O suicídio de uma Denominação.

O ARTIGO NÃO É NOVO, NA REALIDADE JÁ TEM DOIS ANOS, MAS ACHAMOS IMPORTANTE PUBLICAR COMO FOI A REPERCURSÃO DE UMA DENOMINAÇÃO QUE TEVE A CORAGEM DE SE POSICIONAR A FAVOR DOS SERES HUMANOS LGBT. A IGREJA PRESBITERIANA OUSOU A ACATAR PASTORES E PASTORAS LÉSBICAS E GAYS. FOI MUITO CRITICADA POR ALGUNS, MAS TEMOS A CERTEZA DE QUE NOSSO SENHOR ESTEVE A FRENTE DESTA DECISÃO. PUBLICAREMOS A SEGUIR UMA RESPOSTA A ESSE ARTIGO.

Foi uma morte lenta, longa e dolorosa. No final, o paciente que agonizava fortemente no leito perdeu pouco a pouco o que lhe restava de vida, o espírito saiu de seu corpo com um suspiro trágico. Que a Igreja Presbiteriana dos EUA descanse em paz. Mas haverá muita pouca paz nesta morte patética. Ratificado eficazmente pela maioria dos presbitérios há um mês partir de hoje (10 de julho), a igreja abandonou seu compromisso denominacional com o casamento tradicional. Foi-se o padrão para a ordenação que requer pastores, "que vivam em fidelidade dentro do convênio do casamento entre um homem e uma mulher..., ou na castidade do celibato”.
Os muito poucos conservadores que existiam dentro da denominação resistiram com sucesso há esforços semelhantes nos últimos 15 anos, mas os tradicionalistas cada vez mais diminuídos e sitiados perderam de 87 a 88 presbitérios que lutavam com esforço mudar a Constituição. Os "progressistas" tinham atingido a maioria necessária e a constituição foi alterada para permitir a ordenação de gays e lésbicas não celibatárias.
Durante séculos, a Igreja Presbiteriana se orgulhou de sua herança e legado de homens como John Knox, que sem medo e corajosamente apresentavam a verdade das Escrituras. Hoje, a moderna Igreja Presbiteriana (EUA) (também "PCUSA") tem pouca semelhança com sua ascendência nobre. Enquanto alguns movimentos trabalharam duro para e manter a esperança de algum tipo de despertar espiritual, um compromisso renovado com a ortodoxia, não conseguiram, ela se foi. Que fique claro: A questão aqui não é a homossexualidade. O cerne da questão é a autoridade das Escrituras.
É verdade que foi uma morte longa e árdua. O verdadeiro início da espiral morte começou com o que tem sido chamado de "Declaração de Auburn", em 1924. A controvérsia surgiu entre as forças dos "fundamentalistas" e "modernistas." Mais uma vez, a questão era a autoridade das Escrituras. Entre outras coisas, a afirmação infame negou a infalibilidade da Bíblia. O documento foi rapidamente assinado por 1.274 líderes da denominação e contribuiu para um declínio no número de membros, juntamente com um declínio no número de igrejas e de influência que, com o passar dos anos excepcionalmente a igrejas continuaram em declínio. A PCUSA mostrou um declínio constante, mensurável por pelo menos 40 anos ininterruptos. No ritmo atual, a PCUSA será extinta em mais ou menos 40 anos. Alguém poderia fazer o argumento de que ela tem sido "morta" há anos. A recente decisão da maioria dos presbitérios simplesmente a fez oficialmente morta.
O que temos assistido é uma denominação "cristã" fazer uma completa volta de 180 graus, a partir de seus principais fundadores até a colheita das consequências. A PCUSA negou o motivo pelo qual seus fundadores espirituais lutaram e voluntariamente morreram. Em seu lugar, colocaram uma falsificação patética. John Knox e outros que proclamaram o Cristo que morreu para libertar as pessoas de seus pecados. A decisão PCUSA oferece espaço no presbitério para afirmação de que pecado e ordenação é a mesma coisa, pois aceitam ministros que escolhem permanecer no pecado.
A partir da Declaração de Auburn em diante, a denominação tem mostrado sinais de morte. Ano após ano, como os seus números de atendimento diminuíram, realizaram sua reunião anual em busca de um diagnostico para sua doença. Uma receita que incluía um retorno ao simples ensino da Escritura era desesperadamente necessária, um retorno a princípios fundadores. O que temos assistido é que em vez disso mais liberalismo, em doses maiores. Quanto mais liberal a denominação torna-se, mais rápido ela declina. E ainda assim a cada ano o grito é o mesmo: "Vamos nos tornar mais liberais e (em vigor) negar mais as escrituras!" Alguém disse que a definição de insanidade é fazer a mesma coisa uma e outra vez e esperar um resultado diferente? 
Uma das proclamações afirmadas na Auburn foi, "Divisão é deplorável, unidade e liberdade são elogiadas." Em outras palavras, a unidade era muito mais importante do que a verdade. O que eles não entendem é que não existe uma verdadeira unidade sem verdade! Eles transformaram o ensino de Cristo sobre a liberdade em sua cabeça: Ele ensinou que a sua morte traria liberdade do pecado, o liberalismo denominacional como o que estamos presenciando na PCUSA oferece liberdade em pecado. 
Em 10 de maio de 2011, a PCUSA deixou claro para o mundo que, para eles, uma visão ortodoxa das Escrituras, o pecado do homem e a salvação oferecida por Cristo são irrelevantes e não há divisão. Eles novamente rejeitaram a autoridade das Escrituras. A denominação que deixou sua herança orgulhosa e assinou seu próprio atestado de óbito. Seguindo os passos dos liberais de 1924, a PCUSA moderna dividiu em nome da unidade. Cisma é o resultado provável da recente decisão dos presbitérios. Talvez em dividir, elementos conservadores da dominação ressuscitarão: presbiterianos que realmente creem na Bíblia.
Este artigo publicado em 10 de junho de 2011.
Bob Burney é anfitrião premiado Salem Communications 'de "Bob Burney Live", ouviu as tardes de segunda a sexta em WRFD-AM 880 em Columbus, Ohio. Contacte Bob em bob@wrfd.com.