E SE JESUS TIVESSE SIDO UMA PESSOA TRANS?

Não é sempre que somos contempladas, mas como Jesus teria vivido se tivesse nascido travesti ou transexual? Uma vez que seja apenas uma especulação, não podemos







Não é sempre que somos contempladas, mas como Jesus teria vivido se tivesse nascido uma travesti ou transexual? Uma vez que esta é apenas uma especulação, não podemos realmente saber ao certo, mas podemos olhar para seu personagem e ver mais profundamente como o seu exemplo relaciona-se com nossas vidas.

Jesus não teria deixado sua travestilidade ou transexualidade afetar seu trabalho.
Travestis e Transexuais têm inimigos suficientes neste mundo, assim como Jesus. As pessoas no poder não as respeitam e nem lhes dão favores especiais. Ele enfrentou o ridículo, o ataque, abuso físico e a humilhação, às vezes, no entanto, mesmo na cruz, na hora de sua morte, ainda fez boas ações e levantou-se para o que era correto. [Lucas 23:42-43]. Jesus também sabia o custo de ser um de seus discípulos: "Quem não carregar sua cruz e não me seguir não pode ser meu discípulo" [Lucas 14:27]. Se Jesus fosse uma pessoa trans teria lembrado consistentemente de seu objetivo principal: servir ao Senhor em todas as coisas. Teria se lembrado que sua identidade primária estava em Deus, o Pai, e, como nós, o abastecimento de Jesus esta nessa mesma identidade primária. Como resultado, podemos viver livres, fazer boas ações, e ser envolvidas no amor de Deus.

Ele não teria feito nenhuma diferença no que sua aparência exterior parecia, mas teria focado em se relacionar com pessoas de maneiras que elas entendessem.

Jesus, embora fosse o mestre de toda a criação, de forma consistente apareceu para as pessoas na aparência externa de um homem comum, revelando apenas um vislumbre de sua verdadeira aparência para Pedro, Tiago e João. Em seguida foram a uma montanha onde estavam sozinhos. Lá, ele foi transfigurado diante deles. O seu rosto resplandecia como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. [Mateus 17:2]. Quando Jesus volta como um homem comum, ele instruiu-os: "Não conte a ninguém o que viram, até que eu tenha ressuscitado dentre os mortos". [Mateus 17:9b]. Assim como nós, inicialmente, levamos apenas as pessoas de nossa confiança para compartilhamos nosso segredo mais íntimo sobre  nosso estado trans, assim Jesus escolheu cuidadosamente apenas alguns de seus amigos mais próximos com os quais pudesse compartilhar este íntimo momento.
Além disso, quando se considera a transfiguração de Cristo - sua única alteração física durante sua vida terrena, vemos que ele não decidiu que, por ser Deus de toda a criação, forçaria a imagem de seu corpo glorificado sobre aqueles que não conseguiriam entender. Esta parece ser outra razão para que Pedro, Tiago e João jurassem segredo. Acho que podemos nos identificar um pouco com Ele.

Ele teria se sentido tão solitário como nos sentimos às vezes.

A maioria das pessoas transexuais têm experimentado a sensação de ser um espetáculo público, uma celebridade instantânea que acompanha a sua sexualidade. Jesus não era um estranho ao escrutínio e debate público! Seu ministério estava cheio de exemplos de pessoas a persegui-lo com a intenção de condená-lo religiosamente e matá-lo. Os judeus planejaram matá-lo!
E quando Jesus não estava sendo procurado por assassinato, ele estava sendo cercado por pessoas que queriam tocá-lo e ficar perto dele por várias razões, por vezes, nem sempre puras. Mesmo entre os seus amigos mais próximos, os apóstolos, Jesus muitas vezes foi incompreendido ao descrever quem ele era. Ele era a personificação de Deus, mas era também um ser humano. Com uma vida de tal incrível celebridade, solidão e ansiedade eram suas constantes companheiras.
Por exemplo, ele confessa sua ansiedade para alguns gregos durante a Páscoa, pouco antes de sua morte. Ao prever a sua morte iminente, Jesus diz: "Agora meu coração está perturbado, e que direi eu? Pai, salva-me desta hora? Não, foi por essa razão que eu vim a esta hora. Pai, glorifica o teu nome!" [João 12:27].
Jesus verdadeiramente só encontrava a paz quando tinha tempo para comungar com Deus, o que acontecia várias vezes. "A notícia a respeito dele se espalhou ainda mais, de modo que multidões de pessoas vieram para ouvi-lo e serem curadas de suas doenças. Mas Jesus muitas vezes, retirava-se para lugares solitários e orava". [Lucas 5:15-16].

Ele teria exercido a sua vida diária, apesar de rumores selvagens e incorretos sobre ele.

Imagine por um momento. Jesus está dizendo a centenas e milhares de pessoas sobre como livre pode ser aquela que acreditar que ele é o Filho de Deus. O tempo todo ele está lidando com uma autoridade religiosa a conspirar para matá-lo, os governantes ameaçados por seu ensinamento, as pessoas por não serem muito apegadas a seus conceitos, era celebridade instantânea onde quer que fosse. No nosso mundo, onde há celebridade, há falsos rumores, e Jesus teve sua parte, assim como nós.
As autoridades religiosas o acusaram publicamente na sinagoga de ser possuído pelo demônio Belzebu, uma vez que Jesus tinha expulsado com sucesso os demônios das pessoas. [Mateus 12:24] O próprio Jesus perguntou a discípulos o que as pessoas estavam dizendo sobre ele. [Mateus 16:13-14] Então, ele aplaude Pedro por estar firme e declarar que ele é o Filho de Deus. [Mateus 16:16]. É nítido que Pedro o nega mesmo sabendo quem ele é, depois que é levado cativo.
Jesus teve sua cota de amigos de todas as horas, e sabia que tinha que seguir em frente, apesar do que as pessoas diziam sobre ele. Sua missão era mais importante do que a plena aceitação das pessoas. É um tema que conhecemos muito bem.

Ele não teria saído para agradar as pessoas, mas faria o que precisava ser feito.

A maioria das afirmações de Jesus em Mateus 16 e 17 são repreensões dirigidas a seus próprios discípulos, que iriam ser os responsáveis ​​por espalhar a notícia sobre ele depois que voltasse para o céu. Jesus se preocupava profundamente com eles, amava-os tanto quanto ama a qualquer um de nós, mas também não se importava se tinha que discipliná-los, acusando-os, por vezes, de serem infiéis, descrentes, perversos, pedra de tropeço, e geralmente equivocados. Se Jesus fosse uma pessoa trans não teria desviado de seus valores e plano, mesmo que fosse para agradar alguém.

Ele ainda teria focado nos outros, em vez de se embrulhar em si mesmo.

Qualquer pessoa pode ver Jesus Cristo parando sua missão de servir a Deus em todos os sentidos - parar de ser obediente até à morte de cruz - por causa de uma questão de gênero? Isso não minimiza o que passamos como indivíduos travestis e transexuais, mas enfatiza que Jesus não teria permitido que seu ministério paralisasse por uma questão pessoal. Ele ainda teria curado os doentes, feito os cegos ver, expulsado demônios, levantado pessoas da morte, feito deficientes andar, alimentado 9.000 pessoas com o equivalente a uma sacola de compras, e muito mais. Nós não temos esse poder divino, mas podemos lembrar de estar a serviço dos outros, não importando as nossas questões de sexualidade ou gênero.

por Michelle Dee

FONTE: http://www.transfaithonline.org/