quinta-feira, 9 de abril de 2015

A BÍBLIA TAMBÉM É A HISTÓRIA DAS PESSOAS LGBT.



Leia a Bíblia com novos olhos.

A maioria das pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais assumem uma atitude de medo ante a Bíblia, ou melhor, não sabem o seu conteúdo e acreditam que ela contém tudo o que os reprovam. Embora a Bíblia tenha sido escrita em um contexto cultural patriarcal e heterossexista, a mensagem do amor incondicional que Deus nos dá em Cristo tornar-se o "poder da salvação" para pessoas LGBT, assim como para heterossexuais.
Uma leitura mais vigorosa e dinâmica da Bíblia coloca uma nova perspectiva sobre a vida das pessoas LGBT, suas famílias e amigos. Hoje há um crescente consenso entre respeitados estudiosos das Escrituras de que a Bíblia não condena tais relações. Até recentemente, os cristãos LGBT procuravam demonstrar que a Bíblia não condena a homossexualidade. É hora de superar essa posição. Não é suficiente simplesmente alegar que a Bíblia não condena a homossexualidade. Mas também proclamar que a Bíblia é a nossa história!

Abrindo as portas de velhos armários.

A teologia da libertação e a crítica feminista bíblica mostram que, para a Bíblia transmitir com eficácia a Palavra para tod@s e para cada um de nós deve ser lida com outros olhos a partir da perspectiva dos oprimidos. As histórias bíblicas ganham vida com nova relevância quando lemos a partir da experiência do presente. Bem, se admitirmos que as pessoas LGBT estão presentes na Bíblia, e, em seguida, que acompanhamos Moisés e Miriam no Êxodo e caminhamos com Jesus na Galileia. Embora a sexualidade seja silenciada e escondida, pessoas LGBT estavam por toda parte sempre.
O tempo de liberação chegou para as pessoas LGBT bíblicas no armário. A busca da verdade sobre a sexualidade deve superar séculos de silêncio, comentários e análise bíblica. Mas será que a Bíblia inclui referências ou histórias consistentes sobre pessoas LGBT com o que os historiadores e antropólogos sabem sobre a sexualidade nos tempos bíblicos? A resposta é sim! Algumas histórias são convincentes, algumas abertamente homossexuais e outras sugerem fortemente as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo. Portanto, a Bíblia incentiva aos LGBT abraçá-la com alegria.

A "nação" LGBT

O livro de Atos narra as vicissitudes dos primeiros cristãos em pregar e viver o evangelho (Atos 28:31). No momento, estamos assistimos o surgimento de comunidades LGBT que buscam o pleno acesso ao evangelho. Para este efeito, são centrais as histórias de Pedro e o capitão Cornélio (Atos 10), e o apóstolo Filipe com o eunuco etíope (Atos 8:26-39).
Ambas as histórias estão enraizadas nas profecias de Isaías 56 que proclamam a vinda do dia, quando gentios e eunucos seriam admitidos entre o povo de Deus e os seus sacrifícios aceitos. A tradução grega do "aceitável" do hebraico em Isaías 56:7 aparece em Atos 10:35.

Um Evangelho inclusivo e desapegado.

Na história com o Capitão Cornélio, um gentil, Pedro diz: "Agora entendo que Deus realmente não faz diferença entre uma pessoa e outra, mas em todas as nações aceita quem o teme e faz o que é bom" (Atos 10:34-35). A palavra "nação" é a palavra grega "ethnos" da qual deriva o sentido "étnica". Este termo refere-se a raça, cultura ou povo. Para o efeito, Pedro afirma que são dignos do batismo todos os que, de qualquer raça, cultura ou povo, temer a Deus e agir com retidão.
Agora, o LGBT é um lobista em favor do comportamento homossexual, ou é uma etnia? De fato, há heterossexuais que têm relações sexuais com pessoas do mesmo sexo, e há LGBT que jamais tiveram sexo com ninguém. Pois o que constituem uma conduta LGBT, um tipo de pessoa para quem a atração homoerótica é apenas uma de suas características?
Uma etnia poderia ser definida como tendo em comum uma história, língua, cultura, instituições (escolas, bibliotecas, clubes, igrejas, sinagogas, organizações sociais, empresas) heróis, líderes políticos, intelectuais, valores e a capacidade de reconhecer aqueles que integram uns aos outros, mesmo quando se está imerso na cultura dominante. Se todos estes elementos constituem uma etnia, os LGBT estão incluídos sob o termo "nação" usado em Atos 10.
Mas que provas existem que há uma ethnos LGBT na Bíblia? Centenas de anos de preconceito sobre os estudos históricos e bíblicos tornam difícil responder a esta pergunta surpreendente.
.
Glorifica a Deus as que são "ESTÉREIS".

Anteriormente o conceito bíblico de imortalidade nas Escrituras Hebraicas não eram explícitas ou consistente sobre o conceito de vida após a morte. Uma maneira de alcançar a vida eterna era através das filhas e filhos.
Nos tempos bíblicos, a maior desgraça que podia acontecer a alguém era o de ser excluído pela própria comunidade quando condenado ao exílio, a execução pública ou quando se morria sem filhos. A prosperidade material e numerosos descendentes eram sinais da benevolência de Deus. (Salmo 127:3-5; 128:3-6).

Melhor do que filhos e filhas.

Neste contexto, a dignidade das mulheres está ligada à capacidade de gerar crianças ao marido, a esterilidade era uma maldição. A Bíblia está cheia de episódios em que as mulheres oram a Deus para conceder-lhes filhos. (Salmo 113:9; Gênesis 30:1; I Samuel 1:10). Os profetas de Israel usavam a esterilidade como uma metáfora para a condição deplorável dos israelitas quando considerados abandonados ou amaldiçoados por Deus. Mas a reformulação emocionante da metáfora da maldição da esterilidade é invertida na profecia de Isaías 54 que transforma Israel em uma mulher estéril, com muitas crianças.
Em Isaías 56, o profeta usa, "árvore seca", e ainda "cortar" o que dá uma imagem feminina da esterilidade aos eunucos. O termo "eunuco", possivelmente, é um termo geral para homens e mulheres sem filhos.
Deuteronômio 23:1 é a principal referência sobre a exclusão dos eunucos do templo. Levítico 21:17 diz que Deus só pode se aproximar daqueles que estão livres de defeitos físicos. Esta declaração excluiria os eunucos que em religiões antigas, eram sacerdotes nos templos, e talvez também as crianças nascidas de relações incestuosas.
Mas, finalmente, o profeta (Isaías 56:4-5) proclama: "Se os eunucos respeitarem os meus sábados, e se eles atenderem a minha vontade e guardardes a minha aliança, darei algo melhor do que filhos e filhas; vou dar-lhes ter seu nome gravado em meu templo, dentro dos meus muros, vou dar-lhes um nome eterno, que nunca serão apagados ". 

Alguns são "eunucos" de NASCIMENTO.

Quem eram os eunucos nos tempos bíblicos? "Eunuco" parece referir-se ao homem castrado para não constituir um "perigo" para a realeza feminina. No entanto, há referências de eunucos que trabalhavam como funcionários reais e não necessariamente era do ponto de vista físico. Bem, nem todos eunucos mencionados em Gênesis, Isaías, Jeremias, Daniel e do Novo Testamento eram machos castrados.
O termo "eunuco" é ainda mais genérico, a tal ponto que as mulheres inférteis também estão incluídas, funcionários de tribunais, estrangeiros, gays, mágicos e sacerdotes bem como machos castrados. Funcionalmente, machos castrados eram muitas vezes os homossexuais, mas não constitucionalmente.

O casamento não é para todos.

Jesus fala de três tipos de eunucos: "Porque há eunucos que nasceram do ventre da mãe, e há eunucos que foram castrados pelos homens e há eunucos que se castraram a si mesmos, por causa do Reino dos Céus, quem pode compreender, compreenda..." (Mateus 19:12).
Alguém poderia pensar que eunucos "feitos pelos homens" são aqueles que foram castrados e os que "se castraram" são celibatários voluntários. Mas o que dizer daqueles que "nasceram assim"? Com estas palavras, Jesus afirma claramente que o casamento heterossexual não é a norma para todos. Este comentário significativo de Jesus, mostra que suporta pessoas diferentes do estilo (casamento) de vida heterossexual, aplica-se aos LGBT.
Duas histórias de eunucos negros, ambos funcionários reais, exemplificam a ação redentora de Deus. Em Jeremias 38, um eunuco etíope salva a vida de Jeremias, um celibatário profeta. Jeremias por sua vez, traz uma mensagem de Deus, onde explica como ele pode salvar Jerusalém, ao rei.
Em Atos 8 o apóstolo Filipe batiza outro etíope eunuco. O eunuco está lendo Isaías 53, estreitamente ligada à Isaías 54 e 56 sobre a profecia messiânica do destino do Filho de Deus, cuja vida foi violentamente tirada da terra. O eunuco percebe a mensagem e que pode ser admitido pelo que foi "cortado". E então pergunta: "Eu não poderia ser batizado?" E o apóstolo Filipe o batiza.

JESUS ESCOLHE UMA FAMÍLIA.

Jesus Cristo, em quem a profecia de Isaías 53, diz que foi "cortado" do seu povo quando executado como um criminoso, morreu sem filhos. Jesus era um eunuco, embora não físico, funcional, e sua morte e ressurreição redefiniu a vida eterna, separando-a da necessidade de gerar filhos e filhas.
Uma vez Jesus Cristo afirmou para sua mãe e seus irmãos, olhando para os discípulos como uma nova família, disse: "Bem, quem faz a vontade de Deus é meu irmão, minha irmã e minha mãe". (Marcos 3:35)

Jesus tinha um estilo de vida marginal.

Jesus estabeleceu relações com muitos grupos diferentes e ao mesmo tempo os admitiu como famílias.
Jesus amava Lázaro, Maria e Marta. O que levou Jesus a uma família de um irmão e duas irmãs, todos solteiros? Duas mulheres estéreis e um eunuco é a família que Jesus escolhe. Será que estamos a assumir que eles eram heterossexuais celibatários? E se Maria e Marta não fossem irmãs, mas chamavam umas às outras de "irmã", como acontecia com a maioria dos casais de lésbicas ao longo da história?
O Evangelho de João menciona mais de oito vezes "a quem Jesus amava", também chamado de "o discípulo amado". Muito poucos estudiosos param para considerar a óbvia estreita relação que Jesus tinha com outro homem. Se Jesus era gay ou não, a homofobia silencia o assunto.
Na verdade, a Bíblia é conhecida quase que inteiramente como o ideal da Pós Reforma falando de casamentos heterossexuais, monogâmicos e românticos ao longo da vida. A Bíblia nos mostra o casamento como uma união baseada em transações comerciais, a poligamia, família estendida, grupos tribais, casamento Leviratos entre outros estilos de vida. O viés anti-casamento no Novo Testamento e com a ênfase na negativa para o sexo dos primeiros teólogos são bem conhecidos por historiadores e estudiosos de questões da sexualidade humana.
A nova comunidade cristã em Atos inclui viúvas sem filhos, mulheres que deixaram de ser prostitutas, párias sociais, pessoas solteiras, casadas, eunucos, negros, judeus e gentios. Aqueles que haviam sido excluídos, em princípio, agora estão vendo a promessa de Isaías 56: "A minha casa será chamada casa de oração para todos os povos".

Relações do mesmo sexo na Bíblia.

A Bíblia fornece modelos para casais LGBT ao contar duas histórias de casais que se amaram em compromisso mútuo, face a superação de situações difíceis.
O livro de Ruth é uma história de amor, mas não entre Ruth e Boaz. Enquanto Noemi e Ruth são as estrelas e heroínas redentoras, a relação entre Ruth e Boaz, longe de ser amorosa, é sim uma questão de preservação da prole e da família na terra. Mas a história contém a promessa mais comovente de lealdade pessoal de toda a Bíblia "disse Ruth: 'Não me peça para deixar-te ou para me separar de ti, eu vou para onde tu fores, e viverei onde tu viveres o seu povo será o meu povo e seu Deus será o meu Deus '." (Ruth 1:16).
Embora essa promessa seja usada em cerimônias de casamento entre um homem e uma mulher, é uma promessa entre duas mulheres! Ruth fez esta declaração para Noemi, sua sogra, quando seu marido foi morto no campo de batalha. Ruth mais tarde se casa com Boaz, um parente próximo, e resgata Noemi para um lugar dentro de sua própria família, e até mesmo tem um filho para Noemi. Pergunta: Noemi e Ruth mantinham uma relação lésbica? Nunca poderemos saber, mas é claro que as duas mulheres mantiveram uma relação apaixonada de entrega, elogiada pelas Sagradas Escrituras, que durou toda a vida.

Unidos em um compromisso de amor.

Outra história bíblica é a de Davi e Jonatas que ocorre no momento em que era comum e nobre para um guerreiro masculino ter um relacionamento amoroso com outro homem. O triângulo trágico de paixão, ciúmes e intrigas políticas entre Saul, Jônatas e Davi é uma expressão franca do amor entre pessoas do mesmo sexo: "Angustiado estou por ti, meu irmão Jonatas me tratou com muita doçura para mim o seu afeto é maior do que o amor das mulheres". (2 Samuel 1:26).
O autor bíblico, sem dúvida, está ciente da beleza dos homens clássicos de Davi (1 Samuel 16:12) nesta história de lealdade e amor (1 Samuel 18:1-5), com encontros furtivos (1 Samuel 20:1-23, 35-42), beijos e lágrimas (1 Samuel 20:41), recusa em comer (1 Samuel 28:32-34) e no Pacto de guerreiro e amante que Davi manteve até a morte de Jonatas (1 Samuel 20:12-17, 42). Não se pode ler esta história sem a dedução de que Jonatas era o amor da vida de Davi. Os muitos séculos de interpretações homofóbicas da Bíblia fez a história permanecer escondida no closet (armário) por muito tempo! (2)

Questões relevantes.

Isso é tudo? Fazer algumas profecias sobre a esterilidade e os eunucos e duas histórias de casais do mesmo sexo? Há outras histórias que os estudiosos bíblicos devem analisar.
  • Eram gays os eunucos da história de José (Gênesis 39 a 45) e no Livro de Ester que residiam nas cortes reais e resgataram os líderes de Deus?
  • Na parábola da mulher que tinha dez moedas e perde uma (Lucas 15), são as pessoas LGBT a moeda alegremente recuperada hoje? Atualmente, admitindo que as pessoas LGBT são dez por cento da população, são o dízimo da humanidade? São culturas de fermento de padeiro?
  • Um capitão implora Jesus para curar um servo que amava (Lucas 7). A palavra grega em Mateus 8 é país, que significa "menino escravo" e refere-se geralmente a uma relação homossexual. Por que Jesus elogia a fé do capitão, mas não condena seu estilo de vida?
  • O apóstolo Paulo expressou antipatia a dominar incapazes desejos sexuais heterossexuais. Ao mesmo tempo, a sua vida turbulenta gira em torno de homens: Timóteo, Barnabé e Silas. Fazer diatribes contra seus parceiros e igrejas e ter zelo missionário incansável foram uma tentativa de suprimir sua homossexualidade?
  • A passagem sobre o jovem rico (Marcos 10:21), diz: "Jesus, olhando para ele com os olhos, o amou." Qual é a relação entre espiritualidade encarnada e este "amor" por um desconhecido necessitado? Que estudos foram feitos sobre as oito vezes em que Jesus exprime o "amor" a alguém? Como é relatado o "amor" especial de Jesus com sua sexualidade?
  • E sobre Lídia (Atos 16), empresária independente pagã, vendedora de púrpura e a primeira cristã europeia. Embora o texto bíblico refira-se a Lídia liderando um grupo de mulheres a quem Paulo prega, não menciona nem o marido nem os filhos. Era Lídia lésbica?
  • Muitas vezes, a cor roxa é usada em conexão com a realeza, o sofrimento e paixão, ou a transformação e magia. O roxo é a cor que Jesus carregou na cruz. Será que a cor roxa também tem conotações LGBT na Bíblia e na tradição litúrgica cristã? (3)
E isso muda as coisas?

Que coisas mudam no fato de que as pessoas LGBT possam a ver-se na Bíblia? O que permite ver os personagens bíblicos como eles realmente são, sem assumir mentirosamente que todos são heterossexuais? Encontramos frases ou referências a interpretações homofóbicas na história de Sodoma e Gomorra, ou nas regras de Levítico? Em vez disso, eles convidam os LGBT a lerem a Bíblia sem medo e aplicar a sua vida uma mensagem opcional.

Notas

1. Consulta do Conselho Nacional das Igrejas de Cristo, EUA, sobre "Problemas e Homossexualidade bíblica", inédito, 1987. Cerca de seis passagens bíblicas citadas fora de contexto são usadas contra pessoas LGBT. Veja o folheto, Homossexualidade: Nem pecado, nem doença do Reverendo Donald Eastman (1990).
2. Esta seção, "as relações entre pessoas do mesmo sexo", baseia-se em Tom Horner, Jonatas amou Davi: Homossexualidade em Tempos Bíblicos (Filadélfia: Westminster, 1978).
3. Esta seção, "questões relevantes", baseia-se em Judy Graham, Outra Língua Materna (Boston: Beacon, 1984).

Panfleto escrito pela Reverenda Nancy Wilson, pastora da Igreja da Comunidade Metropolitana de Los Angeles - Fraternidade Universal das Igrejas da Comunidade Metropolitana (ICM). © 1992 Nancy L. Wilson.