sábado, 23 de novembro de 2013

Família lésbica desaparece do catálogo russo da rede de móveis multinacional Ikea



A direcção da Ikea decidiu retirar da edição russa do seu catálogo um artigo sobre um casal lésbico, temendo que pudesse ser considerado uma violação à chamada Lei da Propaganda Gay ou também conhecida como "Lei da Mizulina", apelido da deputada do partido Rússia Unida. O casal em questão, Carla e Cristi, vive em Dorset (Reino Unido), onde educa os seus filhos.
 
A decisão foi tomada pelo escritório central da Ikea e pela delegação da Rússia, confirmou Ilva Magnusson, porta-voz da companhia. A responsável esclareceu que a empresa cumpre rigorosamente a lei dos países onde decorrem os seus negócios, mantendo a neutralidade face a questões políticas ou religiosas. Ilva Magnusson relembrou que a lei russa em questão prevê "limitações, relacionadas com os incentivos de relações homossexuais", que levou à decisão para excluir o artigo. Ativistas gays suecos já acusaram a Ikea de covardia. Os defensores dos direitos humanos consideram que o artigo poderia ter sido útil como um teste para perceber o que é considerado na realidade sob o termo "homopropaganda".