DEUS É MENINO OU MENINA?



Recentemente um padre católico de Massachussetts, oficialmente morto por mais de 48 minutos, antes dos médicos serem capazes de milagrosamente reiniciar os batimentos de seu coração, afirmou que durante esse tempo foi para o céu e, se encontrou com Deus, que ele descreveu como uma figura reconfortante e maternal.


O clérigo John Micheal O'neal, de 71 anos foi levado para o hospital no dia 29 de janeiro, depois de um ataque cardíaco. Foi declarado clinicamente morto logo após sua chegada, mas, com a ajuda de uma máquina de alta tecnologia, chamada LUCAS 2, manteve o sangue fluindo para seu cérebro. Os médicos do Hospital Geral de Massachussetts conseguiram desbloquear suas artérias vitais e fazer voltar seu coração a um ritmo normal. Os médicos ficaram com medo que ele tivesse sofrido algum dano cerebral devido o incidente, mas, ele acordou em menos de 48 horas e parece ter se recuperado perfeitamente.

O idoso afirma ter lembranças nítidas e vívidas do que aconteceu com ele enquanto esteve morto. Descreveu uma experiência estranha fora do corpo. Afirmou ter experimentado um intenso sentimento de amor incondicional e de aceitação, bem como ser rodeado por uma esmagadora luz. Afirmou ainda, que nesse ponto de sua experiência, foi ao céu e encontrou com Deus, que descreveu como sendo uma mulher, mãe boa, "Ser de Luz".

"A presença dela era tão esmagadora quanto reconfortante", afirmou o padre católico. "Ela tinha uma voz suave e sua presença era calma e reconfortante como um abraço de mãe. O fato de Deus ser uma Santa Mãe e não um Santo Pai não me perturbou, ela era tudo o que eu esperava que fosse e ainda mais!".

As declarações do clérigo causaram uma grande celeuma no clero católico da arquidiocese ao longo dos últimos dias, fazendo o arcebispo convocar uma coletiva de imprensa para tentar acalmar os rumores.

Isso nos leva a pensar: Deus é masculino ou feminino?

A igreja cristã sempre teve um pouco de problema com o sexo de Deus. Ele/Ela não tem um, mas, como a declaração demonstra, é difícil falar de Deus sem dar-lhe um gênero. Para falar de Deus, temos que chamá-lo de alguma coisa, e, evitar pronomes torna-se bem complicado. Chamá-lo de "coisa", parece bem rude, dar a entender Deus como uma força impessoal, como a gravidade ou a inflação. Assim, devemos chamar "ele" ou "ela" e, em uma sociedade patriarcal como a nossa, parece que "ele" ganha a competição.

Como diz o catecismo da Igreja Católica: "Deus não é homem, nem mulher: ele é Deus". Outros grupos cristãos vão mais longe. Uma igreja Síria do terceiro século parece ter criado o hábito de orar ao Espírito Santo com termos do sexo feminino. Um dos seus livros sagrados, Os Atos de Tomé, conta a história de São Tomé presidindo um serviço de comunhão, invocando o Espírito Santo dizendo: "Vinde, mulher que se manifesta nas coisas ocultas e faz coisas indizíveis serem simples, pomba sagrada que leva o jovem solteiro. Vamos, mãe escondida... venha se comunicar conosco nesta eucaristia".

Outros, grupos cristãos gnósticos ou místicos da igreja primitiva foram mais longe do que a corrente majoritária do cristianismo, crendo em Deus, irreconhecível em si mesmo, com emanações, tanto masculina quanto feminina. As femininas incluem espíritos chamados Aletheia (Verdade) e Zoe (Vida), Spiritus (Espírito), Ecclesia (Igreja), e Sophia (Sabedoria). O Universo foi feito por intermédio de Sophia (embora gnósticos considerem isto como uma má jogada) e no fim ela foi feita a noiva de Cristo. Os gnósticos foram batizados de acordo com Irineu, adversário da Igreja Católica, com as palavras: "Em nome do Pai desconhecido do universo, em verdade, mãe de todas as coisas".

Embora tenha sido uma longa caminhada até a perspectiva estabelecida da Igreja, o escrito cristão, totalmente aceito pela Igreja, também vê um lado feminino de Deus. Juliana de Norwich, uma reclusa inglesa, escreveu em seu livro Revelações do Amor Divino, do século XIV: "Assim como Deus é nosso Pai, Ele também é nossa mãe". Ela fala sobre "Nossa preciosa mãe, Jesus". Fala da trindade, geralmente descrevendo como Pai, Filho e Espírito Santo, nos seguintes termos: "Nosso Pai deseja, nossa Mãe opera e nosso bom Senhor Espírito Santo, os confirma".

Santo Anselmo, do século XI, arcebispo de Canterbury, orava: "Cristo, minha mãe", e pedia a Deus "a grande Mãe". São João Crisóstomo chama Cristo de nosso "amigo, membro e cabeça, irmão, irmã e mãe".

Tais formas de falar de Deus foram apenas ocasionais até os últimos 50 anos, quando teólogas feministas começaram a rediscutir nas igrejas a linguagem tradicional religiosa que excluíam as mulheres. Como Mary Daly, por exemplo, escreveu em 1973: "Se Deus é macho, então o sexo masculino é de Deus".

Desde a década de 1980, novas traduções da Bíblia têm utilizado uma linguagem mais inclusiva. Na nova versão da Bíblia do Rei James o texto: "Que é o homem, para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites?", tornou-se: "O que são os seres humanos, para que estejas ciente deles? E os mortais para que te importes?".

A maioria das tradições da Bíblia ainda usam uma linguagem masculina para Deus, mas não para os seres humanos, com algumas exceções. A tradução recente "Good as New", traduzida por John Henson, traz uma releitura radical das escrituras do Novo Testamento, ela chama Deus de "parente" em vez de "pai". O Espírito Santo é uma mulher e se evita terminantemente usar um pronome para Jesus.

Quanto à linguagem dos cultos nas igrejas, algumas denominações têm saído na frente em matéria de inclusão. A Igreja Metodista Inglesa introduziu um novo livro de serviço em 1999, que usa ambos os sexos para Deus: "nossa Pai e nossa Mãe". A Igreja Reformada Unida concordou em 1984 em usar uma linguagem inclusiva para todas suas publicações, e, no ano passado, em Assembleia Geral, convocou todas as congregações da IRU para "expandir a linguagem inclusiva para as imagens de adoração".

O que dizem as Escrituras?

Quando olhamos para a forma de como Deus se comunicou através das Escrituras, descobrimos que os pronomes utilizados são consistentemente masculinos. As línguas originais da Bíblia (hebraico, aramaico e grego) referem-se a Deus como "Ele" em vez de "Ela". Além disso, Deus é chamado de "Pai" cerca de 170 vezes nas Escrituras. Com base na prática da Bíblia, os cristãos usam o pronome masculino para se referirem a Deus.

No entanto, também encontramos passagens nas Escrituras que revelam a feminilidade de Deus. Por exemplo, em Mateus 23:37, Jesus declarou: "Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como uma galinha ajunta sua ninhada debaixo de suas asas, e vós não o quisestes!" (ver também Lucas 13:34). A comparação evoca as ações de uma galinha, nitidamente uma ilustração maternal, no entanto, foi expressa por Jesus, o Filho do sexo masculino de Deus.

Deus pode perfeitamente se identificar com as necessidades e emoções de todas as pessoas, homens e mulheres. Gênesis 1:27 afirma: "E criou Deus o ser humano à sua imagem; a imagem de Deus o criou, homem e mulher os criou". Tanto homem como mulheres foram feitos a imagem de Deus; Ele é tanto mulher quanto homem.

A questão sobre se Deus é homem e mulher, sugere a preocupação sobre se o cristianismo valoriza igualmente tanto homem, quanto mulheres. A Bíblia deixa nítido que Deus dar valor de forma igual. Paulo escreve em Gálatas 3:28 "Não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, não há macho nem fêmea, pois todos vós são um em Cristo Jesus". Deus nos ama completamente. Somos todos e todas um/uma em Cristo Jesus.

Então, oremos a Deus mãe e pai para que dê um F5 em nossa arcaica teologia, e, assim, possamos pensar em uma teologia que inclua Deus de forma não binária.

Imagens do Femininas de Deus na Bíblia

Gênesis 1:27, mulheres e homens são criados/criadas à imagem de Deus
"A humanidade foi criada como o reflexo de Deus: à imagem de Deus, Deus os criou; feminino e masculino Deus os fez".

Oséias 11:3-4, Deus descrito como Mãe
"No entanto, fui eu quem ensinou a andar Efraim, tomando-os pelos seus braços, mas não entenderam que eu os curava. Atrai-os com cordas humanas, com laços de amor, e fui para eles como os que tiram o jugo de sobre suas queixadas, e lhes dei alimento".

Oséias 13:8, Deus descrito como uma mãe ursa
"Como ursa roubada de seus filhotes, vou atacá-los e rasgá-los em pedaços...".

Deuteronômio 32:11-12, Deus descrito como uma mãe águia
"Como a águia desperta sua ninhada, e paira sobre seus filhos, Deus estende suas asas para pegar você, e carregá-lo em pinhões".

Deuteronômio 32:18, Deus que dá à luz
"Esqueceste da Rocha que te gerou, e em esquecimento puseste o Deus que te formou".

Isaías 66:13, Deus confortando como uma mãe
""E como uma mãe consola seu filho, assim eu vos consolarei; e em Jerusalém sereis consolados".

Isaías 49:15, Deus se compara com uma mãe que não esquece do filho
Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto do seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho de seu ventre? Mas ainda que está se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti".

Isaías 42:14, Deus se compara a uma mulher em trabalho de parto
"Por muito tempo me calei; estive em silêncio, e me contive; mas agora darei gritos como a que está de parto, e a todos os assolarei e juntamente devorarei".

Mateus 23:37 e Lucas 13:34, Deus como uma galinha mãe
"Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis reunir teus filhos, como uma galinha ajunta sua ninhada debaixo de suas asas, e vós não o quiseste!".

Lucas 15:8-10, Deus comparado a uma mulher com uma moeda perdida
Ou qual a mulher que, tendo dez moedas de prata, se perder uma moeda, não acende a lâmpada, varre a casa, e busca com diligência até encontrá-la? E, achando-a, reúne as amigas e as vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a moeda que tinha perdido. Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um só pecador que se arrepende.

Compilados pela Conferência de Ordenação das Mulheres.