terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Deficiências?


A Igreja é plural. Enquanto ser. Ambos se encaixam em sua caverna, pessoas em terra, e os astronautas. Ou nos encaixamos. Eu não sei. Não tenho a pretensão de ter o monopólio da verdade. Confio em que, às vezes, faz-se necessário que cada pessoa construa sua opinião para se chegar a verdade absoluta, há uma busca compartilhada da verdade, que tem seus casos, seus porta-vozes e ensinamentos, isso para um cenário onde esta verdade seja compreendida. Um ensino que se move, para além do dogma, há muitas declarações que mudam conforme o entendimento da verdade e, é enriquecido por sensibilidades, contextos e formas. Houve um tempo em que foi dito, e argumentado sobre se os índios tinham alma (ficou nítido que os negros não tinham), a discussão serviu para legitimar a escravização do outro. Até em grandes propriedades eclesiásticas. Sensibilidade à mudança nasce, muitas vezes, no seio da Igreja, que clama nessa situação. Que em um primeiro momento é desacreditada, acusada e criticada. No entanto, hoje são valores de referência, e reconhece-os numa busca de inspiração e orientação. 
Tudo isso me vem à mente, é claro, depois de ler a entrevista do novo cardeal Fernando Sebastián, e suas declarações sobre a homossexualidade. Acho que elevar o cardeal faz parte dessas percepções que estão presas em um outro tempo e em outras sensibilidades. acredito que estamos suficientemente preparados para um discurso muito mais respeitoso, plural e complexo sobre o amor, a diversidade e as diferenças. realmente arrependido de tal mensagem em uma época como a nossa. Espero, realmente, que tratem de apreciar a diversidade como um valor e não um problema. Eu sinto a dor causada aos homossexuais, também da igreja, que são, mais uma vez, incompreendidos e atacados, e mesmo assim, querem se enrolar num discurso de palavra amável. 
Há muitas questões sensíveis na Igreja. Questões levantadas com desentendimentos, confrontos e controvérsias. Hoje, neste mundo nervoso de mídia que não há lugar para nuances e sim para o suporte mais estridente espero que os cristãos, mesmo aqueles que têm atitudes diferentes para certas coisas, saibam dialogar baseado no respeito e delicadeza. 

José M ª Rodríguez Olaizola sj

Sacerdote Jesuíta, teólogo e sociólogo espanhol
em respostas as declarações do Cardeal Fernando Sebastián.

Fonte:www.pastoralsj.org/