sábado, 1 de novembro de 2014

Lendo o Salmo 23 para Relacionamentos românticos com foco em Pessoas LGBT

O estudioso das Escrituras William Brown nos diz que os salmos são um produto de muitos séculos de vida de adoração do povo de Israel. Eles consistem de petições, lamentações ou expressões de tristeza, louvores, ações de graças, e instruções sobre Deus e a conduta humana. Outro estudioso das Escrituras, Richard Clifford lembra-nos que os salmos "expressam a experiência do Santo de Israel, direta e concretamente, com uma vasta gama de sentimentos." Os salmos são testemunhos inspirados de pessoas que existiram há muito tempo, mas que não eram perfeitas. O estudioso Queer das Escritura Tamar Kamionkowski nos lembra que os salmos refletem imagens masculinas estereotipadas, e que as imagens de Deus são muito masculinizadas. Se lermos e rezarmos os salmos, é bastante óbvio que são muito macho-cêntricos. As perspectivas das mulheres não aparecem com freqüência neles. No entanto, os salmos ainda podem proporcionar a todos nós algum alimento espiritual.
Demoraremos algum tempo na meditação do Salmo 23. Este é considerado como um dos mais amados, é usado amplamente como oração no mundo cristão. Ele é usado como uma oração devocional ou pessoal, durante os funerais e cerimônias especiais que pedem a ajuda, orientação e proteção Divina. Meu plano é ler o Salmo 23 ponto-a-ponto com uma questão que é muito importante para muitos de nós: relacionamentos amorosos. Este estudo é uma resposta a essa questão. Claro, todo mundo é bem-vindo para participar, mas o foco é sobre as vidas das pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, intersex e todas as outras pessoas queer.
Aqueles de nós que já estão em relacionamentos querem saber como ter melhoras no mesmo. Aqueles de nós que são solteiros querem saber como é estar em um relacionamento. E aqueles de nós que dizem aos outros que não precisam de relacionamentos pensam que conseguem enganar a si mesmos e aos outros, quando na verdade é tão evidente no modo de falar e agir que realmente querem um relacionamento. Ao ler o Salmo 23 ponto-a-ponto com a questão dos relacionamentos amorosos, estou interessado em saber como ele pode aconselhar-nos nesse ponto. É claro que o Salmo 23 não é sobre um romance ou relacionamentos, mas acredito que pode nos ensinar algo sobre relacionamentos românticos, especialmente sobre o papel e os valores Divinos. Não estamos em um estudo que dará respostas instantâneas, fáceis que se aplicam a todos os relacionamentos. Cada um de nós é diferente, e as nossas vidas e as relações são diferentes e únicas. Mas espero que essa meditação possa nos ajudar a refletir mais profundamente sobre nossas próprias experiências pessoais.
Esse estudo será um pouco diferente. Em vez de proclamar o Salmo 23 para você e, em seguida, explicar, vou proclamar por parágrafo. Vagamente dividido este Salmo em três parágrafos, e não há regras estabelecidas. Cada parágrafo será acompanhado por uma meditação. Usarei uma versão inclusiva do Salmo 23. Em vez de se referir a Deus como "ele" ou "ela" ou "Senhor", vou me referir a Deus como Deus, pois a palavra Deus é tanto "ele" como "ela", e ainda Deus é nem ele e nem ela. Vou fornecer imagens adicionais de Deus para o Salmo 23 mostrando aspectos masculinos e femininos de Deus. Só por hoje, também vou significar "Deus" como "D*s", seguindo o exemplo da teóloga feminista Elizabeth Shüssler-Fiorenza. Ela usa essa grafia (G*d em Inglês, adaptamos para D*s em português) para mostrar que nossas imagens de D*s não pode ser limitada ao homem ou imagens masculinas. A pronúncia é a mesma! Você poderia dizer que estamos alargando as fronteiras do Salmo 23 neste estudo! Você também pode dizer que estamos meditando sobre o Salmo de uma forma muito estranha! Com isso, vamos passar para o primeiro parágrafo.
O convite para relacionamentos românticos
Leia esses versículos juntos lentamente:
D*s é meu pastor e pastora, não vou precisar de coisa alguma. 
D*s me faz repousar em pastos verdejantes; 
D*s me leva às águas refrescantes; 
D*s Refrigera a minha alma. 
D*s me leva no caminho certo por amor de seu nome.
Não acho que tenhamos um monte de ovelhas no Brasil, mas a imagem de ovelhas, um pastor e uma pastora são muito bonitas. Há uma forte relação entre as ovelhas e seu/sua cuidador(a). O(A) cuidador(a) é a única proteção que elas têm contra o tempo e os lobos. O(A) cuidador(a) é aquele(a) que assegura que elas terão água de qualidade, e serão capazes de pastar em seguras, pastos verdes. Sem o pastor ou pastora, a ovelha poderia morrer. Usando esta imagem, o Salmo 23, tenta enfatizar que D*s está no centro de nossas vidas, que D*s cuida de nós e que D*s sustenta nossas vidas. Isto também significa que D*s está no centro das nossas relações.
No entanto, porque D*s é o(a) nosso(a) pastor ou pastora, que "não precisamos de alguma coisa." Isso significa que nós não precisamos de comida, ou roupa, ou abrigo, ou um SamsunGalaxy... ou até mesmo relacionamentos? É muito simplista, e até mesmo perigoso tomar as palavras da Escritura literalmente. Gostaria de sugerir que entendamos "não precisamos de alguma coisa" a partir de uma perspectiva diferente. Gostaria de sugerir que essas palavras nos lembram que a vida que é íntima com D*s é uma vida que está completa. Não estou falando apenas de uma vida de ir à igreja e cantar canções de adoração e ter bolsas "prada". D*s está presente em bondade, justiça, honestidade, amizade e amor. D*s é ainda presente em eventos da vida que parecem negativos, como sofrimento ou tragédia. Quando abraçamos essas várias partes da vida, e incluímos D*s nelas, estamos vivendo uma vida íntima com D*s, e nossa vida está completa.   Mas completa não significa perfeita. Também não quer dizer que somos um processo acabado.
Amados(as), nós somos o que chamo de totalidades fragmentadasCada um de nós tem a capacidade de ser tão completo quanto estarmos destinados a ser. Mas nós nunca realmente chegaremos lá. Nós nunca alcançaremos o nosso potencial máximo. Há muitas coisas na vida que dificultam e nos impedem de alcançar esse potencial. No decorrer da vida, estamos distraídos, feridos e quebrados. Estamos inteiro porque temos recursos para alcançar o nosso potencial máximo. Estamos fragmentado, ou quebrados, porque, muitas vezes, voltamos para trás, ou resistimos a nos tornar todo, ou somos impedidos de o fazer por acontecimentos da vida. Somos totalidades fragmentadas.
Às vezes, estamos tão fragmentados que encontramos maneiras para cobrir a nossa fragmentação. E uma dessas maneiras é encontrar um relacionamento. Quando aparecermos atraente e desejável para alguém, nos sentimos bem. Colocamos o nosso melhor comportamento, e o olhar "perfeito." Por alguma razão, nós, seres humanos, sentimos que somos alguém, que valemos alguma coisa, que nos tornamos completos, ou todo, quando estamos em um relacionamento. Esquecemo-nos que já somos completos, apesar de estarmos inteiramente fragmentados. Muitos de nós sucumbi à tentação de fazer da outra pessoa a responsável por nos fazer um todo... em vez de procurar a nossa própria responsabilidade para tentar se tornar mais inteiro .
Amados(as), não usemos nossas relações para ignorar e encobrir nossas próprias falhas ou quebrantamento psicológicos e emocionais. Não façamos o uso de outra pessoa para fazer ou para quebrar-nos. Não vamos depender dele ou dela para compensar o que falta em nós mesmos. Alguns de nós, nem todos, são convidados(as) para um relacionamento. Quando D*s convida-nos a um relacionamento, é para melhorar o nosso crescimento pessoal como totalidade fragmentada, não para fazer uso de outra pessoa para nos sentir melhor com nós mesmos. Estar em um relacionamento significa que sabemos que estamos em uma jornada para desenvolver o nosso potencial máximo, e nós queremos um(a) companheiro(a) para compartilhar essa jornada conosco, não para fazer essa viagem por nós. Queremos compartilhar conosco e com nosso(a) companheiro(a), e, aprender com ele ou ela, e não usá-lo(la) para preencher as lacunas.
Solidão, dissoluções e Morte
Continue a rezar o Salmo 23 lentamente:
Mesmo que eu ande pelo vale escuro, 
não temerei mal algum, 
porque tu estás comigo; 
a tua vara e o teu cajado, seu carinho e seu toque 
me consolam.
Para muitos de nós, a dor da solidão é, provavelmente, um dos exemplos mais comuns de caminhada através do vale escuro de nossas vidas. Muitas pessoas LGBT experimentam a solidão e o estar sozinho, mas também muitas pessoas que se identificam como heterossexual. A solidão e o sentimento de estar sozinho é vivido por ambas as pessoas solteiras ou casadas. Mas, amados(as), é preciso lembrar que a solidão não é o mesmo que estar sozinho. Onde a solidão faz com que alguns de nós se sinta desconfortável, estar sozinho pode ser um momento de estarmos em contato com nós mesmos. Quando estamos sozinhos, podemos nos tornar honestos com nós mesmos e enfrentar a nós mesmos e quem realmente somos. Este pode ser um momento assustador, porque alguns de nós realmente não quer se enfrentar, enfrentar o nosso quebrantamento, enfrentar a dor de nossa fragmentação. Então, nós nos cercamos com todos os tipos de distrações como música e entretenimento, fofocas, ginásio e fazer compras. Não estou dizendo que essas coisas são ruins. Estou dizendo que estar sozinho pode ser um momento de fazer amizade conosco mesmo, para estar mais em contato com nós mesmos, para descobrir coisas sobre nós mesmos. Um tempo sozinho pode nos ajudar a ser mais auto-conscientes, e um conjunto fragmentado que é mais auto-consciente pode trazer algo de bom e belo em um relacionamento. D*s pode se tornar mais presente em nós quando estamos sozinhos, e nos guiar em nossa auto-descoberta.
Outro exemplo de caminhar pelo vale escuro de nossas vidas é quando experimentamos um rompimento em nossos relacionamentos, ou quando um(a) parceiro(a) anda longe. Às vezes a gente se sente envergonhado, com raiva, triste, decepcionado, chateado, desiludido, vingativo, amargo e rancoroso. Enquanto alguns de nós são capazes de seguir em frente com facilidade, muitos experimentam um rompimento ou a perda de um(a) parceiro(a) como um processo que nos leva para distante de nós, que nos faz sentir menor e ainda mais fragmentado(a). Acho que há duas razões por que se sentem dessa forma. Em primeiro lugar, é por termos investido tempo e sentimento em alguém. Em segundo lugar, nós construímos nosso senso de auto-estima em um relacionamento. Não há respostas fáceis para um rompimento. Não há remédio rápido para um coração partido. Talvez estejamos destinados a estar em um relacionamento apenas por um período de tempo. Talvez só precisamos suportar a dor antes de si curar. O Salmo 23 nos lembra que quando andamos pelo vale mais escuro, D*s está conosco. Entre outras coisas, o cajado e a vara são símbolos de força e apoio. D*s está presente em nossas separações, oferecendo-nos força e apoio em uma jornada que leva para a cura. D*s nos consola através do carinho, carícia e toque de nossa família e nossos amigos. D*s está presente na força que se encontra no fundo de cada um de nós. Amados(as), não nos esqueçamos de que a caminhada através do vale mais escuro pode ser um tempo para descobrir o poder e a força que nós nunca sabíamos que tínhamos dentro de nós.
Os Desafios dos relacionamentos românticos
Continuemos a rezar o Salmo 23:
Preparas-me uma mesa perante mim 
na presença dos meus inimigos; 
unges a minha cabeça com óleo, cobre meu rosto com beijos; 
o meu cálice transborda.
Às vezes, penso em um relacionamento como um banquete de jantar. D*s é o anfitrião, e nos convida a sentar-se à mesa e alimentar-nos de um relacionamento. Se nos aproximamos de um relacionamento a partir de uma perspectiva madura e aberta, se pensarmos no relacionamento como algo que pode contribuir tanto quanto o sairmos dele, a jornada pode ser bela e vivificante. O copo de nossas vidas pode transbordar de alegria e realização. A relação leva as pessoas que estão envolvidas nela a dar o seu melhor para fazê-la funcionar. Nunca é uma atividade unilateral. Ao mesmo tempo, estamos cientes de que um relacionamento tem muitos desafios. Um desses desafios é que todo relacionamento pode experimentar discussões, brigas e desentendimentos. A relação entre um cristão(ã) e um não-cristão(ã) pode, por vezes, também levar a desentendimentos. Por que isso acontece? Isso acontece porque um relacionamento é um processo em que os(as) parceiros(as) vêem de educações, maturidade, valores, formação educacional, modos de fazer as coisas, pontos de vista e compreensão de uma linguagem diferente e nessa diferença tentam construir uma vida juntos como uma equipe.
A discordância não é necessariamente uma coisa ruim. Brigar e argumentar pode ser uma forma de se comunicar e dar nitidez. Às vezes, essas ocasiões pode permitir-nos a compreender mais profundamente o(a) outro(a). Às vezes, podemos chegar a algum tipo de resolução ou acordo. Às vezes, temos de aprender a concordar em discordar. Isto não é fácil, especialmente se a nossa maneira de pensar não é muito compatível com a forma como nosso(a) parceiro(a) pensa. Compatibilidade intelectual e emocional é muito importante para um relacionamento. Acho que argumentos, brigas e desentendimentos pode ajudar a fazer um relacionamento crescer. No entanto, usando as palavras de um membro da igreja, devemos ter "brigas de qualidade." A discussão de qualidade, argumento ou discordância é se engajar em uma conversa com os(as) nossos(as) parceiros(as) com o objetivo de chegar a uma compreensão mais profunda, resolução ou decisão de discordar de uma forma respeitosaUm argumento, briga ou desentendimento não é sobre quem ganha e quem perde. Não se trata de nossos egos. Não é sobre você ou eu, é sobre nós, e como nós podemos melhorar o nós.
A briga de qualidade lembra que os(as) parceiros(as) em um relacionamento são ungidos(as) com o óleo do Espírito Santo por D*s. O que isso significa? Nos velhos tempos, ser ungido(a) significava que alguém era eleito por D*s para um dever especial. Se D*s convida-nos a um relacionamento, e nós respondemos com um "sim", isso significa que fomos ungidos para este chamado especial de um relacionamento romântico. Em uma briga de qualidade, cada parceiro(a) reconhece o(a) outro(a) como merecedor(a) de respeito porque D*s está dentro dele ou dela, e porque ele ou ela está respondendo a D*s o convite de um relacionamento. Em uma briga de qualidade, lembramos que há certas coisas que podemos aprender com nossos(as) parceiros(as). Não importa se os(as) nossos(as) parceiros(as) são cristãos ou não. D*s não está presente apenas dentro dos cristãos. D*s está presente nos corações de todos os seres humanos. E nunca devemos usar a desculpa: "Meu/Minha parceiro(a) não é cristão(ã)" para poder olhá-lo(la) como uma pessoa má. Quando respeitamos os(as) nossos(as) parceiros(as) durante desentendimentos, quando concordamos em discordar, na verdade estamos cobrindo suas bochechas com beijos. Na verdade, estamos dizendo a eles/elas, "Eu sei que nós temos diferentes maneiras de olhar para a mesma coisa, e que podemos não estar em total acordo, mas isso não significa que eu te amo menos." Estamos realmente dizendo, "Não importa se você é cristão(ã) ou não,. vejo D*s em você, e eu respeito D*s em você. E sei que você pode me ensinar como ser um cristão(ã) melhor. "
Amados(as), um outro desafio que enfrentamos em um relacionamento é que nunca estamos completamente certos se as pessoas que estão conosco agora são "as pessoas certas" ou os(as) parceiros(as) que se destinam a nos acompanhar pelo resto de nossas vidas. Muitos de nós, que querem, certeza absoluta, 100% de nitidez sem dúvida. Nós queremos ter a certeza de que investimos no investimento certo, para que não percamos nosso tempo, energia, despesas e nosso amor. Acredito que há duas coisas que devemos sempre lembrar em um relacionamento. Em primeiro lugar, um relacionamento é um processo contínuo, ou uma viagem, não uma chegada. E porque é um processo ou uma viagem, devemos discernir continuamente ou avaliar o nosso relacionamento. Em segundo lugar, nunca há qualquer certeza em tudo na vida, inclusive em relacionamentos. Talvez estejamos destinados(as) a estar com alguém por um curto período de tempo, talvez com outra pessoa por um longo período de tempo, talvez ainda com mais alguém até o dia que morrermos. Não há garantias, não há planos de seguro, sem investimentos ou prova completa. Há momentos em que precisamos agarrar mesmo pois passamos por tempos maus. Há momentos em que devemos deixar ir e seguir em frente. Talvez precisamos desenvolver nossas habilidades de auto-consciência, como mencionado anteriormente, para que possamos aprender a desenvolver e confiar em nossos instintos. Há, no entanto, algumas coisas que podem nos guiar para saber se um relacionamento está funcionando ou não. Talvez possamos nos perguntar: "Será que esse relacionamento me da vida? Estou crescendo a partir dessa relação, ou estou sendo usado? Estou me tornando uma pessoa melhor, ou estou desaparecendo lentamente neste relacionamento? Posso me ver com este(a) parceiro(a) daqui a muitos anos a partir de agora? Será que temos poucas brigas, ou temos grandes problemas de incompatibilidade? Somos capazes de mudar e evoluir juntos como um casal?". Como já disse, não há garantias, mas estas e outras questões semelhantes podem nos ajudar na jornada de nossos relacionamentos.
Como se aproximar dos relacionamentos românticos
Termine rezando o Salmo 23.
Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão 
todos os dias de minha vida, 
e habitarei na casa de D*s 
toda a minha longa vida.
Quando olho ao meu redor, percebo como cada um de nós tem ideias diferente sobre relacionamentos. Percebo como cada um de nós tem uma abordagem diferente para as relações. Cada um de nós tem uma ideia diferente de amor, compromisso, casamento e monogamia. Acho que é importante nós percebermos duas coisas muito importantes. Em primeiro lugar, para muitos de nós que se identificam como LGBT, o único modelo de relacionamento que temos vivenciado e aprendido é o de nossos pais, assim como de parentes e amigos que estão em relacionamentos heteronormativos. A relação heteronormativa refere-se a uma relação formada por um homem e uma mulher que estão registrados no Registo de Casamentos, talvez até casaram na igreja, e que têm filhos ou, pelo menos, querem ter filhos. A relação heteronormativa é considerada a, melhor e mais santa, o tipo ideal de relacionamento. Na verdade, a sociedade considera esse tipo de relacionamento como o único tipo de relacionamento. Em segundo lugar, para muitos de nós que somos cristãos, temos de olhar para os modelos de relacionamentos da Bíblia. Então, muitas vezes sem perceber, nós transferimos essas idéias de nossas próprias vidas para versões LGBT. E tentamos ter relacionamentos românticos sendo pessoas LGBT usando os modelos heteronormativos.
Não estou dizendo que isso seja ruim. Qualidades como amor e compromisso são para todos, independentemente de ser LGBT ou hétero. Mas transferir essas idéias de modo grosseiro, sem bloqueios e estocá-las em um barril pode causar problemas. Muitas das idéias de relações na Bíblia foram escritas por pessoas com idéias heteronormativas, e usaram o nome de D*s para reforçar-las. Há muitas diferenças entre as relações LGBT e os relacionamentos heteronormativos. Muitos de nós não estão em relacionamento como homem-mulher, casado na igreja e registrado no Registo de Casamentos, relações esperando-crianças. Devemos lembrar que não temos de seguir os velhos padrões. Enquanto pessoas LGBT podemos formar relacionamentos de amor e compromisso, mas não temos que seguir os mesmos métodos, práticas e pensamento das relações heteronormativas. Podemos ser criativos. Alguns de nós praticam a monogamia corporal, o que significa que só temos relações sexuais com nossos(as) parceiros(as)Alguns de nós praticam a monogamia de coração, e praticamos relacionamentos abertos. Isso significa que temos parceiros(as) a quem amamos e estamos comprometidos(as), mas temos um acordo que podemos dormir com os(as) outros(as)Algumas pessoas estão confortáveis ​​com mais de um(a) parceiro(as). Existem muitos modelos de relacionamentos que podemos mencionar aqui. Mas não há um modelo de relacionamento que seja melhor que o outro. E temos que aprender a respeitar todas as formas de relacionamentos, mesmo que não concordemos com elas. O que funciona para os(as) outros(as) pode não funcionar para mim, assim como o que funciona para mim não tem de se aplicar aos outros. Uma mente aberta é muitas vezes uma mente respeitosa.
Amados(as), acredito que o Salmo 23 tem algo a nos ensinar, não importa o modelo de relacionamento que acreditamos. No Salmo 23, lemos: "Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias de minha vida." Ao aplicar esta ideia para  os relacionamentos românticos, sugiro que não importa o modelo de relacionamento que estamos vivendo, essa relação deve levar as marcas da bondade e misericórdia. Essas qualidades promovem a honestidade, a sinceridade, o bem-estar, o crescimento, respeito e justiça em um relacionamento. Devemos nos perguntar: "Será que temos uma compreensão para este tipo de relação que nós voluntariamente concordamos, ou estou fazendo isso por motivos egoístas? Será que este estilo de relacionamento promove bondade em mim e em meu/minha parceiro(a) ou parceiros(as)Isso ajuda o nosso relacionamento crescer? Será que este tipo de relação para mim, para nós, terá um prazo longo? "Estas e muitas outras perguntas como estas podem nos ajudar a desenvolver um tipo de relacionamento que funciona para nós. Quando respondemos honestamente a essas perguntas, elas podem ajudar a nós e a nossos(as) parceiros(as) crescer no amor. Elas podem nos ajudar a colocar D*s bem no centro de nossos relacionamentos, e tornar-nos agradável a D*s. Não esqueçamos nunca: que honestidade, relacionamento e D*s são três coisas que vão bem juntas. Amados(as), D*s é o nosso(a) pastor e pastora, e D*s quer caminhar ao nosso lado em nossa jornada de amor. Acolhamos D*s de novo e de novo em nossas vidas. Vamos terminar o estudo, rezando a estranha versão inclusiva do Salmo 23 lentamente ...
D*s é meu/minha pastor e pastora, não vou precisar de coisa alguma. 
D*s me faz repousar em pastos verdejantes; 
D*s me leva às águas refrescantes; 
D*s Refrigera a minha alma. 
D*s me leva no caminho certo. por amor de seu nome 
Mesmo que eu ande pelo vale escuro, 
não temerei mal algum, 
porque tu estás comigo; 
a tua vara e o teu cajado seu carinho e seu toque 
me consolam 
Preparas uma mesa perante mim 
na presença dos meus inimigos; 
unges a minha cabeça com óleo, cobre meu rosto com beijos;
o meu cálice transborda 
Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão 
todos os dias de minha vida, 
e habitarei na casa de D*s 
toda a minha longa vida.
Este estudo foi pregado na Igreja do Bom Samaritano Kuala Lumpur no domingo, 12 de outubro, 2014.
© Joseph N. Goh.

Fonte: http://queereyeforgodsworld.wordpress.com/