quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Sodoma e Gomorra, outro olhar.

Por José Pablo Chacon
Antes de começar a escrever estes parágrafos, devo dizer que estou limitando a análise exclusiva do caso das cidades de Sodoma e Gomorra. Isso significa que você vai procurar identificar as razões bíblicas e teológicas que levaram à destruição de ambas as populações. Esta avaliação não tentará estabelecer ou não a pecaminosidade de práticas consideradas por muitas pessoas como desvios da sua sexualidade. Eu também antecipo que vou ter que limitar a análise dos determinantes versos mais importantes da história.
As cidades de Sodoma e Gomorra são bem conhecidas, talvez, as mais famosas de toda a Bíblia. Ficamos com as notícias do Antigo Testamento. Hoje elas são sinônimas de cidades do pecado, especialmente, de acordo com o pensamento geral, os pecados de natureza sexual. A questão que buscamos responder neste artigo é: Qual foi o verdadeiro pecado para o qual foram destruídas as duas cidades?
Encontramos a história no capítulo 19 de Gênesis. No entanto mencionado várias vezes ao longo das Escrituras.
O primeiro versículo chave é encontrada em Gênesis 19:05.
"Eles chamaram a Ló, e disseram-lhe:
- Onde estão os homens que vieram para passar a noite em sua casa? Joga-os para fora! ”Queremos dormir com eles“.
Temos aqui um texto que foi traduzido e interpretado, a partir da Idade Média, com um tom muito específico. No entanto, um estudo mais profundo do hebraico em que foi escrito pode nos ajudar a entender melhor o que estava acontecendo. O verbo hebraico   yada, traduzido como "ir para a cama"  no versículo é traduzido na maioria das vezes como "conhecer".
Este verbo  aparece seis vezes. Em Gênesis 18:19 Deus disse a Abraão: "Eu o conheço", referindo, sem dúvida, o pacto solene em Gênesis 17: 2. Em Gênesis 18:21 Deus quer ir até Sodoma para "conhecer" os fatos, ou seja, "reconhecer" ou "investigar". No texto em questão, Gênesis 19:05 o povo de Sodoma exigiu a "conhecer" os mensageiros divinos para "reconhecer", ou seja, interrogatório. Em Gênesis 19:08 as filhas de Ló ainda não haviam conhecido "homens", ou seja, não eram casadas, mas havia uma promessa (19:14). Finalmente, nos versos 33 e 35, elas vão para a cama (Hb s hákhab)  incestuosamente com seu pai, mesmo sem "saber" o que aconteceu.
No primeiro caso, a palavra é usada como uma forma de conhecimento formal de um tratado ou convênio. No segundo caso, a mesma palavra é usada para designar o conhecimento intelectual, analítico. Interrogar a noção de estrangeiro para investigar curiosamente, quase certamente com a violência que se repete no terceiro caso. No quarto caso, falamos das filhas de Ló como virgens, e nos dois últimos casos outra palavra usada para descrever o ato sexual e é reutilizado yada  para provar a inocência de Ló, porque ele não tinha conhecimento do que aconteceu. (Para um estudo mais completo da palavra ver: http://concordances.org/hebrew/3045.htm).
Devemos reconhecer que a Bíblia hebraica, falando especificamente da vida sexual, na maioria das vezes que usa dois verbos: "reconhecer" (boo) e "mentira" (shákhab). Onde alguém "reconhecido" geralmente equivale a "ter relações sexuais". Por exemplo, Jacob pede permissão a seu tio Labão para chegar a Raquel (Gênesis 29:21). Como shákhab,  a esposa de Potifar pede repetidamente para que José se deite com ela (Gênesis 39:7-12).
Dada a análise acima, podemos entender os seguintes versículos (Gênesis 19:6) e o desejo de evitar uma série violenta, injusta e um humilhante interrogatório. Em resposta, Ló está ameaçado de obter uma punição pior (Gênesis 19:09). A palavra que aparece traduzida como "mal" no versículo 8 não descreve o tipo de pecado que estava a acontecer, também pode ser traduzido como "o mal". (Para um aprofundamento da palavra hebraica http://concordances.org/hebrew/7489a.htm). É importante saber que as leis permitiam Ló oferecer suas filhas. Poderia doar ou vender (Êxodo 21:7-9). Em qualquer caso, não devemos especular além do que o texto permite-nos, nem devemos pensar que o episódio de um pecado não realizada (o texto diz que nunca foi feito), que pode ser crucial para o destino das duas cidades .
Como eu disse acima as famosas cidades de Sodoma e Gomorra, reaparecem em outros textos da Bíblia. É o caso de Isaías, Jeremias, Ezequiel, Amós e profetas Sofonias, também mencionado no livro de Lamentações.
No livro de Isaías são mencionados em 1:9, 1:10, 3:9 e 13:19, mas não há nenhuma referência a qualquer forma de pecado sexual. Reconhece-se que alguma coisa aconteceu nessas cidades atrozes, inaceitável, mas não está claro o que estava acontecendo. Neste ponto, não podemos determinar qual foi o pecado que levou à destruição.
São encontrados em Jeremias 23:14; 49:18 e 50:40, mas podemos apontar apenas a evidência de um pecado de sexo. Ele chama a atenção para o texto de Jeremias 23:14
"E entre os profetas de Jerusalém vi coisas terríveis: cometem adultério e vive uma mentira; fortalecem as mãos dos malfeitores, nem se convertem de sua impiedade. Eles são para mim como Sodoma, o povo de Jerusalém é como Gomorra." 
Ele compara os profetas de Jerusalém com esses pecadores de Sodoma e Gomorra. Mas apesar de vários pecados (adultério, a mentira, a apoiar os malfeitores) que são mencionados, ainda não podemos determinar qual foi o pecado que destruiu Sodoma e Gomorra. O que o texto nos permite é comparar Jeremias ao pecado (ainda não mencionado) com adultério e mentiras. Uma coisa é certa: o pecado de Sodoma e Gomorra foi valorizado por Deus como adultério e mentira.
No livro de Lamentações é mencionado apenas uma vez no verso 4:6, e, contra todas as probabilidades, é mencionado que  "Maior que os pecados de Sodoma foram à injustiça de Jerusalém..."  Ou seja, Jerusalém pecou ainda mais do que Sodoma e Gomorra. E também destruída em 587 aC pelo exército de Nabucodonosor II.
Em Ezequiel é mencionado 5 vezes: 16:46, 16:48, 16:49, 16:53, 16:56. Neste livro encontramos o relato mais importante do pecado de Sodoma e Gomorra, que lemos em 16:49-50
"Sua irmã Sodoma e suas cidades eram culpados de arrogância, ganância, apatia e indiferença para com os pobres e indigentes. Acredita-se superior aos outros, e na minha presença foram dadas a práticas repugnantes. Então, como você viu, eu tenho destruído."
Este texto é revelador. O pecado para o qual foram destruídos vai muito além do que perversidade sexual (que certamente não havia, como em todas as cidades). Seus pecados, claramente indicados foram: orgulho, a gula, a apatia, a indiferença para com os pobres e indigentes e o orgulho (acreditavam-se superior aos outros). Tudo isso cria uma cultura de "prática repugnante", rejeitada por Deus. É por isso que essas cidades foram destruídas. Os textos mencionados até agora, os nomes de Sodoma e Gomorra serviram como um exemplo de uma realidade social em que os pobres sofrem a injustiça, a corrupção, a opressão e a violência. Não admira que os estrangeiros queiram lidar com a injustiça e violência.
Já no Novo Testamento, encontramos várias vezes mencionadas. (Mt. 10:15;. Mt 11:23;. Mt 11:24, Lucas 10:12;. Lc 17:29;. Rom 9:29;. 2 Pedro 2:6 Jud 01:07..; Rev. 11:8).
Nos Evangelhos, sempre são mencionadas usando-as ​​como uma comparação com o dia do juízo final. Coloca o destino de outras cidades como maior do que a grande quantidade de pessoas que serão punidas no dia do juízo final.
Em Romanos e II Pedro, menciona-se como um lembrete para todos os ímpios. A generalização para todo pecador.
Em Judas vemos um texto marcante em que os pecados sexuais são mencionados em Sodoma e Gomorra. O texto aparece logo depois de mencionar o pecado dos "anjos" que, obviamente, não tinham nada a ver com homossexualidade. Além disso, o texto compara atos de Sodoma e Gomorra com os anjos desobedientes. A palavra grega usada é  ekporneusasai  (porneia) a ser traduzido, como regra, como o adultério. (Para ver um aprofundamento do termo: http://concordances.org/greek/1608.htm). Juntamente com essa palavra, encontramos uma frase enigmática traduzido do grego como alguns "atos contra a natureza". No entanto, a grande maioria das versões da Bíblia (tanto em português e inglês) não o faz. Literalmente o grego diz: "Vá após outra carne" (Nós podemos ver uma comparação das traduções aqui: http://bibliaparalela.com/jude/1-7.htm). Esta frase não descreve a natureza do pecado, embora possa induzir a noção de "adultério" ou "fornicação".
Finalmente Apocalipse menciona uma única vez, que fala da última destruição de Jerusalém.

Depois de analisar todos os textos bíblicos sobre as cidades de Sodoma e Gomorra, temos de acabar com o mito generalizado de que foram destruídas por um pecado de natureza sexual, muito menos tem a ver com a homossexualidade. Em vez disso, seu pecado é parte da injustiça, opressão, orgulho, arrogância, ganância, apatia...

José Pablo Chacon, nascido em San José, Costa Rica, estudou Jornalismo, Bíblia e Teologia. Ele é o autor de "O Decálogo, uma canção de adoração" e fundador da Interlude comunitário.