Autor indiano Vikram Seth está com raiva

Vikram Seth é um homem irritado.
O célebre romancista, que está escrevendo uma continuação de seu best-seller
épico Um bom partido, está indignado com a recente decisão da Suprema Corte da Índia em defender uma lei que criminaliza a homossexualidade - uma decisão vista como um grande golpe para os direitos dos homossexuais.
Tanto assim que o escritor geralmente calmo e elegante tem assimilado um visual com - barba por fazer, despenteado e parecendo distintamente com raiva - na capa da revista Indiana Today segurando um quadro plástico falando 'Not A Criminal' para promover seu ensaio de movimento na revista sobre direitos dos homossexuais.
Não é de admirar que a cobertura poderosa tornou-se um ponto de diálogo - não há lembrança de nenhum escritor indiano fazer tal coisa no passado.
Sr. Seth, que se formou em filosofia, política e economia em Oxford, uma vez foi descrito pelo The New York Times como uma pessoa com uma "inteligencia educada". Descobri uma sagacidade intacta quando falei com ele esta manhã na cobertura que está a fazer ondas.
Por que você está tão zangado?
Estou chocado com a decisão do Supremo Tribunal [que criminaliza o sexo gay] . O julgamento é intelectualmente superficial e eticamente oco.
É desleixado em seu raciocínio e pusilânime no que diz respeito à defesa dos direitos fundamentais. Foi justamente na província do Supremo Tribunal que o assunto foi decidido, mas este tribunal normalmente ativista tem chutado a bola para o campo de um parlamento liberal.
A Constituição protege as liberdades e direitos dos cidadãos indianos.Não cabe aos juízes conferir direitos ou levá-los embora.
É preciso uma quantidade razoável para me indignar. E um julgamento que tira as liberdades de pelo menos 50 milhões de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis (LGBT) na Índia é escandaloso, é desumano.
No entanto, a maneira como você se expressa no seu protesto - posar na capa de uma revista - é bastante sem precedentes.
Não há nada de heroico em fazer o que eu fiz.
Existem [gays] pessoas que vivem vidas de desespero silencioso em cidades e vilas da Índia. Eles são intimidados por suas famílias e parentes.
Eles precisam de pessoas para expressar sua consternação e decepções, as pessoas que se apresentam como modelos. Pessoas que, no entanto reticentes ou reservado que são normalmente, pode apresentar-se como modelos.
Existem vários empresários de destaque na Índia [que são gays] - que seriam modelos maravilhosos. Se eles não forem será um triste abandono de sua responsabilidade de ser solidário com aqueles que são como eles, mas muito mais impotente, solitário e isolado.
Você pode imaginar a diferença que faria se quatro ou cinco pessoas amplamente admirados de diferentes esferas da vida se levantam-se e dissessem: "Isto não é grande coisa eu sou bissexual"
As pessoas que saíram para liberdade nos últimos quatro anos, desde o julgamento da alta corte não podem ser simplesmente empurradas para trás na escuridão do armário.
Mas não estou falando deles a esse respeito, mas das pessoas, cheias de dúvidas ou com famílias que os hostilizam, precisam desesperadamente de pessoas para apontar e dizer: 'Eles são como eu sou".
Então como é que esta capa aconteceu?
O Fotógrafo Rohit Chawla surgiu com a ideia.
Ele fez duas sessões de manhã e à noite na minha residência.Há um conjunto de fotografias onde estou barbeado, por sinal.
A noite anterior a sessão eu tinha estado ocupado e fui tarde para a cama. Então, quando Rohit chegou na parte da manhã me encontrou no estado em que estava, ele disse não faça a barba.
Ele veio com dois assistentes, equipamentos de iluminação. [Mas] fiquei muito relaxado na verdade, tomamos um copo de rum. E então ele disse que viria à noite fazer um outro conjunto de imagens - os barbeados!
Rohit queria muito esse quadro. Ele foi generoso o suficiente para deixar a escolha final para mim. Fiquei bastante assustado com a opinião dos meus pais pois com a barba por fazer eu parecia um goonda (bandido) [na foto].
Na verdade eu estou por me barbear enquanto falamos, para que eu possa me redimir no almoço.
Eu finalmente concordei com a escolha de Rohit, porque ele disse que iria ajudar a chamar a atenção para a peça dentro da revista que escrevi e, portanto, ajudar a causa em geral.
Você parece um pouco irritado na imagem. Muito ao contrário de você.
Minha expressão veio muito fácil. Eu tinha acabado de ler algumas partes do julgamento ilógico. Foi aí que minhas sobrancelhas franzidas vieram. Eu não tinha feito a barba de qualquer maneira. E eu tinha um fotógrafo imaginativo.