OS ESTERTORES DO FUNDAMENTALISMO EM UMA IGREJA PENSANTE.




"Tem sido um processo de morte lenta, longa e dolorosa." Assim começa uma ampla argumentação no artigo de Bob Burney. Nela, ele prevê/reconhece a morte de uma denominação, especificamente a PCUSA (Igreja Presbiteriana USA). Por que esta morta? Bem, claramente não é por uma consequência religiosa. Ela está morta porque diz amar os homossexuais. É certo que, embora o Sr. Burney abra o artigo dizendo que "a igreja abandonou seu compromisso denominacional para o casamento tradicional", ele diz que: "A questão aqui não é a homossexualidade. O cerne da questão é a autoridade das Escrituras."  O artigo de Burney é cheio de inconsistências, presunções e lógica pobre. Também exibe um estilo argumentativo de uma pessoa que tem pouca ou nenhuma base sobre a qual se levanta. Parece que o seu ponto de vista fundamentalista esta na PCUSA, e naqueles por quem Ele é, presumivelmente, uma voz representativa, agarrando-se em palhas nos estertores de sua posição.  Eles têm recorrido não só atacando aos que não acreditam no que fazem, mas também com ameaças, aos membros que mantêm reféns com o argumento de "jogar pelas nossas regras ou vamos tomar nossa bola e ir para casa." (é o que eu chamo de "mentalidade playground de congelamento do escolhido").
Esta ameaça velada, a mentalidade playground, pode ser visto na (publicação fundamentalista associada à PCUSA) "Os Leigos" resposta à recente votação da alteração 10ª. Em algumas grandes cidades, eles levaram para fora, publicando em jornais incentivos para que congregações reconsidem a sua "relação com a denominação". O Sr. Burney lida com esta questão dizendo: "Cisma é o resultado provável da recente decisão dos presbitérios. Talvez em dividir, elementos conservadores da dominação...". Como a maior parte do artigo, é uma declaração de um argumento bem trabalhado - falacioso, mas muito bem trabalhado. Pense nisso, ele começa por culpar os "liberais" por causar desse "cisma" (que, devo salientar, não tinha realmente acontecido ainda) e, em seguida, incentiva "elementos conservadores da denominação" a levantar-se pela divisão dela”. Brilhante. Sério. Ao todo falsa, mas vamos lá, isso é uma distorção brilhante maldita da realidade. Você tem que dar-lhe um pouco de respeito. Então, vamos fazer uma pausa em silêncio por um momento.... OK, isso é o suficiente. "Os relatórios da minha doença surgiram de sua doença, o relatório da minha morte foi um exagero." Como o Sr. Burney aponta em seu próprio artigo, o fundamentalismo na PCUSA é uma raça em extinção. Ele está incorreto, no entanto, ao apontar o liberalismo como a razão para qual parece ser "uma morte longa, lenta e dolorosa" da PCUSA. É exatamente o oposto da verdade. Até este ponto, o que matou lentamente a PCUSA foi a tenacidade admirável (mas em última análise incorreta) de nossos irmãos e irmãs mais conservadores. Suas ações indicam claramente que eles estão mais interessados ​​no julgamento de Deus do que em seu amor, que não têm nenhum problema impor uma interpretação literal da Bíblia, em alguns lugares, e ignorá-los em outros. Eles querem ter seu bolo e comê-lo, pois querem a pretensão de ser, como o Sr. Burney coloca, "presbiterianos que realmente creem na Bíblia", mas apenas nos locais que impõem seus preconceitos já retidos. Afinal é um lugar confortável de se viver. Esse lugar, apesar de ter sido ameaçado há anos pelos "liberais" que insistiam em uma maior consistência na forma como usamos e aplicamos a hermenêutica bíblica, agora é mais do que apenas ameaça. Fizemos uma volta na PCUSA. Temos agora uma maioria que não está tão orgulhosa na tradição e compreensão de João Calvino. Somos "reformados e sempre reformando." Em seu artigo, o Sr. Burney faz a afirmação de Que o apego a "ascendência nobre" deve ser uma medida chave da nossa saúde como denominação. É uma afirmação que muitos dos próprios antepassados ​​que ele apela, acharia terrível.  Desde Martinho Lutero e João Calvino estamos em uma longa linha de liderança cristã, que desafiou o status quo, reconheceu que o que foi no passado frequentemente não é tudo o que Deus está nos chamando para ser, e ficar enraizado no que passou é uma pobre tentativa de negar o Deus que encontramos na Bíblia que está sempre prestes a fazer uma coisa nova. Nossa herança está cheia de líderes ancestrais que viam claramente que o dominador da teologia bíblica primordial é o amor, o perdão, a aceitação e graça. É por isso que os cristãos progressistas têm tão frequentemente se digladiados com outras pessoas na linha de frente das batalhas dos direitos civis. Nós ainda fazemos. E, apesar de o Sr. Burney dar um incisivo protesto de que não se trata de homossexualidade. E também, como ele sugere, é sobre a autoridade das Escrituras. A interpretação dura-rápida, literal para o qual ele argumenta, deixa-nos apedrejar filhos desobedientes, se casar com a viúva de nosso irmão se ainda não teve filhos, e garantir que nossos escravos sejam obedientes com "temor e tremor." Isto é sobre a autoridade das Escrituras e, por extensão, sobre a homossexualidade. É falso sugerir o contrário. Da mesma forma, é hipócrita para aqueles que têm um problema com sexo homossexual (e não vamos fingir que se trata de algo diferente do que isso) sugerir que são a parte neste debate que realmente se preocupam com o que a Bíblia diz. Nenhum de nós obteve esse direito. Então, pare de fingir e assuma o que você faz e não o que fazemos. A Bíblia é muito mais complexa do que uma compilação demasiadamente decorrente de fontes fixadas dentro de contextualidades antigas e heranças que acreditam que qualquer um grupo de pessoas (ou pessoa) são capazes de possuir um entendimento definitivo da mesma. O Brilho da centralidade esta no amor, perdão, aceitação e graça dentro de seus próprios textos. Sem essas quatro partes a Bíblia se torna uma arma, em vez de um bálsamo, para aqueles que desejam marginalizar e julgar um segmento específico da sociedade (sejam elas mulheres, escravos, ou LGBT). Escolhem textos, sem considerar os contextos maiores, com o único propósito de usá-los para bater nesse grupo específico. A atitude playground que vemos exibidas nos anúncios de "O leigo", e em artigos como o de Sr. Burney nem sequer tentam realmente envolver os problemas reais da autoridade bíblica e, por extensão, dar uma resposta cristã à homossexualidade. Sr. Burney é certo e errado em sua salva de abertura: "Foi um processo de morte lento, longo e doloroso." A morte é muito exagerada, mas a doença é dolorosa. A doença, no entanto, é a do fundamentalismo em uma igreja cada vez mais pensante. Agora que a direção biblicamente orientada da Igreja tem sido definida, alguns dos "elementos conservadores da denominação" estão com menos terreno sobre o qual se levantar, decidiu então tomar sua bola e ir jogar em outro lugar. É a morte do fundamentalismo na PCUSA, não a morte da própria PCUSA. Fica claro a partir de seu posicionamento e trajetória que muitos vão deixar a PCUSA e que irá abater muitos membros na denominação. O efeito em longo prazo será o fechamento de algumas igrejas e, junto com isso, muitos ministros ordenados estarão fora do trabalho. A denominação em si, no entanto, não vai morrer. Ela vai crescer mais magra, mais focada, mais profética. Talvez como alguns dos "elementos conservadores da denominação" vão optar por sair, a denominação vá parar com a sua luta interna desnecessária e subir novamente, vivendo em realidades bíblicas de amor, perdão, aceitação e graça. 
Fonte: 
http://www.thegodarticle.com/7/post/2011/06/the-death-throes-of-fundamentalism-in-a-thinking-church.html