quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

NATAL: UMA FESTA PAGÃ OU CRISTÃ?

 

Natal
O Natal é comemorado no dia 25 de dezembro (07 de janeiro para os cristãos ortodoxos). O Natal é um dia santo cristão que marca o nascimento de Jesus, o Filho de Deus.
A História do Natal
O Nascimento de Jesus, conhecido como Natividade, é descrito no Novo Testamento da Bíblia. Os Evangelhos de Mateus e Lucas contam fatos diferentes. É a partir deles que a história da Natividade foi reunida.
Ambas nos dizem que Jesus nasceu de uma mulher chamada Maria, que estava noiva de José, um carpinteiro. O Evangelho conta que Maria era virgem quando engravidou.
No relato de Lucas Maria foi visitada por um anjo que trouxe a mensagem de que ela daria luz à um filho de Deus. Segundo o relato de Mateus, José foi visitado por um anjo que o convenceu de se casar com Maria, em vez de mandá-la embora ou expor sua gravidez.
Mateus nos fala sobre alguns homens sábios que seguiram uma estrela até ao local do nascimento de Jesus e lhes deram presentes: ouro, incenso e mirra. Lucas conta como os pastores foram levados a Belém por um anjo.
Segundo a tradição, José e Maria viajaram para Belém pouco antes do nascimento de Jesus. José tinha sido requisitado para participar de um censo em sua cidade natal.
Todos os povos judeus tinham de ser contado, assim o imperador romano poderia determinar quanto dinheiro recolheria deles a partir dos impostos. Aqueles que tinham se afastado das casas de sua família, como José, teriam que voltar para inscreverem seus nomes nos registros romanos.
José e Maria partiram em uma árdua jornada de 90 milhas de comprimento de Nazaré ao longo do vale do rio Jordão, passando de Jerusalém a Belém. Maria viajou em um burro para conservar sua energia para o nascimento.
Mas, quando chegam em Belém, as pousadas locais estavam cheias com pessoas vindo para o censo. O gerente deixa-os ficar na caverna da rocha abaixo de sua casa, que era usada como estábulo para seus animais.
Foi ali, ao lado do barulho e sujeira dos animais, que Maria deu à luz a seu filho, e deixa-o numa manjedoura.
A Data de Natal e seus Precursores
O Primeiro Natal
Os Evangelhos não mencionam a data do nascimento de Jesus. A data não existia até o 4º século dC, quando o Papa Júlio I fixa a data de 25 de dezembro como a data para o Natal. Essa foi uma tentativa de cristianizar as celebrações pagãs que já tinham lugar nesta época do ano. Por volta de 529 dC., 25 de dezembro torna-se feriado civil e por volta de 567 os doze dias que sucedem o 25 de dezembro tornam-se feriado, a Epifania.
O Natal não é apenas uma festa cristã. A celebração tem raízes no feriado judaico de Hanukkah, nos festivais antigos da Grécia, nas crenças dos Druidas e nos costumes populares da Europa.

Celebrações Midwinter
O Natal vem logo após o meio do inverno. O sol está se fortalecendo e os dias estão começando a crescer mais. Para as pessoas ao longo da história este era um momento de festa e celebração.

Os povos antigos eram caçadores e passavam a maior parte do tempo ao ar livre. As estações do ano e as condições meteorológicas desempenhavam um papel muito importante em suas vidas e, por isso, tinham uma grande reverência ao sol, chegando até mesmo a adorá-lo. Os escandinavos do norte da Europa viam o sol como uma roda que muda as estações do ano. Foi a partir da palavra roda, Houl, que a palavra Yule (outro nome para o natal) pensou em chegar até nós. No solstício do inverno os nórdicos acendiam fogueiras, contavam histórias e bebiam cerveja doce.
Os romanos também realizavam festas para celebrar o solstício de inverno. Saturnalia (do deus Saturno) decorriam durante sete dias a partir de 17 de dezembro. Era uma época em que as regras comuns viravam de cabeça para baixo. Os homens se vestiam como mulheres e senhores se vestiam como servos. O festival também envolvia procissões, decoração de casas com hortaliças, acendiam velas e davam presentes.
Azevinho é um dos símbolos mais associados ao Natal. Seu significado religioso data do pré cristianismo. Ela foi anteriormente associada com o Deus Sol e foi importante nos costumes pagãos. Algumas religiões antigas usavam o azevinho para proteção. Elas decoravam portas e janelas com ele na crença de afastar os maus espíritos.
Antes do cristianismo chegar às Ilhas Britânicas o Solstício de Inverno era realizado no dia mais curto do ano (21 de dezembro). Os Druídas (Sacerdotes Celtas) cortavam o visco que crescia na árvore de carvalho e dava-os como bênçãos. Os Oaks eram vistos como sagrados e o fruto de inverno do visco era um símbolo de vida nos meses de inverno escuro.
O Judaísmo foi a principal religião de Israel na época do nascimento de Jesus. O festival do solstício do inverno judaico de Hanukkah marca uma parte importante da história judaica. São oito dias de duração e, em cada dia uma vela é acesa. É um momento de recordação, celebração da luz, e, de dar presentes e se divertir.
Celebração Histórica

O Natal sempre foi uma estranha combinação de cristianismo e tradições populares pagãs. Já em 389 dC., São Gregório Nazianeno (um dos quatro padres da Igreja Grega) advertiu contra a "festa em excesso, dança e coroação de portas". A Igreja já estava encontrando dificuldades para enterrar o resto do festival pagão do solstício de inverno.
Medieval
Durante o período medieval (c.400dC - c. 1400dC) o Natal foi um tempo de festa e folia. Era um festival predominantemente secular, mas continha alguns elementos religiosos.
O Natal medieval compreendia o tempo de 12 dias antes do Natal em 24 de dezembro, até a Epifania (Véspera do Dia de Reis) em 06 de janeiro. A Epifania vem de uma palavra grega que significa "mostrar", ou seja, o momento em que Jesus foi revelado ao mundo. Mesmo até 1800 a Epifania foi tão grande quanto a celebração do dia do Natal.
Muitas tradições pagãs tinham sido trazidas para a Grã-Bretanha pelos invasores romanos. Estes incluíam cobrir as casas de hortaliças e as festas picantes que tinham suas raízes no rebelde festival de Saturnalia.
A igreja tentou cobrir as práticas pagãs e os costumes populares dando um significado cristão. Os cânticos de Natal que tinham começado como canções pagãs para celebrações, como o solstício de verão e a colheita são retomadas pela igreja. No final do período medieval os cantos de canções de Natal tornam-se tradição.
A igreja também injeta sentido cristão no uso do azevinho, tornando-se um símbolo para a coroa de espinhos de Jesus. De acordo com uma lenda, ramos de azevinho foram tecidos em uma coroa dolorosa e colocados na cabeça de Cristo pelos soldados romanos que o escarneciam, cantando: "Salve o Rei dos Judeus". Bagas do azevinho costumavam ser brancos, mas o sangue de Cristo deixou-os com uma mancha vermelha para sempre.
Outra lenda é sobre um pequeno órfão que vivia com pastores quando os anjos vieram para anunciar o nascimento de Jesus. A criança teceu uma coroa de azevinho para a cabeça do bebê recém-nascido. Mas quando ele o apresentou, tornou-se envergonhado de seu presente e começou a chorar. Milagrosamente o bebê Jesus estendeu a mão e tocou a cora. Ele começou a brilhar e as lágrimas do órfão se transformaram em belas bagas vermelhas.

Proibição do Natal
A partir de meados do século 17 até o início do século 18 os puritanos cristãos suprimiram as celebrações do Natal na Europa e na América.
O movimento puritano começou durante o reinado da rainha Elizabete da Inglaterra (1558-1603). Eles acreditavam em rigorosos códigos morais, muita oração e um próximo seguimento da Escritura do Novo Testamento. À medida que a data do nascimento de Cristo não se encontra nos Evangelhos, os puritanos acreditam que o Natal está fortemente ligado ao festival pagão romano e se opõem a toda celebração do mesmo, em especial as festas embriagadas e animadas, herdadas de Saturnalia. Em 1644 todas as atividades do Natal foram proibidas na Inglaterra. Isto inclui decorar as casas com pinheiros e comer tortas de carne.
O Presépio e o Jogo da Natividade
A narração da história do Natal tem sido uma parte importante da cristianização do Natal. Uma maneira de manter a história de Natal foi através do presépio, o modelo da manjedoura que Jesus nasceu. A tradição de montagem do presépio remonta de pelo menos 400 dC., quando o Papa Sisto III construiu um em Roma. Em muitas partes da Europa a construção de presépios no século 18 foi uma forma importante de artesanato. Este não foi o caso da Inglaterra até bem mais tarde, sugerindo que o Natal Britânico fosse menos cristão do que em outras partes da Europa.
A tradição da execução da Natividade começou em igrejas e eram usadas para ilustrar a história do Natal como a Bíblia contava.
Natal Vitoriano
Depois de um período de calmaria nas celebrações do Natal a festa volta com um estrondo na Era Vitoriana (1837-1901). O Natal Vitoriano foi baseado na nostalgia dos natais passados. Charles Dickens mostra em "Um conto de Natal" (A Christmas Carol - 1843) que os ideais de Natal devem ser inspirados, capturados na imaginação das classes médias britânicas e americanas. Este grupo tinha dinheiro para gastar e fizeram do Natal um momento especial para a família.
Os Vitorianos deram-se o tipo de Natal que conhecemos hoje, revivendo a tradição de cantar cânticos de Natal, colocando a prática de dar cartões a partir do dia de São Valentim e popularizando a árvore de Natal.
Embora os vitorianos tenham tentado reviver o Natal da Grã-Bretanha medieval, muitas das novas tradições foram invenções anglo-americanas. Desde a década de 1950, os cânticos de Natal foram revividos pelos ministros, particularmente na América, que os incorporavam a celebrações de Natal na Igreja. Os Cartões de Natal foram inventados pelos britânicos, mas os norte-americanos, muitos dos quais estavam em movimentos longe de suas famílias, pegaram a prática por causa do serviço postal barato e, porque era uma boa maneira de se manter em contato com as pessoas distantes.
As árvores de Natal era uma tradição Alemã, trazida para a Grã-Bretanha e popularizada pela família real. O príncipe Albert introduziu pela primeira vez a árvore de Natal para a família real da Grã-Bretanha em 1834. Ela foi dada como presente pela rainha da Noruega, e foi exibida em Trafalgar Square.
Celebração Moderna
Advento
O Advento é o período de preparação para a celebração do nascimento de Jesus e começa no domingo mais próximo ao 30 de novembro. A palavra Advento vem do significado da palavra Latina adventus "vinda".
Tradicionalmente, é uma temporada penitencial, mas não é mantida com o rigor da Quaresma e, os cristãos não são obrigados a jejuar.
As Coroas do Advento são populares especialmente em igrejas. Elas são feitas com ramos de abeto e quatro velas. A vela é acesa a cada domingo durante o Advento.
O Dia de Natal é a festa cristã mais celebrada pelos não-fiéis e pelas igrejas, que muitas vezes ficam quase que completamente cheias para o serviço na noite da véspera do Natal.
Papai Noel
Uma parte importante do Natal de hoje é o mito do Papai Natal (chamado de Papai Noel na América). Suas origens estão na tradição cristã e europeia. Mas a imagem visual do Papai Natal que temos hoje é aquela popularizada por entregadores de cartão americanos na era vitoriana.
Tradicionalmente, o Papai Noel visita as casas à meia-noite na véspera de Natal, descendo pela chaminé para deixar os presentes. As crianças penduram meias - hoje em dia são geralmente grandes meias com padrões de malha de Natal - para o Papai Noel preencher com pequenos brinquedos e presentes.
Algumas tradições que cercam o Papai Noel datam do pré cristianismo. Seu trenó, puxado por renas, é mais para esquerda, da mitologia escandinava. A prática de deixar tortas de carne e um copo de leite ou conhaque para ele na Véspera de Natal pode ser um remanescente de sacrifícios pagãos realizados para marcar o fim do inverno e a chegada da primavera.
Os EUA têm a figura do Papai Noel, cujo nome vem de São Nicolau, através do Sinterklaas holandês. São Nicolau de Myra (localização da atual Turquia) é, entre outras coisas, o santo padroeiro dos marinheiros. A famosa história mostra ele entregando anonimamente sacos de moedas de ouro para um homem que não podia pagar o dote de suas filhas para se casarem.
Nos tempos modernos, as figuras do Papai Natal e Papai Noel são indistinguíveis.
Natal Hoje
Hoje, o Natal continua a ser o maior feriado do calendário. É um feriado em grande parte secular, tendo como principal elemento a troca de presentes no dia do Natal.
Nos séculos anteriores, a Igreja preocupava-se com a influência pagã na festa cristã, mas hoje, considerações éticas estão focadas mais no comercialismo do feriado.
Protestos contra o consumismo têm sido feito por cristãos e não cristãos, como "Não Comprar Nada no Natal", encorajando as pessoas a passarem mais tempo com suas famílias em vez de gastar dinheiro com elas.
Com concertos, canções e árvores de Natal, partindo em massa das ruas e programas de televisão, a festa do Natal de hoje tem elementos pagãos, cristãos e tradições populares.
Mas o importante é que o Natal continua a ser um tempo para esquecer os longos dias escuros e comemorar com amigos e familiares.
Bibliografia
The Making of A Modern Christmas, J. M. Golby & A. W. Purdue, Sutton Publishing, 1986
Victorian Christmas, Joy to the World, C. Hart, J. Grossman & P. Dunhil, Ebury Press, 1991
The Christmas Alumanac, Michael Stephenson, Oxford University Press, 1992
The Book of Christmas, Thomas K. Hervey, Folklore Society Books, 2000
Christmas. Encyclopaedia Britannica. Retrieved Nevember 26, 2003, from Encyclopaedia Britannica Online.

Fonte: www.bbc.co.uk.