quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A BÍBLIA COMO UM MANUAL DE SEXO

(ESTUDO BASEADO NOS ESCRITOS DO  REVERENDO MARK A. SANDLIN)


Como temos percebidos muitos usam a Bíblia como se ela fosse um manual de sexo, dizendo-nos o que é e o que não é aceitável aos olhos do Senhor Deus. Determinando aqueles que são bons para julgar, e aqueles a quem são dirigidas todos os tipos de maldade.
Mas na realidade a Bíblia não é um manual de sexo. Eu sei você ficou chocado. Certo? Na verdade, o sexo é uma coisa boa. Vemos que a Bíblia não só promove o casamento entre um homem e uma mulher, mas insiste que o casamento seja dentro da mesma fé. A esposa não só deve ser subordinada (Efésios 5:22), mas também deve provar a sua virgindade ... Para não ser apedrejada (Deuteronômio 22:20-21). Ah, e toda a coisa provavelmente seria muito melhor se não fosse arranjada (Gênesis 24:37-38 ). E isso é só o aquecimento.
Segundo a Bíblia, se o marido de uma mulher morresse sem que tivesse tido um filho, ela deveria se casar com o irmão dele e ter relações sexuais, até que viesse o filho (Marcos 12: 18-27). Às vezes, as esposas biblicamente são boas, mas concubinas são melhores. Muitos dos chamados “homens de Deus” não eram só casados, mas, pelo menos três deles tiveram mais de uma concubina (Abraão, Caleb e Salomão) e permaneceram como “homens de Deus". Como dissemos, "esposas biblicamente são boas" e não há coisa demasiadamente boa quanto, Certo? Então, porque Ele não têm uma esposa? Deus frequentemente abençoou polígamos? (Esaú, Jacó, Gideão, Davi, Salomão, Belshazzar).
Tanto quanto a sexualidade e a perspectiva da Bíblia sobre a mulher como propriedade e sobre escravos... Bem, como você pode imaginar, não há nada melhor.
FAZENDO ESCOLHAS
O ponto é este: a maioria de nós já amadureceu teologicamente o suficiente para reconhecer que é preciso contextualizar os escritos da Bíblia, e por isso mudamos o passado usando estes exemplos como o fim-de-tudo sobre práticas aceitáveis ​​de sexualidade. No entanto, de alguma forma, nós não conseguimos aplicar o mesmo entendimento para os versículos da Bíblia que se tornaram conhecidos como os "versos clobber” (palavra americana utilizada para se referir aos versículos mais usados para espancar pessoas LGBT que apoiam os direitos dos mesmos).
Isso é realmente interessante quando se considera que, de todos os tópicos que acabamos de mencionar, a orientação sexual é a única que não é uma escolha. A poligamia, concubinas, casar com a viúva de seu irmão? Todas são escolhas, e nós decidimos "superar" as diretrizes bíblicas para elas. Orientação sexual? Não é uma escolha. (sabemos que há aqueles que ainda argumentam o contrário, mas a ciência é nítida, por isso não entraremos nessa discussão). Assim, muitos cristãos simplesmente não são capazes de passar por isso. Igualmente nem se interessam na hipótese de reconsiderar: é na verdade mais uma opção para julgar e marginalizar pessoas LGBT.
Como eles têm nitidamente a dificuldade de largar os versos clobber, vamos analisá-los um por um e considerar muito brevemente o que realmente acontece com eles. Isso deve nos ajudar a chegar a uma imagem mais nítida do que os escritores realmente estavam tentando nos dizer. O que vamos encontrar é isto: quando me pego a julgar os outros sobre o que quero acreditar vindo do estudo desses versos, perco a oportunidade de entender como são as pessoas que Deus está chamando.
Quando a Bíblia foi escrita, a Terra era plana, o sol orbitava sobre a Terra e a ideia de uma pessoa sobre "orientação" sexual era completamente esquisita. Há alguns debates sobre quem realmente deu o pontapé inicial na compreensão da orientação sexual, mas é claro que o conceito de pessoas que têm uma orientação sexual foi introduzido pela primeira vez no ano de 1800 tornando-se uma construção mais moderna.
Claramente, há alguns versículos da Bíblia que envolvem atos envolvendo pessoas do mesmo sexo (e desses, quase todos eles são sexo entre homens), mas dado o advento moderno de reconhecer a existência de orientação sexual, temos que aceitar a realidade de que os autores desses versos não eram de forma alguma mestres no assunto, muito menos capazes de reconhecer, compreender e abordar a orientação homossexual. O que, então, queriam tentar nos dizer eles nos versos clobber? Vamos dar uma olhada.
Os Versos Clobber.
Deixe-nos dizer logo de início, três dos versos que são considerados às vezes versos clobber não tem nada a ver com a questão da homossexualidade. Colocando Gênesis 2:21-25, Deuteronômio 23:17 e Judas 1:6-7 na categoria de versos anti-gay, sendo que nada mais é do que uma tentativa de reforçar o número de versos que supostamente são "contra" a homossexualidade. Eles não têm nada a ver com isso. Então, simplesmente iremos ignorá-los. Se alguém tentar usá-los como prova da "abominação" da homossexualidade, simplesmente os ignorem também.

(Continua)