A IGREJA DO DESERTO


"O Espírito conduziu Jesus ao deserto”. E lá estava ele à espera de ser tentado pelo diabo (Lc. 4, 1).
O deserto é um lugar árido e nu, sem estradas, sem padrões pré-estabelecidos. Apenas convida os peregrinos a passar, deixando-os invadidos por um horizonte que está sempre à frente. Penetrar em mundo galpão pré-fabricado, para se aventurar no inseguro, ou mesmo no perigo.
Entre para o deserto, conduzido pelo Espírito, é um momento de busca interior, nosso próprio caminho humano, honesto e corajoso dos que creem. É inútil tentar responder a um caminho já desenvolvido por outros, com regras que nos dizem o que fazer e como decidir.
No deserto estão às perguntas a serem respondidas a partir do interior de nós mesmos: Como se tornar o que eu quero ser? O que eu sou? Qual é o propósito da minha vida? O que significa para eu viver como um cristão, e o que é realmente é viver como um cristão?
O texto de Lucas, que narra à experiência de Jesus, sugere que só podemos encontrar o caminho de Deus no deserto quando o atravessarmos. Não admira que lá Jesus tivesse enfrentado sua maior pergunta: O que meu Pai quer para mim?
A Caminhada pelo deserto é a pedagogia de um Deus que, longe de nos forçar a dirigir os nossos pés nesta ou naquela direção, propõe a cada um procurar seu próprio caminho, e dar uma resposta genuína e pessoal.
Jesus tinha trinta e tantos anos, quando o Espírito o levou para o deserto (o texto original indica que "violentamente foi empurrado para o deserto", talvez o mestre, em seu coração, tenha se recusado a ir...), deixar para trás sua família, seu povo, sua vida de carpinteiro, os seus esquemas... Para descobrir o novo, em uma missão a qual foi chamado.
Entrando no meio do deserto, com efeito, deixamos de caminhar nos regimes em que nos propomos e estávamos ancorados. Reconhecemos que já pertencemos a uma época antiga e ultrapassada. O deserto apela para a nossa pobreza interior e nudez total. Não o suficiente para dizer: "Eu sou um cristão, aprendi o básico da religião, conheço as regras e preceitos de pertencer a uma verdadeira igreja, ela me diz o que é certo e o que é errado". Fizemos o deserto de areia para deixar as nossas respostas - talvez clichês ocos, temas, slogans, alguns rituais vazios, ou a rotina e maneira convencional de fazer as coisas.
Entrar no deserto significa despir-se, desembrulhar-se de nossa aridez interior, para obter a coragem de olhar para nós mesmos como somos, sem as vestes que cobrem a nossa vergonha, nossas feridas e nossa terra. Aliás, a nossa... É nossa igreja, que também começa a despir-se, se você quiser seguir os passos de Jesus. Deixe a casa como Abraão fez. Ou como o povo hebreu, que deixou as panelas de carne do Egito e o conformismo que significava a escravidão. Como o mestre, que colocou o sinal de "pendurado" na madeira, e entrou no deserto desconhecido de sua missão em favor dos oprimidos conquistado na história.
Entrar no deserto significa abandonar suas tantas fronteiras de hipocrisias valorizadas e auto satisfeitas da vida, e da igreja. Esqueça os muitos: "isso sempre foi assim." Deixando de lado essas armadilhas sutis com as quais pretendemos auto convencermos de que tudo vai relativamente bem, e que as mudanças, se houver, serão para a próxima geração, imitando assim a catástrofe da permanente geração do nós e do Êxodo, como os que estão às portas de uma Igreja melhor.
Liste as mudanças que, em sua opinião, estão se tornando indispensável em nosso meio ambiente e que seriam praticamente impossíveis. Há muitos desafios para a nossa comunidade global:
* A adoção de uma mudança radical de mente sobre a ordenação de mulheres e pessoas LGBT ao ministério pastoral (ministras?).
* O papel dos leigos na Igreja do século XXI (gestores ou assistentes?).
* O uso de recursos econômicos (moldar ou compartilhar?).
* A autoridade de pastores e líderes (ou potestas autoritas?).
* A natureza do evangelismo (proselitismo ou serviço?).
* A identidade da igreja (a radicalização das regras ou "Veja como eles se amam"?).
* A "federalização" do nosso modus operandi (ou café para todos "diversidade na unidade"?).
* O modo de eleger nossos líderes (e nomeações buenismo confiança absoluta ou projeto?), E assim por diante...
Devemos estar conscientes de não ficarmos atrás do volante no deserto com o nosso mais recente modelo, numa estrada bem protegida, e, muitas vezes saltar sobre a palavra exigente de Deus. A igreja do deserto, no entanto, é humilde e bem consciente de suas limitações e infortúnio anda sobre as dunas a pé, enfrentando as dificuldades que o Tentador coloca na estrada com as mesmas armas de Jesus: o pão do céu (absoluta dependência do Espírito), tendo o Pai como o único objeto de adoração (abandono de interesses ilegítimos), sem tentar a Deus (rejeição de qualquer conluio com os poderes de qualquer tipo), inclinando-se sobre o Senhor da igreja, que guia-nos pelo caminho da liberdade, o primeiro passo é olhar e reconhecer quem Ele é realmente.
E, acabando o diabo toda a tentação, ausentou-se dele por algum tempo.
Lucas 4:13.

Juan Ramón Junqueras
Eltudou teologia na França e tem sido um pastor adventista na Suíça e Espanha. Especializou-se em meios de comunicação. dirigiu por seis anos o programa de rádio ONGente. Atualmente, é empreendedor. Sua grande paixão é escrever sobre Jesus de Nazaré, sua mensagem tenta conectar-se com a mente pós-moderna.