quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

História da ICM em uma página

 Não, não dá pra contar a história da ICM em uma lauda, isso é uma impossibilidade. Mais ainda, não dá pra contar essa história com neutralidade e distanciamento. Aliás, não dá para escrever história alguma com estas qualidades. O historiador é um sujeito ativo, inserido em mentalidades e subjetividades que irão alterar sempre o produto do seu conhecimento. Este é o meu caso. A ICM é parte da minha história, parte da minha emocionalidade, do meu viver diário. Não dá pra manter distanciamento deste objeto de estudo, visto que ele e eu somos partes em comum. Eu também sou ICM e, ao escrever, escreverei de mim também, alterando inconscientemente ou direcionando para os meus fins emocionais, a “história” que eu pretender contar.
     Por isso, aqui farei uma breve narrativa, que você pode chamar de história, mas que também terá a liberdade de chamar do que quiser. Afinal, o que é a história senão seleção, escolha, direcionamento com propósito, com um fim. E você vai perceber o meu fim, o meu objetivo, ao escrever essa “História da ICM em uma página”.
     Bem, a ICM começou a sua atividade no Brasil em Maio de 2004. Quer dizer, assim dizem os documentos escritos, as matérias jornalísticas, as atas fundacionais da primeira ICM, a do Rio. Mas, de fato, Maio de 2004 foi apenas um “start” oficial de um movimento espiritual que já vinha ensaiando sua presença no Brasil há alguns anos.
     Tive a oportunidade de conhecer pessoalmente em Setembro deste ano o Rev. Thomas Hanks, que me relatou oralmente de sua presença no Rio nos anos 90, com o objetivo de iniciar um trabalho de inclusão cristã, juntamente com o militante falecido Raimundo Pereira, do Grupo Atobá, e com o também falecido Rev. Nehemias Marien, da Igreja Presbiteriana Bethesda. Este, Nehemias, foi sim como um João Batista para a ICM no Brasil, preparando o caminho e aplainando as veredas, para o futuro alicerçamento da ICM nestas terras.
     O ex-pastor da ICM, Gelson Piber, relatou algumas vezes a mim e a outras testemunhas, da vinda do também ex-pastor, da antiga ICM Buenos Aires, Roberto Gonzalo, ainda nos anos oitenta, com o objetivo de implantar, ou ao menos verificar o terreno para a implantação, de uma ICM no Rio de Janeiro. Este relatou também da presença de uma mulher, chamada Isabel, que em inícios dos anos noventa teria tentado a implantação de uma ICM em Brasília, mas que mudou-se do Brasil em virtude de seu trabalho de diplomacia. Não há como confirmar tais relatos, ainda que sejam parte da história oral de nossa ICM. Não sabemos quem é Isabel e não temos mais contato com o Rev. Roberto Gonzalo.
     Em 28 de Junho de 2003, numa manhã de sábado, assisti pessoalmente a um Culto em Ação de Graças pela 8º Parada do Orgulho Gay do Rio de Janeiro. Já se passaram 10 anos. Eu tinha 22 anos de idade, e me lembro nitidamente, apesar dos problemas teóricos envolvidos na discussão sobre a memória, da presença de um jovem pastor, que fora convidado para co-celebrar este culto. Marcos Gladstone da Silva era um jovem rapaz que estava ali apresentando a ICM, sigla que tive dificuldades em gravar.
     A igreja não possuía templo formal, se reunia na casa de irmãos e, logo em seguida, provavelmente em inícios de 2004, começou a reunir-se como “Célula Bangu” da ICM, na casa de José Luiz da Silva, o Zeca.
 icm_bangu
Célula Bangu das Igrejas da Comunidade Metropolitana
      Nesta “História de uma página” vamos pular quase um ano na cronologia. Em Maio de 2004, pelos esforços dos irmãos da Célula Bangu, nascia oficialmente a primeira ICM no Brasil, depois da realização da II Conferência da ICM no Brasil, com a presença do Rev. Troy Perry, no Hotel Othon, em Copacabana.
     Ainda em 2004 surgiu o primeiro grupo da ICM em São Paulo, liderado pelo pastor Kim Ferreira, que não permaneceu por muito tempo. A ICM em São Paulo só se estabeleceria de fato em 2006, sob a liderança do pastor Cristiano Valério.
 antigo grupo icmsp
      Hoje, aqui, estamos nós, depois de dez anos, continuando a missão da ICM no Brasil. Neste tempo algumas igrejas surgiram, deram frutos e permanecem, outras fecharam as suas portas. Atualmente somos cerca de quatorze igrejas, missões e grupos no Brasil, com o objetivo único de levar a mensagem de salvação e inclusão de Jesus Cristo. Seja você também parte desta história. O meu objetivo ao escrever esta “história” é que você possa se identificar, e ser parte deste projeto. Seja ICM!
 Breve Cronologia da ICM no Brasil
Anos 80
Vinda do Rev. Roberto Gonçalo (ICM Buenos Aires) ao Rio de Janeiro (relato oral)
Início dos anos 90
Pastora Isabel inicia um grupo da ICM em Brasília (relato oral)
Segunda metade dos anos 90
Rev. Thomas Hanks visita o Rio de Janeiro. dialogando com o Rev. Nehemias Marien e com o militante Raimundo Pereira.
1998
São ordenados os primeiros pastores assumidamente gays do Brasil, Victor Orelana e Fernando, pelas mãos do Rev. Nehemias Marien.
2003
Marcos Gladstone, Isaque Lima e Marco Antonio celebram o primeiro encontro de pessoas interessadas em formar uma ICM no Rio, na Praia de Ipanema.
2003
É realizada a Primeira Conferência da ICM no Brasil, no Hotel Othon, em Copacabana.
2003/2004
Inicia-se a Célula Bangu da ICM
2004
Realizada a Segunda Conferência da ICM No Brasil, no Hotel Othon, em Copacabana.
Maio de 2004
Nasce oficialmente a primeira ICM, em um sobrado da Av. Mem de Sá, no Rio. (encerrada)
2º Semestre de 2004
Surge m grupo da ICM em São Paulo
Outubro/Novembro de 2005
Surge a ICM Niterói (encerrada)
12 de Março de 2006
Nasce oficialmente a ICM Brasília (encerrada)
2º Semestre de 2006
Surge a ICM Betel, ICM São Paulo, ICM Fortaleza, ICM Teresina, ICM Vitória, ICM Belo Horizonte e ICM Salvador (encerrada)
2012
Surge o Grupo da ICM Maceió
1º Primeiro Semestre de 2013
Surgem os Grupos da ICM João Pessoa, ICM Mairiporã e a ICM Baixada Fluminense
20 de Outubro de 2013
Você é parte da ICM

[1] A Primeira Conferência aconteceu no mesmo Hotel no ano de 2003.