quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Análise Histórico-Crítica da Bíblia: [1] A origem da condenação à homossexualidade

Há muitos anos um pastor da igreja que eu frequentava, a IECLB, me falou desse conceito, o estudo histórico-critico da Bíblia. Ele era um homem muito culto, e muito adiantado para o seu tempo, havia feito a faculdade de Teologia e tudo mais. Tinha a mente mais aberta que a maioria.

A idéia é analisar o conteúdo da Bíblia da seguinte forma: 
Quem escreveu?
Em que época?
Para quem era direcionado?
Com que propósito? 


Ele entendia que a Bíblia não pode ser toda considerada válida para os dias de hoje, no que ele era bem diferente de muitos religiosos que vemos hoje.

Pretendo fazer várias dessas análises, mas a primeira vai ser sobre a origem da condenação à homossexualidade. É um assunto sempre polêmico e muito mal-compreendido, e vale a pena dar uma olhada mais de perto nisso.
O que vou postar aqui é uma opinião particular minha, a partir de várias fontes e leituras no decorrer de muito tempo. Parto de um ponto de vista prático apenas. Se alguém não concordar ou quiser acrescentar alguma coisa, tudo bem.

Quando, onde, como e porque surgiu a condenação veemente da homossexualidade entre o povo hebreu? Era um povo nômade, no meio de uma terra desértica, onde competiam com outros povos pela sobrevivência e a ocupação daquela terra. Qual era o maior fator de sucesso nessas circunstâncias? Simples: gente. Quanto mais conseguissem aumentar o número de membros da tribo, mais rápido conseguiriam ocupar a terra, antes de outras tribos. Como o sistema era patriarcal, só importava quem fosse o pai, portanto as mulheres podiam ser de outras tribos, e um homem podia ter várias esposas, além de poder também produzir filhos com as escravas particulares dessas esposas, que contavam como se fossem dele e da esposa. Também é preciso levar em consideração que a mortalidade infantil provavelmente era grande, nem todos os filhos sobreviveriam até a idade adulta. Mesmo assim, quantos filhos um homem poderia vir a ter? No mínimo 10 ou 12, senão mais. Com sorte, quem sabe uns 20 ou 30. Como era uma questão de sobrevivência, era praticamente uma obrigação para um homem ter tantos filhos quanto pudesse. Um único homem que falhasse nesse aspecto era um prejuízo certo para a tribo. Não surpreende nada que um homossexual fosse considerado um peso morto, quase um traidor, por não cumprir com a sua obrigação e contribuir para o sucesso da tribo. A repressão tinha que ser radical e eficiente.

Até aqui analisei as circunstâncias prováveis ao fenômeno da condenação à homossexualidade na Bíblia. 

A pergunta agora se torna óbvia: As circunstâncias atuais são as mesmas? Há razões práticas para achar que hoje a homossexualidade prejudica o grupo?

Deixo as perguntas sem resposta de propósito. 
Cada um que pense e tire as suas próprias conclusões.


Fonte: http://ateiadebomhumor.ligahumanista.org/2010/07/analise-historico-critica-da-biblia-1.html