quinta-feira, 5 de novembro de 2015

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E SOLA SCRIPTURA

"Você não é grande o suficiente para acusar toda uma geração de forma eficaz, mas, digamos que estás em discordância. Você não está em posição de emitir mandamentos, mas pode falar palavras de esperança. Esta é a substância de sua mensagem? Seja humano na mais desumana geração; guarda a imagem do homem, pois ele é a imagem de Deus". Thomas Merton.
Estava lendo uma discussão outro dia, uma discussão sobre inferno. Várias pessoas na lista de discussão diziam coisas como: "Eu não estou baseando minha opinião sobre emoção ou sentimento, essa conclusão tem uma base firme, a Escritura".
Tenho certeza que muitos já ouviram reivindicações assim antes. Eu já ouvi muitas e muitas vezes.
"Baseio minha opinião nas Escrituras."
"A minha exegese do texto me força adotar a posição que tenho atualmente".
"Ainda que eu quisesse que fosse de outra forma, esta é a visão que as Escrituras me obrigam a ter."
"Este é o ensinamento claro das Escrituras."

Certa vez brinquei em uma entrevista: um fundamentalista é uma pessoa que pensa não ter uma hermenêutica.
Não quero refazer esse ponto, pois é um ponto que tenho visto muitas e muitas vezes. Nós, todos e todas temos uma hermenêutica. Todos e todas interpretam um texto em um determinado grau. Temos o privilégio antecipado de determinados valores, doutrinas, compromissos de credo, tradições ou textos bíblicos. Algo em algum lugar supera qualquer outra coisa. Isso se torna inevitável em um documento multivocal como o Antigo e Novo Testamento.
Então, nós temos uma hermenêutica. A única questão é saber se você está consciente ou inconsciente que usa essa hermenêutica. Os fundamentalistas estão interpretando os textos de forma inconsciente. Eles interpretam o texto direito como se fosse esquerdo, e não sabem que fazem isso. Essa falta de consciência é o que produz todos os tipos de declarações descritos acima.
Quando sua hermenêutica está operando inconscientemente faz com que você diga coisas como: "Este é o ensinamento claro das Escrituras."
O que leva a meu ponto.
O que é interessante para mim não é se todos e todas participem dessa hermenêutica e de seus atos interpretativos. Isso é um dado. O que interessa é como a autoconsciência ou a falta dela está implícita em tudo isso.
Basicamente o fundamentalismo é negar que você esteja envolvido em uma hermenêutica, que traz uma chocante falta de autoconsciência e a incapacidade de perceber a forma de como sua mente e suas emoções estão trabalhando em segundo plano, abaixo da superfície.
Acho que declarações como: "Este é o ensinamento claro das Escrituras" são diagnósticos psicológicos. Declarações como estas revelam algo sobre si mesmo. Ou seja, que não têm um certo grau de autoconsciência.
Por exemplo, dizer algo como "este é o ensino claro da Escritura" é semelhante a dizer "Eu não tenho preconceitos." Uma pessoa autoconsciente jamais diria uma coisa dessas. Pessoas autoconscientes diriam "Eu não quero ser preconceituoso" ou "Eu tento não ser preconceituoso" ou "Eu condeno o preconceito". Mas nunca dizem "eu não sou preconceituoso" pois sabem que têm pontos cegos. Sabem que trazem uma bagagem inconsciente que é difícil de perceber ou superar.
E é a mesma coisa com as pessoas autoconscientes que leem a Bíblia. Elas têm a consciência que tentam ler a Bíblia de uma forma imparcial. Trabalham duro para deixar a Bíblia falar nitidamente com sua própria voz. Mas reconhecem seus pontos cegos. Sabem que há uma bagagem inconsciente afetando a forma como leem a Bíblia, elas sabem que essa bagagem  polariza suas leituras e conclusões. Consequentemente, as pessoas autoconscientes nunca, nunca dirão "este é o ensino claro da Escritura". Assim como nunca terão a pretensão de serem imparciais em qualquer outra área de suas vidas, sendo o preconceito apenas um exemplo.
O que estou dizendo é que quando nos aproximamos da questão sola scriptura, utilizando "somente a Bíblia", isso aponta para muito mais do que a onipresença ou a necessidade da hermenêutica. Há também a questão da inteligência emocional, que é a soma do grau de como você lê a Bíblia com o grau de sua autoconsciência.
Muitos fundamentalistas parecem lutar com a inteligência emocional. O que pode explicar também sua luta com coisas como empatia e regulação emocional (por exemplo, a raiva).
Talvez isso, a falta de inteligência emocional, seja a raiz do problema do fundamentalista, tanto biblicamente quanto socialmente.

Artigo escrito por Richard Beck.