sábado, 11 de janeiro de 2014

A velhice cruel dos gays idosos.

Você que lê este artigo pense na sua condição de homem gay inserido na sociedade brasileira.
É necessário pensar na velhice individual de cada cidadão e nas condições sociais em que vivemos.
Cada qual com seus problemas – mas na maioria das vezes os problemas são ou serão iguais para todos.
Uma certeza:você será um idoso daqui há algumas décadas ou daqui há alguns poucos anos ou já vive a velhice nos dias atuais.

Cena um: Mundo real em hospitais e asilos:
Muitos gays idosos vão para o asilo porque a família não tem mais laços afetivos ou porque vivendo sozinhos sem companheiros ou amigos, a única saída é procurar asilos municipais ou instituições privadas e pagas.
Os seus amigos gays que ainda não faleceram já estão no asilo, outros, que ainda tem amigos e companheiros seguem vivendo suas vidas de solidão e angustia – um prenúncio de depressão e muitos problemas de saúde física e mental.
Muitos idosos são reféns de famílias homofóbicas e o medo da senilidade os leva para os asilos, as doenças comuns nessa fase da vida os levam para os hospitais.
Os gays idosos são invisíveis na sociedade. Mas eles existem e a maioria sofre com sua condição. Muitos até tomam coragem e vão a lugares gays, mas os mais jovens ao perceberem a presença de um idoso no local fazem piada e os chamam de cacura ou bicha velha.
Cena dois: Mundo real da solidão:
O gay idoso das classes C e D têm muitas dificuldades de se inserir socialmente, portanto, ficam reclusos em casa na periferia das grandes cidades. O tempo passa e a solidão aumenta, geralmente, vivem em ambientes heterossexuais e frequentam bares e botecos, jogam dominó ou baralho para passar o tempo. É o tio que não casou e vive num quartinho no fundo do quintal da casa de parentes.
Para esses idosos a aposentadoria não paga as contas do mês, nem os remédios e tratamentos necessários à manutenção da saúde.
O gay das classes A e B também têm muitas dificuldades de se inserir socialmente e ficam reclusos em casa ou no apartamento das regiões centrais das cidades ou trocam de residência para regiões litorâneas. O tempo passa e a solidão aumenta, geralmente, vivem em ambientes mistos, tanto hetero como homossexual e freqüentam locais gays, shopping Center, saunas, praticam ginástica e natação para passar o tempo. É o gay intelectual e fechado no seu mundo e tem poucos amigos.
Para esses idosos a aposentadoria ou a previdência privada pagam as contas e ainda sobra recurso para viagens, clínicas e alguma diversão.
A única condição que ambos são iguais é a velhice cruel para a maioria deles. Não existem instituições religiosas ou ONGs especializadas em gay idoso. Vá a uma missa ou a um culto e tente encontrar um – estão invisíveis e fazem de tudo para não mostrar a identidade. Os gays idosos se calam e não compartilham sua vida com ninguém por conta dos preconceitos.
Cena final: A velhice cruel

Um ser humano de luz com jovialidade e alegria – uma vida plena, alegre repleta de amigos e parentes. Sonhos realizados, viagens semanais, roupas de marca, festas e baladas – O mundo parece infinito.
O tempo passa e a maturidade chega junto com as preocupações de realizações pessoais – o trabalho e a carreira, além de patrimônios e bens de consumo. Nesta fase da vida é você quem paga a conta e paga para ter amigos.
A velhice chega e a luz esmaece – as rugas marcam o rosto e as dores musculares são freqüentes. Breve fará cirurgias e será dependente de remédios controlados.
Os amigos desaparecem e você fica cada dia mais sozinho – você está vivo e ainda tem desejos, quer companhia, afeto e amor. Não há mais ninguém para acalentar o seu dia.
Então chega o sofrimento e os problemas psicológicos – a solidão e o esquecimento.
Viver passa a ser um fardo e o gay idoso gostaria de dormir e não acordar, mas preferencialmente sem dor.
O idoso se transforma numa sombra de toda uma vida, um João ninguém, um estorvo social e gradativamente se torna um ser invisível e desaparece no mundo dos átomos, imperceptível aos olhos humanos.
Fonte: http://grisalhos.wordpress.com/