sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Nossos Julgamentos de Moralidade


"E vendo-a Judá, teve-a por uma prostituta... porque ela tinha coberto o seu rosto.
E dirigiu-se a ela no caminho, e disse: Vem, peço-te, deixa-me possuir-te" (Gênesis 38:15-16)

Quando lemos as Escrituras, rapidamente percebemos que as pessoas usadas por Deus certamente não eram justas. "Como está escrito: Não há justo, nem sequer um." (Romanos 3:10) Vemos pessoas como Davi, assassino, covarde e adúltero; Raabe, a prostituta que a Escritura nunca menciona arrependimento de sua profissão; Judá, cujo os versículos da Bíblia prefaciam este artigo delinear.
Judá pensou que sua nora fosse uma prostituta e quis ter relações sexuais com ela. Ela exigiu uma promessa dele, e ele deu-lhe o seu selo, seus braceletes, e sua equipe. (Gênesis 38:17-18) Em outras palavras, ele desejou o que era mal! Claramente, o que ele fez foi um pecado! No entanto, deste pecado nasceram Perez e Zera.
Foi a partir da linha de Perez, através de Davi, que Jesus nasceu! Nosso Messias nasceu através de uma linhagem que inclui relações sexuais com uma mulher disfarçada de prostituta; mulher essa, nora dele. Eventos como este colocam carne e osso sobre a afirmação de Paulo: "E sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito." (Romanos 8:28). De fato, Deus ainda vai usar aqueles que não o amam para Seus propósitos soberanos!
A Relação sexual de Judá e Tamar foi essencial para Jesus ter nascido de Maria. A Genealogia de Jesus em Mateus traça-o através de José (marido de Maria), que era descendente de Davi. Lucas, por outro lado, parece registrar a linha genealógica da própria Maria, levando de volta para o tempo de Adão. Como o único pai humano de Jesus, listado em sua genealogia, começa com Jose e coloca como seu pai Heli, em vez de listar o próprio pai de José que era Jacó.
A linha de descendência de Maria também veio através de Judá! É interessante notar que, depois de uma série de "gerou" na genealogia de Jesus em Mateus, culmina em: "E Jacó gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama Cristo." (Mateus 1:16) Note, que Mateus não diz que Jesus teve qualquer pai humano.
Jesus como o ser humano foi à consequência da fornicação e prostituição, e tinha em sua linhagem um assassino. Ao profeta Oséias foi ordenado por Deus a se casar com uma prostituta. (Oséias 1:2). Ao profeta Isaías foi ordenado andar nu por três anos. (Isaías 20:3) Você pode imaginar o que o mundo da Igreja, o Vaticano, e nós mesmos faríamos diante de todos estes acontecimentos hoje? É importante lembrar que os propósitos de Deus serão cumpridos apesar dos julgamentos do homem, nossas tradições, cultura, mentalidade e preconceitos.
O Vaticano recentemente decretou que as relações homossexuais são "intrinsecamente más”. Mas em nenhum lugar na Bíblia as relações homossexuais são condenadas. Jesus especificamente condenou o divórcio e o novo casamento, chamando-o de adultério. (Mateus 5:31-32) No entanto, existem ministérios maravilhosos para os católicos divorciados na Igreja. No entanto, Jesus nunca falou sobre a homossexualidade; homossexualidade nem sequer é mencionada nos Dez Mandamentos, mas a Igreja a tem demonizado.
Perseguir a população LGBT é algo fácil e seguro! O que as Igrejas e grande parte da sociedade tem feito é ajudar agravar ainda mais um clima de ódio em todo o mundo contra essas pessoas já perseguidas. Nas escrituras deve sempre trunfar a "lei natural" e da tradição, se quisermos viver de acordo com os mandamentos que Jesus nos ensinou: amar a Deus e amar o nosso próximo como a nós mesmos. Todas as pessoas são nossas vizinhas, que devem ser abraçadas, não apenas toleradas, ou pior, demonizadas.
Fico envergonhado e indignado com o que a igreja tem feito nesta matéria, uma vez que aparentemente utiliza sua visão de "pecado", nascida em preconceitos culturais e pessoais que, na verdade, são só para dizer que pessoas LGBT não têm lugar em sua Igreja. O Vaticano se atreveu a julgar como "pecado", e proibir os ministérios das décadas antigas do padre Robert Nugent e da irmã Jeannine Gramick que trabalhavam para as comunidades homossexuais. Ao invés de assumir a liderança de viver a lei do amor, torna-se culpada na demonização deste grupo de pessoas; mas não é de maneira nenhuma a única denominação cristã a fazer isso.
Deus é maior do que a Igreja! A Igreja, os chamados para fora (Ecclesia), aqueles que pertencem ao Senhor (kuriokon), são apenas o corpo de Cristo. Somos meros ramos que necessitam da Vinha de onde adquirimos a sabedoria e sustento. A Igreja Católica tem uma tradição que a própria "consciência informada" substitui qualquer doutrina ou pronunciamento!
É tempo para todos nós, especialmente os que professam ser cristãos, de se tornar muito mais bem informados sobre essas questões, reconhecendo que as pessoas LGBT são filhos de Deus que precisam do abraço tanto da igreja como da sociedade.
Por Jerry S. Maneker


Fonte: http://www.whosoever.org/