CRUZ SUBVERSIVA


A cruz subverte toda história de salvação. Muitos sustentam que a salvação está sendo liberada no mundo e, que a vida é de algum modo má, e que ser salvo é se tornar em certo sentido menos humano. Porém, Jesus veio a nós como Deus encarnado, sofreu como nós, e através de sua redenção oferece perdão e nos permite ser o mais humano possível.

A maioria dos cristãos e cristãs raramente se consideram subversivos, e nem se veem como submissos. Estas duas palavras lidam com a forma de como interagimos com o poder e a autoridade. Você se submete mais facilmente ao poder de outrem ou subverte tal poder?

Proclamamos que a vida cristã é uma submissão à autoridade de Deus revelada em Cristo. Mas esta submissão é também um ato subversivo, pois submetermo-nos a cristo como aquele que tem o domínio de nossas vidas é subverter qualquer poder terreno que reivindique o mesmo domínio sobre ela.

Assim, de fato, um/uma cristão/cristã deve ser subversivo/subversiva, pois, é a natureza de nossa subversão que nos torna tão únicos/únicas. Devemos subverter a autoridade terrena, enquanto nos submetemos a ela. Nossa subversão é não aceitar as injustiças nem a violência deste mundo. A mudança que afetará os domínios terrenos vem de nosso conhecimento do amor de Deus para com todos, todas e tudo.

Jesus submeteu-se a autoridade do Estado, administrada por Pôncio Pilatos, e se permitiu ser crucificado, a mais desumana e degradante execução conhecida na história. Mas, se submeter a crucificação tornou-se o maior ato de subversão da história humana. A imagem de Jesus na cruz, não é um símbolo de sacrifício ou fraqueza, mas de subversão radical não-violenta.

Paulo diz aos Colossenses: "Que vocês sejam fortalecidos com a força que vem do glorioso poder de Deus...".

Em outras palavras, não se preocupe em ser poderoso no conceito que o ser humano entende. Este não é o verdadeiro poder, esse poder é temporal. Ele não está no que você possui, nas armas ou na política. Busque o poder que vem de Deus (seja qual for o nome que dê a Ele/Ela), vivendo na radical ética do amor.

Paulo continua: "Estejais preparados para suportar tudo com paciência, enquanto daí graças ao Pai, que vos permitiu participar da herança dos santos na luz..."

Em outras palavras, os poderes políticos deste mundo terrestre se oporão a natureza subversiva de sua fé política, e você pode sofrer por ela.

A subversão cristã é como fermento na farinha. Nós trabalhamos no cerne. Como o falecido John Robinson disse: "A influência penetrante do cristianismo não é prometida à força de uma organização eclesiástica auto-contida, mas com fermento e sal misturados e dissolvidos no cerne da vida do mundo. Movimentos e grupos devem existir, com um aglomerado de ação, santidade e pensamento, e estes devem ser estruturados. Mas basicamente o poder atrativo vem do amor, esperança, integridade e justiça, estes são os sinais do Reino em ação".

Que possamos ser esse tipo de fermento, esse tipo de poder subversivo. Procuremos subverter os reinos, tronos e principados deste mundo através do nosso amor cristão, não com nossos próprios desejos de poder e controle.

Jesus foi morto como um criminoso comum. O fato dele ter morrido como um criminoso foi um absurdo para muitos do primeiro século. A mensagem salvífica da cruz foi subversiva, pois ultrapassou todas as filosofias do mundo antigo e foi direto para um Salvador crucificado.