Argentina propõe dar asilo para gays da Rússia e da Índia

O ativista da diversidade sexual Alex Freyre disse que o país deve ser embaixador em lugares onde a orientação sexual ainda é considerada ilegal.
Por     |  NAÇÃO



 
Foto: AP 
O ativista pelos direitos da diversidade sexual Alex Freyre propôs a Argentina como um receptor de imigrantes gays dos países onde a homossexualidade é considerada ilegal.
Falando à nação, expôs a ideia. "A Argentina é hospitaleira para pessoas requerentes de asilo político e, em especialmente, sem dúvida, têm avançado no reconhecimento de direitos para a diversidade sexual, pois que faça uma posição não só dentro, mas também fora." É considerado na liderança de posição internacional o país com mais avanço nos direitos LGBT do mundo.
O ex-candidato a deputado nacional pela Frente para a Vitória acrescentou que, para os lugares que criminalizam a homossexualidade, e que a consideram ilegal, essas pessoas podem pedir asilo político na Argentina. 
Freyre deu uma visão geral do que acontece em países como a Índia, que recentemente declarou a ilegalidade da homossexualidade. "O que eu acho que está acontecendo nos países onde é ilegal ser gay é que não há uma resposta pública que trabalhe para reverter esses processos, tanto na Rússia como na Índia ", disse ele. "Eles estão militando para reverter essas posições. Mas, sem dúvida, os militantes, que em particular, estão mais em risco nesses países. Nesse caso, os requerentes de asilo vão contar conosco para conduzir a partir daqui os mecanismos a ser concedido" , prometeu.
Freyre é presidente do Arquivo de Memória da Diversidade Sexual e é diretor executivo da Fundação Buenos Aires Aids. Ele fez parte do primeiro casamento gay da Argentina.
"Como parceiros locais os militantes tem que se tornar anfitriões da diversidade e devem receber os militantes que estão ameaçados em seus países, as pessoas cujas vidas estão em risco", propôs.
- Qual sua opinião sobre a migração de pessoas de países onde é crime ser gay?
A primeira coisa que lembro é que a Argentina experimentou os mesmos processos. La era ilegal ser homossexual. Durante a ditadura militar e mesmo na democracia a homossexualidade e a travestilidade foi por muitos anos também editais policiais eficazes e códigos de contravenções criminalizada com até 90 dias de prisão. Hoje está curada do que não é uma doença. Tivemos um momento difícil, remover essas leis em nossas províncias foi necessário uma mudança de cultura para assim poder mudar essas leis vergonhosas e parar de perseguir os homossexuais.
Como é que vai parar?
Eles me levaram preso 19 vezes entre os 16 a 19 anos. É muito complexo imaginar com o nosso olhar de hoje onde está em vigor o direito igualitário do casamento. Mas eram os códigos de moralidade e decência do governo. Aqui em Buenos Aires a divisão de moralidade e decência da Polícia Federal trabalhava com os critérios em que a homossexualidade era tida como imoral. Não precisava beijar outro cara na rua, bastava apenas a vontade do beijo que já podia ser levado.
Como é que você sabe que alguém é homossexual?
Com a aproximação da polícia. Este é do caralho, leve-o. Me levaram para verificação de antecedentes. Eu e meus amigos do bar gay, porque eu era um dos poucos sortudos que tinha amigos gays. Foi em 1986. Porque eles viram que tinham algumas atitudes, disse. Hoje há igualdade, direito à diversidade sexual e todos os países sabem que há solidariedade da Argentina.