Deus não pune ninguém "Nunca usemos a Deus para promover o medo"

Há poucos dias, um sacerdote de uma aldeia em León disse (em meio a indignação e escândalos), que o câncer sofrido por um político conhecido do PSOE, é tranquilamente o que podemos chamar de o " castigo da Divina Providência ", por causa da condição política de homossexual declarado.

Devido o absurdo, que envolve tal afirmação, crítica e indevida (e nunca demonstrável) deste sacerdote, nos vimos no direito de abordar a questão como quem chegou a fundo em matéria de religião. A questão é esta: Deus pode ser vingativo e punitivo? Mais especificamente: o Deus em quem nós, cristãos, acreditamos, que foi revelado em Jesus, pode usar a vingança e a retaliação contra aqueles que considera pecadores indignos ou por qualquer outro motivo? Não vou abordar aqui o julgamento que Deus pode fazer ou não fazer sobre a homossexualidade. Em qualquer caso, a alegação de que a homossexualidade é uma perversão que merece castigo divino que resulta no sofrimento de câncer, é tão monumental quanto absurdamente improvável. De onde vem o saber do padre que Deus pune a homossexualidade com o sofrimento do câncer?

Mas esta não foi a pior coisa que disse o clérigo da diocese de Leon. O pior de tudo está na presença de Deus como justo agente, vingativo e punitivo que nos convence com o sentimento de medo. O Deus que nos ensina o Evangelho, pode ser um Deus vingativo e punitivo?

Nos evangelhos, o termo "castigo" ("dique") não é sequer mencionado. E a palavra "punir" ou "vingança" ( "ekdikéô" ) só aparece na parábola da viúva em busca de justiça (Lc 18:3 ss.) É verdade que, os escritos de Paulo falam da vingança de Deus ( 2 Ts 1:8, Rm 12:19 ss, cf Dt 32:35- 43 ). Mas vai ser bom saber que quando Paulo fala de Deus, refere-se ao Deus de Abraão e das promessas feitas a ele ( Gl 3:16-21 ; Rm 2:20). ( U. Schnelle , Paulus Leben und Denken , Berlim 2003 , 56). Acima de tudo, é essencial lembrar que o Deus a quem Jesus se refere é o bom Pai, que não faz distinção entre o bom e o mal, entre o justo e o injusto (Mt 5, 43-48 ). Ele também é o Pai que acolhe o perdido, sem censura ou pedido de explicações, fazendo festa no auge de sua alegria (Lc 15:11-32 ). Mas, acima de tudo, quando os cristãos falam de Deus, nunca devem esquecer que a definição que nos é dada é que Deus se resume ao "ser amor" (1 Jo 4:8-16). Agora, se Deus é essencialmente definido pelo amor pelos outros, sejam eles quem forem e vivam como eles vivam, o que significa que Deus não quer ou faz qualquer coisa que não seja o amor e a felicidade dos seres humanos, como tem sido bem observado prof . A. Torres Queiruga .

Portanto, devemos distinguir cuidadosamente o que é mesmo punição ou correção. A punição é "um fim em si mesmo" e não tem, nem pode ter nenhum outro propósito além de causar sofrimento. E se opõem a qualquer forma de bondade e amor. A correção é um "meio" (doloroso ou desagradável) para obter um fim posterior, o que é sempre positivo e alegre. Assim, como os pais corrigem seus filhos, os professores seus alunos. Jesus repreendeu os fariseus quando afirmou que eram "hipócritas". Não puniu Pedro quando o chamou de "Satanás" (Mt 16:27 ss). Nesses - e em muitos outros casos - Jesus não agiu como " Punidor", mas como "corretor" que só procura o bem e a felicidade dessas pessoas.

Daí pode-se (e deve) perguntar: como suportar a existência de inferno com a bondade e amor que defini Deus? Se o inferno, por definição, é eterno, significa que inferno não pode ser um meio para mais nada. O inferno é final e definitivo. Deus que fez e mantém o inferno, não pode deixar de ser um Deus punitivo, um Deus que jamais poderá ser definido como amor. Caso contrário, o Magistério da Igreja nunca define como dogma de fé, a existência do inferno. O que a Igreja tem dito é que o que morre em pecado mortal, é condenado. Mas a Igreja não diz (e posso dizer) qualquer determinada pessoa que tenha morrido em pecado mortal. Digamos, então, mais lógico e mais humilde, que a linguagem metafórica de fogo, trevas e ranger de dentes não é nada mais do que formas de expressão que nos dizem que Deus é justo e faz justiça. Mas como é que é? Isso, ninguém sabe. Também não se pode saber.

Aceitemos, então, a nossa limitação em tudo o que se diz respeito ao nosso conhecimento sobre o "além". E, claro, nunca usamos Deus ou a eternidade para fomentar o medo e subjugação dos povos aos interesses de poder e autoridade que os profissionais usam e abusam na religião. Baseando-se em interesses semelhantes, tudo que vejo é que estão fazendo mais odiosa e insuportável a causa de Deus.
FONTE: http://blogs.periodistadigital.com/teologia-sin-censura.php/2014/01/13/dios-no-castiga-a-nadie