joanesburgo, África do Sul.

Em algumas tradições religiosas, os demônios são creditados para atacar fisicamente o corpo ou a mente. Os membros de grupos cristãos Pentecostais acreditam que grande parte dos demônios entram através da mente, tentando as pessoas para se afastarem da fé.
Alguns hindus acreditam que asuras demoníacos podem eventualmente assumir o espírito de uma pessoa, tirando ele ou ela fora da harmonia com o divino. De acordo com Anju Bhargava, fundador da Comunidade Hindu Americana Seva, uma pessoa cheia de asuras se torna um "raksha" e sucumbe às qualidades de ira, ganância e inveja.
"Em nossa tradição, o meio mal não tem conhecimento da qualidade divina dentro de você", disse Bhargava.
Alguns muçulmanos acreditam que os gênios podem entrar e habitar no interior do corpo humano antes de tomá-lo por completo.
A tradição católica romana é muito específica sobre a forma que os demônios assaltam o corpo. Demônios geralmente atacam as pessoas que estão em uma condição vulnerável, de acordo com Thomas, o exorcista San Jose.
"Eles costumam escolher as pessoas que têm relacionamentos quebrados ou sem relações, bem como pessoas envolvidas com o ocultismo, o que desencadeia um sim que indica um interesse em um relacionamento com o diabo", disse ele.
Existem diferentes estágios de apego ao diabo, acrescentou Thomas: Opressão, obsessão, possessão, e integração. A última fase ocorre quando a pessoa decide aceitar o relacionamento demoníaco.

4. Espíritos podem controlar as pessoas, levando-as a se comportar de maneiras terríveis.

Pastor Hugo Alvarez realiza o ritual de exorcismo em uma mulher na Igreja do Divino Salvador, na Cidade do México, México.

Pentecostais cristãos acreditam que os demônios são responsáveis ​​por vícios indesejados, como pornografia, álcool e drogas, de acordo com Frankfurter professor da Universidade de Boston.
Na tradição islâmica, os gênios maliciosos são muitas vezes vistos como o ímpeto por trás de doenças mentais e doenças neurológicas como epilepsia, de acordo com a Ciência Viva.
A possessão é reconhecida como o resultado do comportamento muito mais aterrorizante na Igreja Católica RomanaHá vários sinais clássicos de um ataque demoníaco, de acordo com Thomas. O primeiro é uma aversão ao sagrado, que supostamente faz com que as pessoas se tornem fisicamente doentes quando chegam perto de algo sagrado, como uma igreja ou uma hóstia. As pessoas também podem ter um conhecimento oculto das coisas e possuem uma força excessiva. Thomas disse que viu pessoas falar em latim, espanhol, russo, ou um antigo idioma, língua perdida que nunca haviam estudado. As vítimas podem até começar a tremer incontrolavelmente.

5. Espíritos podem ser expulso.

Jesus e o diabo. Detalhe da porta de bronze elaborada na Piazza del Duomo, Pisa.
Exorcismo, a expulsão ritual de espíritos malignos, ainda é amplamente praticada nos Estados Unidos. Frankfurter sugere que o ritual recebeu mais atenção após o lançamento do filme "O Exorcista". Nas igrejas pentecostais, o exorcismo geralmente ocorre em um ambiente de grupo, talvez durante um culto regular ou uma reunião especial de avivamento. Lee pastor aposentado das Assembleias de Deus, diz que essas libertações são realizados em "circunstâncias muito excepcionais" em que uma pessoa se sente "invulgarmente demonizada".

"Em tal caso, o pastor pode muito bem colocar suas mãos sobre a cabeça do crente e oferecer uma oração em nome de Jesus Cristo, para que possa ser livre do maligno", disse Lee.
Frankfurter diz que a experiência do exorcismo em uma igreja pentecostal é uma "incrível experiência catártica" para aqueles que podem sentir que estão lutando com certos vícios.
"É uma situação social que convida este tipo de performance", disse ele. "Eu não acho que é planejado ou deliberado. É algo que as pessoas se sentem chamados a fazer."
No hinduísmo, os indivíduos que acreditam estarem sendo hostilizados por asuras podem rezar pelos os seres e fazer oferendas para acalmá-los, afirmou Bhargava.
Alguns muçulmanos também acreditam que espíritos malignos, como os gênios, podem ser lançado para fora do corpo. Durante o ritual, o exorcista lê passagens do Alcorão, usa santos óleos e água, e tenta falar com o espírito trancado dentro do corpo da pessoa supostamente possuída, de acordo com a BBC.
Na tradição católica, os exorcismos são muito individualizados. "O que faz do exorcismo um desafio é que cada situação é diferente", explicou Thomas. "Essa é a coisa sobre a tradição católica. É muito conservador. Não é como expulsar fantasmas - ele é feito com um grande cálculo".
Thomas disse que as pessoas que vêm a ele em particular, sentem-se "envergonhadas e culpadas." Acrescentou que testemunhou cerca de 150 exorcismos e realizou cerca de 60 a 80.
Um exorcista oficial da Igreja Católica tem que receber a aprovação do bispo local, a fim de ter autoridade contra os demônios. Thomas foi treinado pelo Ateneu Pontifício Regina, Apostolo de Roma antes de receber um mandato do Bispo de San Jose para realizar exorcismos dentro da diocese. Sua formação foi o tema de 2011 do filme"O Rito".
Para ser rotulado vítima de um ataque demoníaco, Thomas diz que primeiro a pessoa tem que passar por uma equipe de psiquiatras e médicos da diocese. Isto supostamente ajuda a descartar um problema de saúde mental. Se os problemas da vítima parecem ser realmente o resultado do trabalho de um demônio, então se prepara um remédio espiritual. Ele tenta trazer a pessoa de volta para a fé, obtendo dele ou dela o ritmo de oração e dos sacramentos.
Um exorcismo completo, usa um complexo conjunto de ritos e orações prescritas pela Igreja Católica, e, só é empregada como um último recurso.
Às vezes, diz Thomas, o processo é "cansativo" para ele e para a vítima. E isso pode levar anos.
"Nunca há apenas um demônio porque eles operam como uma tribo, como leões que operam em uma caçada", disse Thomas. "O demônio é geralmente escolhido por Satanás e sai e recrutar outros demônios... E você não pode lançá-los todos de uma só vez."
Dr. Valter Cascioli, psiquiatra e porta-voz da Associação Internacional de Exorcistas, disse que já viu evidências de um "aumento extraordinário de atividades demoníacas" nos últimos anos.
"Estamos vivendo um momento particularmente crítico na história, em que a urgência, a superficialidade, o individualismo exasperado, a secularização parece quase dominar nossa cultura", disse Cascioli a Rádio do Vaticano, de acordo com a Religion News Service.
"A batalha contra o mal está se tornando uma emergência. Estamos pedindo maior vigilância."

Fonte: http://www.huffingtonpost.com/