quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A homofobia é um medo real ... mas de quê, exatamente?

stevegrandfantasy


Não há como voltar atrás ... e isso é um problema.
de Steve Grand "All-American Boy".
Parece que ser um homofóbico em 2014 torna-se cada vez mais uma fuga para uma via rápida contra o escárnio social. Em um ambiente de crescente aceitação, condenamos sentimentos homofóbicos, particularmente em homens, pois pensamos que eles vêm de dentro do indivíduo e são, portanto, de sua total responsabilidade. Um homem que diz coisas odiosas sobre gays é "atrasado." Ele está protegendo seu status social, ou talvez seja secretamente gay mesmo. Ele precisa crescer ou sair já do armário.
No entanto, a existência da homofobia, apesar de suas desvantagens - levanta questões óbvias sobre sua natureza básica: Teorias psicológicas como as acima não explicam realmente o por que da homossexualidade, especificamente, evoca esse medo, do tipo que às vezes pode até levar a crítica e a ação violenta? Será que elas explicam por que a homofobia é um baluarte tão fácil quanto a insegurança masculina? Por que sair do armário parece ser tão impossível para alguns homens? A única maneira de responder a estas perguntas é parar de pensar a homofobia como uma escolha pessoal e entendê-la como o resultado inevitável e deliberado da cultura em que os homens são criados.  
Claramente, os homens no Brasil cresceram aprendendo a ter medo da homossexualidade. Mas não é só pelas razões que normalmente se pensam, não apenas, mas também, por causa da religião, da insegurança sobre sua própria sexualidade, ou mesmo uma aversão visceral ao pênis de outros homens. A verdade é que eles estão com medo porque a heterossexualidade é muito frágil.
O poder da heterossexualidade está na percepção, não física na verdade, mas na forma que as pessoas pensam em que você está exclusivamente atraído pelo o sexo certo, você vale ouro. Mas a percepção é uma coisa precária; uma política de "tolerância zero" ensina aos homens que a forma como as pessoas pensam deles pode mudar permanentemente com um deslize, um beijinho ou amizade muito íntima. E, uma vez perdida, pode ser quase impossível de si recuperar.
Dito de outra forma, a regra de tolerância zero significa que, se um homem comete um movimento "errado" e beija outro homem em um momento de diversão ou bêbado, ele passa a ser imediatamente gay. As mulheres têm uma certa liberdade para brincar com sua sexualidade (principalmente porque a sociedade tem dificuldade em acreditar no sexo lésbico em tudo). A sexualidade masculina, por outro lado, é entendida como unidirecional. Uma vez que os homens jovens percebem que são gays, eles se tornam uma pessoa gay. Nós não ouvimos sobre homens gays descobrindo o interesse por mulheres mais tarde na vida, e nós raramente acreditamos que os homens que se dizem bissexuais - estão errados, a sabedoria diz que qualquer homem que se diz bi é realmente apenas um gay que não admitiu isso ainda.
O resultado de tudo isso é que para os homens não é permitida as sexualidades "complexas", uma vez que a presunção de retidão é quebrada, o cara é automaticamente gay. Essa narrativa não permite muita liberdade para explorar as fugazes atrações pelo mesmo sexo, sem um compromisso permanente. Conheci um rapaz que, durante o primeiro semestre na faculdade ficou com caras. No resto do curso ele criou, então, uma relação monogâmica com uma mulher, nas semanas antes da formatura, ainda se ouvia as pessoas expressarem a confusão sobre a existência de seu relacionamento.
A política de tolerância zero é legitimamente assustadora, não só porque ela gruda um rótulo, mas também porque apaga uma vida de "retidão". Um semestre de experimentação valia mais do que todos os outros e todos os romances de sua vida, antes e depois.
De fato, tal apagamento é assustador mesmo sabendo que a homossexualidade não seja uma coisa ruim. Mesmo que a religião e o Armário não ensinassem os homens a ter medo do corpo do outro, eles ainda teriam medo de em sua trilha dar uma lambida na homossexualidade, pois assim, de repente apagariam o resto de sua sexualidade. Com tanta coisa em jogo, não é nenhuma surpresa que os homens assumam o trabalho de policiamento de si mesmos, para que não seja policiado por outra pessoa.
É importante notar que os homens confrontam seu medo com uma brilhante criatividade. Estudantes secundaristas se acusam mutuamente em suas atividades, e até mesmo os objetos "gays" entram com precisão na atitude de tolerância zero que eles próprios usam. Um jogo popular na escola era "tapinha", onde meninos batem no "pacote" dos outros com a palma de suas mãos. Na faculdade eles jogam frango, onde dois caras deslizam a mão por cima da coxa do outro. Quem se assustar primeiro perde ou ganha. Estes jogos não são apenas aterradores em desgosto com a homossexualidade, mas jogam fora exatamente o que a sociedade ensina aos homens sobre a heterossexualidade: Um movimento errado, e você permanecerá marcado.
Homofobia, então, é precisamente o medo, o que estes homens não são de todo sensatos para compreender. O comportamento que ela engendra é uma resposta perceptiva para um sistema doente, em vez de uma doença em si. Por isso que eu não guardo rancor contra os filhos da escola, que disseram "viado", ou o barman ocasional que faz um comentário estranho sobre minha sexualidade, compreensivelmente, mais medo de mim do que eu tenho deles.

Zach Howe é um editor de Bacamarte  e tem escrito para a Ponto Final. Você pode encontrá-lo no Instagram e Twitter @ ZFCHI  e na maioria dos sites de namoro. 

Fonte: http://www.slate.com/