domingo, 3 de agosto de 2014

UMA GRANDE FÉ


Toda a seção de Mateus 15:1-28 está preocupada com a pureza ritual - que pode ser limpa/suja dependendo da maneira que fazem? (15:1-9 não ocorrem no Leccionário.) Há uma conexão do começo ao fim com a palavra artos = "pão". Infelizmente, essa palavra grega é geralmente deixada sem tradução no v 2b: "Por que eles não lavam as mãos quando comiam pão." É uma imagem-chave na conversa de Jesus com a mulher Cananéia, v 26 e nas histórias de alimentação antes e depois do nosso texto: 14:17, 19; 15:33, 34, 36. (Note-se também a sua utilização em 16:5, 7, 8, 9, 10, 11, 12).

O que faz uma "grande fé"?

A mulher Cananéia é descrita por Jesus tendo uma "grande fé" (v. 28). Esta é a única ocorrência desse adjetivo que descreve a fé em Mateus. No entanto, ela não andou sobre a água, como Pedro tinha feito. Ela não moveu uma montanha. Ela provavelmente nunca tinha ido à igreja em sua vida. Ela certamente nunca tinha lido a Bíblia. O que há de tão grande sobre a sua fé?

Primeiro um pouco de fundo sobre esta mulher.

Ela é da região de Tiro e Sidom. Eram cidades fenícias apenas além da fronteira ao norte de Israel. As pessoas adoravam deuses fenícios. Eles não eram judeus. Eles eram pagãos. Ao afirmar que ela é da região sugere que ela era uma camponesa rural, em vez de uma moradora da cidade.
Ela é uma Cananéia. (Marcos tem siro-fenícia). O Público mais judaico de Mateus era mais consciente da inimizade entre judeus e cananeus que existia desde o tempo de Noé. Canaã era filho de Cão, que viu seu pai nu. Noé pronuncia esta maldição em Gênesis 9:25-27:
E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos.
E disse: Bendito seja o Senhor Deus de Sem; e seja-lhe Canaã por servo.
Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem; e seja-lhe Canaã por servo.
Ainda mais importante do que esta antiga maldição de serem escravos dos judeus, é a promessa feita a Abraão: "E te darei a ti e à tua descendência depois de ti, a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão e ser-lhes-ei o seu Deus."(Gn 17:8). Eles faziam parte do povo que Deus havia ordenado aos israelitas aniquilar (Dt 20:17), que Josué realizou parcialmente quando o povo de Israel assumiu suas terras e cidades.
Estes acontecimentos históricos não faziam os cananeus muito amigáveis em relação aos judeus, nem para o Deus judaico.
Por que essa mulher se aproximou de Jesus? Uma sugestão é que ela tinha a quem recorrer. Talvez ela tivesse ouvido relatos sobre os milagres de cura de Jesus. Sua necessidade era tão grande. A preocupação com a filha tão profunda, que ousou cruzar a fronteira existente entre os judeus e os cananeus. Ela estava no ponto onde não tinha nada a perder, e talvez tudo a ganhar. Vinha e clamava a Jesus por socorro. Um grito semelhante ao feito por Pedro quando afundou no mar.
Douglas Hare (Mateus , Interpretação Comentários) sugere a seguinte aplicação:
A história nos lembra de que os membros de grupos desprezados e/ou oprimidos devem ser ousados na busca do alívio de seu sofrimento. A mulher não se contenta em ser ignorada, porque está convencida de que sua filha merece uma chance de viver uma vida normal e produtiva. Sua persistência, com base em sua fé em um Deus que pode mudar as coisas para melhor, é recompensada. [P. 179].
Um contraste pode ser feito entre os versos iniciais do capítulo onde fariseus, afirmam ser justos, onde encontram maneiras para não honrar seus pais e mães e, esta mulher pagã está disposta a arriscar tudo pelo o bem de sua filha. Quem parece estar cumprindo a "lei e os profetas"?
Hare também oferece o lembrete: "Nós somos, como Krister Stendahl sugeriu, apenas" judeus honorários '"[pág. 179]. Para a maioria de nós não é possível rastrear os nossos antepassados ​​de volta para a "casa de Israel" (ou "perdido" ou ovelhas "pasto"). Isso significa que estamos na categoria de "cães". Em hebraico e grego, o termo "cão" é um nome de desprezo. Mesmo em Inglês, "puta" é um termo apropriado para um cão do sexo feminino, mas quando é usado por pessoas ou com a adição de "sonofa," torna-se um termo altamente pejorativo.
Jesus tem um chamado. É para as "ovelhas perdidas da casa de Israel." Ele não pode mudar esse chamado para essa mulher pagã. Quando Jesus diz: "Não é justo...." (v. 26). A palavra para "justo" (kalos), pode implicar "moralmente correto". É uma questão de moral. Não é moralmente correto deixar as crianças morrerem de fome enquanto os cães comem seu mantimento. O que implica que não é moralmente certo para o "Rei dos Judeus" ajudar esta mulher Cananéia.
A senhora concorda com Jesus. Uma maneira de desarmar a crítica é concordar com a crítica. "Você é um cachorro", afirma Jesus. Ela concorda! "Eu sou um cão, mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos mestres." Ou, talvez, em outras palavras, "Eu sei que não mereço nada de você. Não sou melhor do que um cão, mas até mesmo os cães recebem um tratamento melhor do que o que você está me dando. Você não pode poupar algumas migalhas da graça?". Sei da história da alimentação miraculosa de algumas semanas atrás, que não é suficiente "pão" para alimentar milhares de pessoas. Ela recebeu suas migalhas. Sua filha foi curada.

Em segundo lugar, alguns comentários sobre sua "grande fé".

É Jesus quem fala de uma mulher com grande fé. Não foi ela quem se aproximou de Jesus falando sobre o quão grande era a sua fé: "Eu realmente acredito em você, então você deve fazer isso por mim.".
Ela não se aproxima de Jesus com qualquer coisa grande: nenhuma grande fé, grande obediência, grande piedade religiosa. Ela vem com um grande nada: sem fé judaica, sem saber ou guardar os mandamentos de Deus, sem ter qualquer formação religiosa, não estava centrada no Deus de Israel. Talvez possamos definir sua grande fé como chegar a Jesus sem nada - nada para oferecer-lhe, ainda confiando nele para dar a ela o que precisava.
Sua "grande fé" vem de perto depois da "pouca fé" de Pedro (14:31). Isso não é acidental. Ela apresenta-se como um contraste de Pedro. Se ela tivesse dito: "Se você é o Filho de Davi, mande e minha filha será curada", ela estaria na mesma categoria de Pedro; ou pior, agindo como o Tentador.
Outra maneira desses dois textos estarem conectados é pela palavra grega krazo. Originalmente, esta palavra descrevia o (desagradável) som de um corvo. Em seguida, passou a se referir a qualquer grito de pessoa gritando ou chorando. A implicação é que os sons não eram agradáveis ​​de se ouvir.
É o som do medo que os discípulos fazem no barco quando pensam ver um fantasma andando sobre a água (14:26). É o tom que a voz de Pedro usa quando começa a afundar: "Senhor, salva-me"(14:30). É o que essa mulher está fazendo quando diz: "Tem misericórdia de mim, Senhor, Filho de Davi, que minha filha está atormentada por um demônio" (15:22). É como os discípulos descrevem o ruído dela quando aconselham Jesus mandá-la embora (15:23). Se de repente tivesse alguém gritando durante o culto de adoração, mandaríamos alguém coloca-lo para fora? (É ruim o suficiente quando um celular toca -. Espero que não seja o meu) De qualquer forma, assim como Pedro clamou por ajuda, o mesmo aconteceu com esta mulher.

FÉ vem de dentro

Este incidente é um exemplo do que Jesus fala em 15:10-20. O que faz uma pessoa "impura" ( koinos = "comum") é o que vem de dentro, não de fora. A fé da mulher veio de dentro. Ela não tinha nenhuma das armadilhas de fora como piedade ou santidade.
Vv. 10-11 têm por destinatários as multidões. Vv. 12-20 são dirigidas aos discípulos. [Outra possível esquema: vv. 10-14 em uma explicação para as multidões e os discípulos; vv. 15-20 uma explicação para Pedro] Qualquer que seja esboço usado; a maioria desta seção é dirigida aos discípulos, o que sugere que pode ter havido mais de um problema de "informação" do que um com as pessoas de fora. Jesus em Mateus está emitindo um aviso aos discípulos contra a supervalorização da correção ritual como critérios para julgar ou condenar os outros. É comum pensar que dentro da comunidade de Mateus, havia dois tipos "joio e trigo" crescente (13:24-30) e "ovelhas e cabras" (25:31-46) - e o aviso de que não podemos fazer a diferença .
Nós também precisamos estar cientes de nossas próprias tendências de colocar nossas tradições à frente da palavra e da vontade de Deus. [Note o uso da palavra "vossa" no v 3 -. Que era um ser humano, não uma tradição bíblica de que eles estavam seguindo] Quantas vezes ouvimos: "Nós sempre fizemos isso dessa maneira", o que pode impedir o trabalho de espalhar o reino.
A história relacionada a este texto tem um grupo de espera muito piedoso no céu para o julgamento. Como eles estão esperando e reclamando sobre o tempo de espera, eles começam a ver alguns dos "pecadores" que conheciam na terra entrarem em uma sala de espera: um político corrupto, uma mulher, que havia sido condenada por furto inúmeras vezes, uma prostituta, um viciado em drogas, um homem que passou a maior parte de sua vida na prisão, etc
Com cada uma destas chegadas, o sentimento de hostilidade do primeiro grupo aumenta. Eles encararam os outros. Eles falam entre si. Dentro de um curto espaço de tempo, as palavras foram ditas aos outros: "O que faz você pensar que vai conseguir com isso, destruir a vida pecaminosa que viveu na terra?"
"Estamos contando com a misericórdia e a graça de Deus. Como tem tanta certeza de que vão entrar?"
"Nossas vidas boas, é claro." Eles viraram as costas para os outros.
O tempo começou a arrastar-se para o primeiro grupo. Eles começam a queixar-se um ao outro. "Se as outras pessoas entrarem, não há justiça. Depois de todos os sacrifícios que fizemos. Isso não é justo.".
O Senhor chegou. Ele se virou para o primeiro grupo: "Eu entendo que você está se perguntando por que não houve julgamento.".
"Sim!" clamaram. "Queremos um julgamento. Queremos justiça".
"O julgamento já foi feito. Você julgou-se. Ao julgar estes, o menor dos meus irmãos e irmãs, vocês julgaram a si mesmos. Ao rejeitar a eles me rejeitaram. Mostraram-se indigno do reino de Deus." [Pp151-3]
Hare diz algo semelhante em sua conclusão a esta seção: "Estamos contaminados, Jesus diz-nos, pelas palavras de desamor que vêm tão facilmente de nossas bocas." [P. 176].

UMA APLICAÇÃO

Periodicamente surgem queixas sobre música ou filmes ou TV de como eles nos corrompe (faze-nos "impuros"?). Não acreditamos que as palavras de Jesus sejam para as coisas do lado de fora que vêm contaminar-nos, mas o que já está dentro de nós que vem de fora? Será que assistindo a violência na TV ou um filme em que há pessoas violentas? Ou será que essa pessoa já tem um desejo interior para a violência que leva ao comportamento de assistir essas coisas nas telas pequenas, coisas grandes?
A partir da perspectiva deste texto, entendemos que a cura para violência não é removê-la da mídia, (duvido que se fizesse isso, tirássemos a violência do mundo), mas para transformar os desejos internos das pessoas para não reproduzirem o que elas veem na mídia e a representam na sociedade.

FINALMENTE


A maioria das denominações esta lutando com: e se a pessoa que vier pedir Jesus a ajuda para uma criança fosse um homossexual (ou alguém fora de nossas fronteiras, “por exemplo, uma prostituta”). Embora não possamos saber exatamente o que Jesus faria em outros casos; sabemos que nesta história ele superou o sexo, etnia, cultura, política, e as barreiras religiosas que existem e foram criadas pelos seres humanos.