Roger Mbede morre vítima Homofobia em Camarões


Roger Jean Claude Mbede, 34, o homem camaronês que foi condenado a três anos de prisão pelo o envio de um texto amoroso para um conhecido homem, morreu hoje em sua aldeia natal após de ficar sem dinheiro para pagar por cuidados médicos.
Durante 16 meses de prisão, Mbede foi o foco de uma intensa pressão internacional por sua libertação, incluindo campanhas da Anistia Internacional e All Out.
Ganhou liberdade provisória em 16 de julho de 2012, para o tratamento médico de uma hérnia. Permaneceu livre depois, mas com problemas de saúde. Por torna-se conhecido nos Camarões como homossexual, permaneceu escondido para sua própria segurança, disseram amigos. Pela mesma razão, mudou sua residência por três vezes, disseram.
No final de 2012, a Corte de Apelações Central se recusou a anular a decisão de primeira instância original que o condenou à prisão. Seu novo recurso ficou pendente enquanto se preocupava com atendimento médico continuado.
Ele fez uma operação em julho de 2012, que não curo-o, e uma segunda no final de 2013, onde passou mal, de acordo com os ativistas de direitos LGBT e amigos  dele.
Ele não tinha dinheiro para cuidados médicos continuado, seus amigos e ativistas disseram, então que ele deixou o hospital e foi levado para casa de famíliares na aldeia de Ngoumou, perto de Yaoundé. Durante os últimos dias, não comeu nem bebeu. Morreu às 7 horas do dia 10.
"Ele não era ativista. Era simplesmente um homem que foi enviado para a prisão por sua sexualidade ", disse um amigo.
Foi condenado no dia 28 de abril de 2011, a 36 meses de prisão e multado em 33 mil francos CFA (cerca de € 50 ou US $ 61) por homossexualidade, que sob a lei camaronesa é punível com pena de prisão até cinco anos.
Seus advogados, Alice Nkom e Michel togue, ganharam sua liberdade provisória em julho de 2012 depois que o tribunal rejeitou mais de uma dezena de aplicações.
O seguinte relato da vida de Mbede foi escrito logo após a sua libertação provisória em 2012. O autor foi o jornalista/ativista Eric Lembembe, que foi atacado, torturado e assassinado em casa em julho de 2013, enquanto estava no meio de relatórios sobre uma onda de prisões homofóbicas, incêndios criminosos e roubo em Camarões.
A história de Mbede começa no final de 2010, quando estava estudando para um mestrado em filosofia da educação na Universidade da África Central em Yaoundé. Familiarizou-se com um alto funcionário a serviço da presidência da República dos Camarões, diz ele. Após quatro meses de um relacionamento amigável com muitos telefonemas, Mbede diz que caiu em uma emboscada preparada pelo homem, que se queixava de receber declarações de amor de Mbede.
"Em 2 de março de 2011, ele chamou, pedindo-me para visitá-lo em casa. Para minha surpresa, fui recebido lá por dois policiais que me prenderam e me levaram em uma célula sob o controle da Secretaria de Defesa", Mbede lembra. "Durante uma semana, fui submetido a interrogatórios difíceis, sem saber o que estava acontecendo. Poucos dias depois, em 9 de março, o Ministério Público emitiu um mandado e fui enviado para a prisão no mesmo dia. Após três audiências, fui condenado", diz ele.
A vida é dura na prisão de Kondengui, especialmente quando você é gay. "Quando você entra na prisão, os guardas lançam insultos em você, como 'bicha' e 'feiticeiro'. "
As condições das prisões não são difíceis para todos - mas o suficiente como camas desconfortáveis, água suja, promiscuidade e doenças como a tuberculose, diarreia e doenças de pele, diz ele.
Em cima disso vem o abuso homofóbico diário, tanto verbal quanto físico. Inmate queixou-se ao superintendente da prisão que não iria viver com uma "bicha" na mesma sala. Depois de sofrer vários cortes e contusões, Mbede ganhou uma cicatriz na testa de um dos muitos ataques na prisão.
Roger Jean Claude Mbede diz ter dificuldades para voltar a uma vida normal depois da prisão por homossexualidade.
Durante seu tempo lá, recebeu a ajuda do Projeto de Apoio e Assistência das Minorias Sexuais, ou PAEMH, enquanto a Associação de Defesa dos Homossexuais, ou ADEFHO, trazia-lhe comida e fornecia assistência médica e jurídica. A Anistia Internacional pedia a sua libertação.
"O PAEMH era muito favorável", diz ele. "Um de seus líderes, Lamba Marc Lambert, me trouxe comida para comer e roupas para vestir. Sem a sua ajuda, eu não sei o que teria acontecido comigo ", diz ele.
Ele não falou com sua família depois de sua prisão.
Mbede espera que sua condenação seja anulada em uma apelação prevista para 20 de agosto. Em seguida, ele pretende terminar os estudos, encontrar trabalho e tornar-se independente.
"Por enquanto", disse ele: "Eu vou ficar na casa de um amigo, porque minha família me rejeita."
"Meu pai me disse que não sou mais seu filho", diz Mbede. "Se ele tivesse que escolher entre um louco e eu, escolheria o louco. Minha irmã, por sua vez, diz que prefere ter um irmão que é ladrão ou outro criminoso ao invés de um homossexual. "
Como sua operação em 26 jul de hérnia se aproxima, Mbede está preocupado sobre como vai pagar a cirurgia. Sinto-me impotente e não sei por onde começar, diz ele.


 Fonte: http://76crimes.com/2014/01/10/homophobia-victim-roger-mbede-dies-in-cameroon/