COMO LIDAR COM E PECADO E SUAS CONSEQUENCIAS

MATEUS 18:15-20

Essa é uma pergunta que você deve está se fazendo: Este texto realmente está presente no material bíblico?
A resposta é "sim", mas não o encontramos onde seria de esperar, nas narrativas evangélicas da Ceia do Senhor em Mateus 26, Marcos 14 e Lucas 22, ou mesmo em 1 Coríntios 11; ao contrário, é aqui, no meio de Mateus 18. A declaração da presença real de Jesus "onde estiverem dois ou três reunidos" em seu nome é o coração e a alma de Mateus - tanto do capítulo 18 como do livro todo.
Mateus 18:15-20 começa com uma situação hipotética muito provável: "Se teu irmão pecar contra ti....", que é seguido por uma segunda hipótese: "Se o seu irmão se recusa a ouvir...", que leva a verdade não-puramente hipotética para todos nós, que temos irmãos. Se você tem um irmão (ou irmã), ele (ou ela) vai pecar contra você, mais cedo ou mais tarde; esta é da natureza de irmãos (e/ou irmãs).
A NVI traduz esta frase de abertura "Se outro membro da Igreja pecar contra ti..." em certo nível esta tradução é um pouco insatisfatória, uma vez que desfavorece a questão sobre a intimidade; pensando o pecador como sendo um irmão, ou irmã, ou companheiro íntimo traz a necessidade de resolução imediata, uma sensação de importância que pode ser perdida ao se pensar de forma geral, como um "membro da igreja." E, ironicamente, a inclusão percebida de "membro da igreja" pode realmente servir para limitar a aplicação dos ensinamentos de Jesus, concentrando-se em uma relação-igreja, e não em outros tipos de relacionamentos. 
Mas também se deve notar que a comunidade está em jogo, à palavra "igreja" (ou melhor, "assembleia") se segue no versículo 17, as tensões e provações que surgem de todos os pecados que cometemos uns contra os outros têm um impacto não apenas sobre as relações individuais, mas sobre a comunidade como um todo. Em jogo nesta edição do pecado, o confronto, o arrependimento e o perdão é a presença de Deus e o que ela significa para nós.
No fluxo da passagem é importante notar, como não há movimento do individual para o coletivo. Onde há pecado, Jesus diz para confrontá-lo diretamente, um-a-um, face-a-face. Se isso não resolver o problema, se inclui outra pessoa na conversa, e se tudo mais falhar deve ser levado para a comunidade como um todo. Do confronto individual à atenção comunitária, o movimento da passagem é uma progressão que acompanha o desenvolvimento do conflito hipotético desde as suas origens em questões individuais para a sua conclusão em nível da comunidade. Em cada ponto ao longo do caminho do pecado existem implicações para todos os envolvidos.

A harmonia do ensinamento de Jesus sobre o conflito e o papel das testemunhas encontra-se nos códigos deuteronomistas e levitas (veja o capítulo 19: 15ss em ambos os livros) e é frequentemente observado. Mas há algo sutilmente diferente aqui. Jesus não está ensinando-nos a trazer testemunhas para depor contra o nosso "irmão" que pecou contra nós, mas para dar testemunho de troca entre irmão e irmã.
Isto não é apenas sobre a segurança nos números, mas a segurança dos números. A saúde e o bem-estar da comunidade são parte e parcela do problema do pecado entre duas das partes individuais da comunidade. Em cada ponto ao longo do caminho, desde o início quando duas pessoas estão juntas deve haver a inclusão de testemunhas para o envolvimento do conjunto como um todo, há algo mais em jogo. 
De volta, agora, para a presença real de Cristo. Seguindo seu ensinamento sobre a progressão do confronto do pecado em uma tentativa de conciliar, Jesus ensina que qualquer pecador tão comprometido com seu/sua posição de se recusar a ouvir também a igreja é para ser tratado como "um gentio e um coletor de imposto." É irônico (e provavelmente intencional) que esta linha segue para a parábola da ovelha perdida e que precede a resposta à pergunta de Pedro sobre quantas vezes uma pessoa deve perdoar um irmão que peca (repetidamente) contra você. 
Jesus diz, essencialmente, que sendo um membro da igreja você tem uma responsabilidade. Se as ovelhas se perderem você procura-la e chamá-la. Você deve ir atrás e achar a ovelha. Se teu irmão pecar contra ti setenta e sete vezes (outra certeza hipotético), que é quantas vezes você deve perdoá-lo. E, claro, nós sabemos do Evangelho de Mateus como Jesus tratava os gentios e os cobradores de impostos. 
Observe que Jesus segue esta conversa sobre o poder do acordo, dizendo que tudo o que é acordado por dois na terra será feito por ele e pelo Pai no céu. Esta é uma promessa. Mas note bem que este não é o lugar onde Jesus termina. Jesus diz a frente, "onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles." Não há dúvida de acordo neste ponto. Jesus está presente, realmente presente, onde dois ou três estiverem reunidos em Nome do Divino, não apenas onde estiverem dois ou três que concordem em nome de Jesus, mas onde dois ou três estiverem reunidos; presumivelmente isso inclui os dois que não podem ouvir um ao outro sobre um assunto de pecado, e como lidar com isso. Mesmo lá, talvez especialmente lá, Cristo Jesus está presente. O assunto desta passagem não poderia ser mais apropriado para as comunidades cristãs em todas as épocas, lugares e situações. Uma das coisas que mais assola as comunidades cristãs (e outras comunidades) sem dúvida é a incapacidade de lidar com o confronto, o desacordo e a nossa responsabilidade mútua quando se trata de pecado. Nós simplesmente não sabemos como viver junto, lutar juntos, e ficar juntos. E isso é porque todos nós - e não apenas o nosso irmão ou irmã - somos pecadores. 
Jesus oferece um guia simples para ajudar-nos a lidar com o nosso pecado e suas consequências. Mas muito mais importante Jesus nos promete que está presente, que a sua presença é real para nós, quando estamos reunidos em seu nome - ambos de acordo, e em pecado. Dentro do contexto da narrativa abrangente de Mateus, que é regido pela presença real de Deus prometido, na promessa de filho chamado Emanuel, Deus conosco (1:23) e na garantia da despedida deste Deus para nós que ele está conosco sempre (28:20), esta é a boa notícia para nós que somos membros uns com os outros da igreja de Cristo.