quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Só Jesus pode salvar uma bicha


Gays e lésbicas, qual incomoda ou irrita mais? Na hora da caneta e do martelo não há diferenças na orientação sexual. Talvez alguns tipos incomodem mais, e alguns homossexuais que tentam se desculpar, mostrando que não tem sido infiéis a papéis de gênero. Eu sou gay, mas ninguém me olha. Eu sou lésbica, mas ninguém diz. O martelo e a pena não tem nada a ver com a orientação sexual. Melhor saber que estamos todos no mesmo barco, etc, etc, etc ... Sempre rola justificativas absurdas, medos indizíveis e meias-verdades.

Peço a todos os gays machistas, que removam a corda no pescoço e subam no salto alto para gritar que são bichas afetadas. E as lésbicas removam as calcinhas doces e femininas, e deem um bom golpe de coturno. Sim! Um desses golpes na mesa que só sabem dar as caminhoneiras. Chega de justificativas! Para o inferno com autodefinições politicamente corretas! Somos gays e lésbicas, estranhos e machões. E quem não gostar disso, não olhe. Eu não gosto dessas mulheres que vivem felizes ou aqueles submissas a homens orgulhosamente respeitáveis ​​e poderosos, mas tenho que aturar.

Nós somos bichas e sapatões cristãs e não temos medo de construir uma teologia com saltos e coturnos. E construí-lo até o fim. O nosso Jesus suportou o que ninguém suportaria. Por mais afetados e afeminados, pois ele gostava de beijar seus amigos com perfumes enjoativos. Esse é o ódio que basicamente o levou para a cruz, eu mesmo não podia suportar os fariseus e os mestres da lei. O Jesus que ficou como um louco no templo, o centro da masculinidade politicamente correta. Essa masculinidade que ainda persiste em comprar alguns para o perdão de um Deus masculino e ser aceito por seus adoradores.

Já disse o profeta, o Messias não é atraente ou bonito, e seria desprezado e rejeitado por outros homens [1]. Sim, para o resto dos homens, e mais para aqueles que eram como ele, que não queriam ser e passar a vida fugindo de si mesmos. Aqueles que preferem enterrar seu talento no chão a permanecer bem conceituados e ocupar bons lugares sociedade.
Mariconas covardes que o levaram para a cruz, para não serem crucificadas com ele.

Jesus não podia suportar, nem a sua própria família, ele tinha vergonha do louco que tinha se tornado. Porque Jesus foi isso, e apenas isso para a sua família, um louco que era melhor ir encontrar uma casa para se esconder onde ninguém pudesse vê-lo. Um esquizofrênico que não fazia nada, mas era um peralta e dizia coisas inapropriadas causando constrangimento. Uma perda pois seus amigos eram mais importantes do que sua família. Um mal entendido, um sábio, um idealista, um alucinado que falava de ter um Pai amoroso no Céu, que o amava como ela era, ele e todos os seus amigos. Um pai que como ele abraçou, beijou e amou os outros homens e mulheres. Bicha como o próprio Jesus. Esse pai era Deus, um Deus novo quebrando qualquer imagem politicamente correta de que devia ser.

E é este Jesus, que pode trazer a salvação para a vida de muitas mulheres e homens que vivem uma vida que não é sua. Aqueles homens que ainda se recusam a acreditar que somente Deus pode salvar a caneta, ou as mulheres que têm dificuldade em compreender a Deusa que tem a capacidade de liberar o martelo. A salvação de Deus é completa, inclusive da necessidade que alguns tem de viver sob alguns papéis que escravizam sem ter razão. A salvação de Deus nos liberta do nosso velho modo de vida que leva à morte de quem realmente somos, por meio da quebra dos papéis de gênero que querem impor como pecado os seus sacerdotes.

Somente um Jesus bicha pode nos salvar, só Jesus pode salvar uma sapatão. Quanta energia desperdiçada quando nos comportamos como não somos, vamos viver livremente de acordo com um messias desconfortável que não se senta à mesa de nossos pais e mães para não confundi-los com ele. Se não formos capazes de aceitar que vivemos distribuindo canetas e martelos prisioneiros do gênero que vive ao nosso redor, é melhor deixar-nos para lá, e parar de perguntar de que precisamos para ter uma vida plena.

Carlos Osma




[1] Is 53, 2-3.

FONTE:http://homoprotestantes.blogspot.com